Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

domingo, 23 de setembro de 2018

Parada em Ventania - contos

https://www.amazon.com.br/Parada-em-Ventania-Jos%C3%A9-Brand%C3%A3o-ebook/dp/B07HFDBHDR?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&crid=2GDZG6VWTUUPF&keywords=jose+brandao&qid=1537281477&sprefix=jose+brandao%2Caps%2C265&sr=8-2&ref=sr_1_2





Parada em Ventania lembra os livros de ficção fantástica latino-americana com seus personagens tão sofridos que parecem viver em uma outra realidade.

É o menino aleijado das pernas que conhece o mundo só por ouvir a irmã contar e pela passagem irregular do trem. É o menino que vai embora da roça, despedindo-se do seu bezerro no pasto, durante a noite. É o menino assistindo ao pai tirar os espinhos do ouriço do cachorro. São as crianças órfãs que assistem ao pai armando a Árvore de Natal, sofrendo com a saudade da mãe.

É o marido que encontra a mulher na cama com outro, que persegue, mata e depois foge, mas encontra na estação ferroviária a vendeta da mãe desesperada. É a mulher que enlouquece de desejo e solidão, dividida entre o amor de dois irmãos. São os irmãos que se amam e são castigados pelos pais que pensam que somente um sofrimento como o de Cristo poderia purgar tal pecado. É o menino que mata o pai com um martelo para proteger a mãe com quem dorme e satisfaz seus precoces e primitivos desejos sexuais.

É a mulher que acorda na solidão em que vive procurando sinal de vida e, como não encontra, julga estar morta. É a cidade inteira tomada pela lepra, num tempo recordado incrivelmente com dor e saudade. É o jovem assistindo à primeira morte de sua vida, com sua estranheza como toda morte, talvez maior do que qualquer morte. É o homem que se suicida pensando que matara o amigo numa bebedeira, amigo que aparece na igreja durante a missa, com uma enxó na cabeça, mas muito vivo. É o casal cuidando da prostituta linchada pelas mulheres da pequena cidade, em sua cruel vingança. É a praga dos urubus que cobrem o céu da cidadezinha. É a peste que dizima todos os bichos do lugar e o cachorro do andarilho louco também atacado pela peste.

É a mocinha e seu canarinho encantado como se vivesse num mundo mágico. São os irmãozinhos que brigam por causa de uma abelha. É um cavalo encantado nas colinas da lua e o pai do menino que se encanta também quando busca o cavalo. É o menino que evita que os urubus roubem a carne-seca com pedradas certeiras de estilingue. É o amor por uma pombinha aleijada. É o menininho que contempla extasiado um velhinho e um pato nadando no lago.

É o matador fazendo a sua tocaia e a sua vítima que luta pela vida. É um cavalo ruim como o diabo e seu dono também ruim. É o homem que lembra uma vingança cruel de marido traído que assistiu quando criança É o amor de uma cadelinha feia e uma menininha feia também, e o padre que persegue a cadelinha, que é mais rápida no gatilho. É uma cena amorosa sobre um túmulo.




quinta-feira, 12 de julho de 2018

Memorial da Imagem e do Som do Cariri convida:


Lançamento da Ladeira Cultural Geraldo Urano e da Instalação Portal dos Sonhos


O Memorial da Imagem e do Som do Cariri, através do seu diretor Jackson de Oliveira Bantim, tem a satisfação de convidar a todos para a abertura da visitação à Ladeira Cultural Geraldo Urano e à Instalação Portal dos Sonhos, em homenagem ao artista plástico cratense Sérvulo Esmeraldo. 

O evento acontecerá neste sábado, dia 14/07, as 19h30m, no Instituto Cultural do Cariri – ICC, situado na avenida Maildes de Siqueira, em frente ao Parque de Exposições do Crato.

Sua presença abrilhantará o nosso evento.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Homenagem a Franz Krajcberg







HOMENAGEM A FRANZ KRAJCBERG


A árvore secou no alto da montanha
e todas as árvores
prostraram-se
em pranto
copiosamente
em pranto

morreu o barbudo das pedras

agora estão definitivamente sozinhas
 






sábado, 5 de agosto de 2017

Pedro Bantim: um homem para ser lembrado

O mês de agosto assinala duas datas significativas para a conceituada família cratense Oliveira Bantim: o nascimento e o falecimento do seu patriarca Pedro Bantim Neto.
Bantim nasceu em 23 de agosto de 1924, filho de Pedro Bantim Filho e Ana Perpétua Bantim, cujas raízes são de Santana do Cariri, aprazível município da histórica e tradicional região localizada no extremo sul do Ceará. No entanto, Bantim se radicou em Crato ainda jovem e tornou esta sua cidade de coração. Aqui foi empreendedor de seus negócios por mais de 50 anos, constituiu uma sólida base familiar e deixou uma indelével marca na memória identitária da cidade. Comerciante do ramo de alimentação, Bantim foi proprietário de uma afamada lanchonete localizada no centro da cidade, fato que o tornou conhecido e benquisto da população. A Lanchonete Bantim, além de tradicional ponto gastronômico, foi palco de acontecimentos pitorescos que hoje fazem parte do ‘folclore’ local. Bantim foi o principal protagonista desses ‘causos’, todos com saborosa verve de humor e espiritualidade, marca que lhe era inconfundível.
Bantim foi casado, em longas e profícuas núpcias, com Djaci Oliveira Bantim, filha de Maria de Lourdes Oliveira e José de Oliveira e Sousa, sócio proprietário do Cine Odeon, em Barbalha, e neta do fotógrafo e primeiro exibidor de filmes do Cariri, Luiz Gonzaga de Oliveira, patrono do Memorial da Imagem e do Som do Cariri, que funciona em Crato, fundado e mantido por um dos filhos do casal Pedro e Djaci, o reconhecido cineasta e produtor cultural Jackson Oliveira Bantim, mais conhecido por Bola. Como se observa pelo ‘metier’ dos avós maternos, Jackson Bantim tem o amor à fotografia e ao cinema como uma herança atávica.
                                             
                                                                Pedro e Djaci com os filhos

Além do já citado Jackson Bantim, Pedro e Djaci tiveram mais seis filhos - Jocildo (advogado), Janildo (comerciante), Janedson (funcionário público), Celida Maria (in memoriam), Jane Eyre (psicóloga) e Jane Mary (formada em administração de empresa) -, dezesseis netos - Adriana, Erylana, Ramon, Rudolfo, Romél, Janedson Filho, Renan, Rener, Roberta, Jamylla, Andrezza, Thiago, Janaina (in memoriam), Jackeline, Larissa e Erinaldo Júnior -, quatro bisnetos - Igor Leoni ,Vitória, Jéssica e Jackson Manoel - e uma tetraneta, Maria Sofia.
Essas sucessivas gerações dos Oliveira Bantim são provas e garantia, pela sua firme robustez, que este importante e conceituado clã caririense estar perpetuado e, o que é mais interessante, devidamente plasmado no exemplo de honradez legado pelo ancestral casal.
Bantim  faleceu em 28 de agosto de 1999, mas, pela força de sua rica existência, sua memória permanece viva, sendo agora evocada para servir de testemunho de um tempo onde a probidade não era apenas uma qualidade reivindicada em discursos e eventos que clamam pela moralidade na vida pública.

Texto de Carlos Rafael Dias
Fotos: arquivo de Jackson Bantim

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Campo de Flores


J. Flávio Vieira

                                                            "O mundo é infinito porque Deus é infinito. Como acreditar que Deus , 
                                                                                                                                                                                                                       ser infinito,   possa ter se   limitado                                                                                             a si mesmo criando um mundo fechado e limitado?" 
Giordano Bruno


                              Giordano Bruno tornou-se , com sua trajetória , um dos mais importantes ícones da história da humanidade. Sempre que se cogita na luta desigual da Ciência contra o obscurantismo, da liberdade de pensar e se expressar,  seu nome vê-se imediatamente linkado. Viveu este frade dominicano italiano, no Século XV, ainda sob o domínio absoluto da interpretação religiosa em todas as facetas da vida humana. Bruno envolveu-se firmemente com os horizontes da Cosmologia Científica que nascia sob intensa perseguição religiosa. Defendia a infinitude do universo, a existência de outros planetas e  sistemas solares. Propalava que todas as coisas têm alma e que, portanto, deviam ser respeitadas e protegidas, fazendo-se assim um dos primeiros ambientalistas. Giordano também pregava que   Deus devia ser procurado no interior de cada pessoa e não nas coisas ou nos templos, o que confrontava diretamente o sistema hierarquizado das igrejas instituídas. Estas pensamentos ,na época, foram vistos como extremamente heréticos, não apenas pela Igreja Católica mas até pelos Calvinistas e Luteranos. Terminou preso e julgado pela Inquisição Romana. Torturado,  não abjurou. Manteve-se intransigente quanto aos seus princípios, sendo queimado na fogueira, em 17 de fevereiro de 1600, no Campo di Fiori em Roma. Tinha, então, 52 anos.
                                   Visitei, nestas férias, o Campo de Fiori. Lá existe uma estátua de bronze de Giordano, esculpida por Ettore Ferrari,  ali posta no Século XIX, em sua homenagem. O local tornou-se extremamente aprazível, cercado de cantinas coloridas, frequentado por jovens, que bebem e curtem o som de  bandas executando músicas eletrônicas e reggae. Durante o dia, em fins de semana, acontece ao redor do monumento uma feira livre, onde são comercializados produtos alimentícios e artesanais. Casais sentam ao redor do monumento, enquanto entornam copos de vinhos e palestram animadamente com o bulício e a agitação característicos da idade.

                                   Aos poucos, o Campo perdeu o ar pesado, que já possuiu um dia.  Ganhou até o sobrenome de Fiori ( Flores). A galera que se diverte, certamente nem tem conhecimento do passado trágico daquele espaço. Lá de cima, por sua vez, um Giordano circunspecto , coberto por seu manto, parece feliz com a alegria palpitante dos adolescentes ao seu derredor. Imolou-se com a certeza absoluta que dias melhores viriam, que um universo sem fronteiras e nem cancelas não podia limitar os horizontes do homem. Se cada um carrega consigo os genes da divindade,   fomos criados para desfrutar todos os frutos da árvore do  bem e do mal nesse paraíso erguido sem espadas flamejantes  e sem ações de despejo. Do alto,  Giordano percebe que  o cárcere e a liberdade são irmãos siameses; que a dor e o prazer são lâminas de um mesmo sabre. Cada gole de água fresca que corre nas fontes da história da humanidade brota das cinzas de alguma fogueira onde alguém foi imolado em sacrifício por tempos melhores e menos sombrios. O Campo que um dia foi de chamas e suplício , por conta da coragem e obstinação de um homem, viu-se, magicamente,   atapetado de flores.


20/07/17 

Memorial da Imagem e do Som do Cariri Luiz Gonzaga de Oliveira registra:

CDL e Prefeitura homenagearam cratenses que se destacam na cultura local

Por Jackson Bantim (Diretor do Memorial da Imagem e do Som do Cariri)

Os postes da Avenida Maildes de Siqueira, próximos ao Parque de Exposições Pedro Felício Cavalcante, em Crato, durante o período da Expocrato, foram alvo das atenções da grande multidão que participou do maior evento festivo da região do Cariri. Lá, o Clube dos Diretores Lojista do Crato, associado a Prefeitura local, prestou um tributo a diversos cratenses que se destacam em atividades relacionadas às arte, cultura e educação, através da exposição de fotos dos homenageados.
A iniciativa foi bem recebida  por toda a opinião pública. Da nossa parte, enaltecemos este ato de reconhecimento às ilustres personagens cratenses.
Vejam algumas fotos:
 



 

terça-feira, 23 de maio de 2017

Memorial da Imagem e do Som do Cariri registra:

50 anos de morte do cantador cratense Cego Aderaldo

Por Jackson Bantim (Diretor do Memorial da Imagem e do Som do Cariri)
Foto: do Museu Histórico de Quixadá


No próximo dia 29 de junho, daqui há pouco mais de um mês, ocorrerá o transcurso dos 50 anos da morte de um dos maiores nomes da cultura popular brasileira, o poeta popular e cantador cratense Cego Aderaldo.
Aderaldo Ferreira de Araújo, nome de batismo do lendário Cego Aderaldo, nasceu em Crato, no dia 24 de junho de 1878, vindo a falecer em Fortaleza, com 89 anos, no dia 29 de junho de 1967.
Embora nascido em Crato, Aderaldo começou sua vida artística na cidade de Quixadá, após perder a visão em um acidente. Com o falecimento da mãe, Cego Aderaldo decidiu viajar pelos sertões nordestinos, cantando seus versos acompanhado de uma rabeca e disputando desafios de repente com outros cantadores. É lendário o desafio mantido com o também famoso cantador piauiense Zé Pretinho, ocorrido em 1914 e registrado por Firmino Teixeira do Amaral no cordel “A peleja de Cego Aderaldo e Zé Pretinho”, ficando, igualmente, imortalizado na memória e no imaginário popular.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

E a criatividade, por onde anda? - Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Tenho o costume de entrar no carro e ligar imediatamente o rádio. E o que ouço? Músicas antigas dos decênios de 1950, 1960, 1970 e até 1980 regravadas por outros cantores que passam a anos luz de distância do autores originais. Roberto Carlos é a principal vitima dos aproveitadores. Possui o maior número de seguidores que nada tendo para criar, usam a criatividade alheia. Até o cearense Belchior com seus "galos, noites e quintais" já teve suas belas músicas regravadas por outros cantores que preferem a comodidade de "nada criar e tudo aproveitar", seguindo a máxima do grande sábio Lavoisier.*
 
Tenho feito solitárias observações com a certeza de não serem elas frutos de alucinações. Acontece que nos dias atuais, eu vejo em tudo uma grande falta de criatividade. Na arte, na música, na cultura, na economia e na política.
   
Se abro um jornal de qualquer cidade, vejo cópias fieis dos grandes jornais do Rio e São Paulo repetindo a mesma cantilena de mais de meio século atrás. O medo do comunismo "ateu e comedor de criancinhas" está timidamente sendo ressuscitado por alguns desavisados. Voltaram as passeatas nas ruas, nos moldes da desnecessária e inócua "Marcha da Família com Deus pela Liberdade" e há até aqueles que na falta de algo mais original, clamam por uma imediata intervenção militar. Insensatos! Jamais souberam o que é a vida debaixo do tacão de uma ditadura.
  
Os jovens que viveram nos 21 anos da última ditadura não puderam exercer e desenvolver seu pensamento político. Foram reprimidos e muitos deles exilados, quando não vítimas de cruel tortura e até morte.
 
Saibam que foi desse meio que surgiram nossos políticos atuais. Copiadores das idéias reinantes na época do IBAD, da "Aliança para o Progresso" e submissos aos interesses da grande nação do norte. Daí a grande dificuldade de entenderem a democracia e respeitar a escolha da maioria. Provavelmente o ódio reinante de parte a parte seja a principal crise que é cantada e decantada em prosas, versos e reversos. 
 
Agora o perigo é muito maior. O jogo dos interesses está mais forte, com o aumento das grandes reservas energéticas do nosso país, principalmente o petróleo sob nosso mar continental. Se não acordaram ainda, pensem na razão do grande bombardeio para condenar a Petrobrás, quando o montante ali desviado pela corrupção é bem inferior à perda de impostos pela Receita Federal dos recursos clandestinamente enviados para a Suissa via HSBC por destacados políticos, ricaços e alguns atores globais. 
 
No Brasil, nossa imprensa está a serviço dos seus donos, que são capitalistas, cujo amor à pátria já jogaram na lata do lixo desde quando amealharam o primeiro tostão. E isso sim, é a criatividade que alimenta a lucratividade deles. O resto que "exploda", como bem dizia o genial Chico Anísio na pele do locutor "Roberval Taylor".    


Por Carlos Eduardo Esmeraldo


*Antoine de Lavoisier *1743; +1794: ("Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.")

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Um Desastre Aguardado - Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Voltamos repetir o que afirmamos no dia 1° de fevereiro de 2011, há mais de quatro anos portanto,  quando a população cratense enxugava a lama que tomou conta das ruas e de várias residências e prédios comercias, devido ao transbordamento do Rio Grangeiro. Ontem em chuva de menor intensidade do que a daquela época, as noticias revelam que a situação nada mudou. E quem são os culpados?

Dessa vez não podemos de modo algum responsabilizar a extrema pobreza da nossa subdesenvolvida região. Como vem ocorrendo há mais de sessenta anos, o Crato vive órfão de liderança. A população depositou toda a sua expectativa de dias melhores nessa última eleição para prefeito. Na minha modesta opinião, naquela eleição o povo do Crato não escolheu simplesmente um candidato, mas deu um recado claro, direto e gritante de que precisava mais do que um prefeito, precisava de liderança. Não adianta procurar culpados. Cada um de nós, cratenses somos culpados pelas nossas escolhas.

Mas se serve de ajuda, é claro que devemos ajudar, então vamos delinear algumas linhas de ação para solucionar esse grave problema das inundações, antes que de acordo com a crença indígena, a pedra da Batateira arraste o Crato.  
  
 Em primeiro lugar, o canal do Rio Grangeiro deverá ser redimensionado. A municipalidade deverá se apoiar em estudos presumivelmente existentes sobre os índices pluviométricos da bacia do Rio Grangeiro a montante da cidade do Crato. Quais são os registros dos volumes das cheias máximas? Será necessário aumentar a calha do canal? Caso positivo, cair em campo em busca dos recursos necessários. A população cratense a uma só voz deverá pressionar todos os deputados federais e estaduais que se lembraram do Crato nas últimas eleições. Todos aqueles que obtiveram expressiva votação em nossa terra, muitos dos quais, sem o voto dos cratenses, jamais teriam sido eleitos. 

Entretanto devemos olhar para o futuro. Existem recursos para demolir o atual canal e refazer outro, com melhor dimensionamento? Se tal resposta for negativa, busquemos outras soluções para evitar o pesadelo das inundações. Particularmente, eu vejo com bons olhos uma idéia externada pelo ex-prefeito do Crato, pela construção de duas pequenas represas para barrar o leito do Rio Granjeiro, a montante da cidade, com barragens de concreto armado, bem dimensionadas e, construídas criteriosamente para evitar danos ainda piores. Além de barrar as cheias, tal providência serviria para reforçar o abastecimento d’água da cidade, além de despoluir o canal e propiciar a irrigação dos canaviais a jusante da cidade do Crato nas estações secas.   

Enfim, lembrar que pela primeira vez na sua história, o Crato possui um governador eleito com o voto de mais de 83% dos seus eleitores, mais do que uma prova de confiança, uma súplica, salve-nos jovem Camilo. Seja a nossa recompensa e o líder que falta ao Crato.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo 

terça-feira, 24 de março de 2015

Não veio de fábrica? - Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Quem ainda ao comprar um carro em qualquer concessionária não foi abordado por vendedores insistentes oferecendo gel protetor dos assentos, liquido que conserva a pintura, presilhas de plásticos com refletores de luz para sinalização das portas e tantas outras coisas a mais, todas elas desnecessárias? Não sei se hipnotizado pela boa conversa do vendedor, ou muitas vezes para se livrar dele, caímos na tolice de comprar, mesmo sabendo que estamos com o saldo bancário zerado pela comprar de porte que realizamos, com pagamento à vista ou cheios de prestações que podem durar até vinte e quatro meses.

Pois vou passar uma receita que aprendi com o meu saudoso sogro, o Dr. Aníbal Figueiredo. Se ao sermos abordado por qualquer vendedor, do mais requintado, daqueles que o sujeito pede uma caixa de absorvente e o vendedor termina vendendo até barco a motor, aos mais simples vendedores de óculos escuros tirando nosso sossego na praia.

Basta fazer a pergunta acima. "Não veio de fábrica"?  A resposta geralmente é negativa. "Então não é necessário", emendamos imediatamente. Ao aplicar essa salvadora pergunta o vendedor vai embora de fininho. Já consegui desarmar os argumentos de todos os vendedores que me procuraram no momento de fechar qualquer compra, até nas lojas e grandes magazines.

Boas compras e apliquem a sugestão acima. 
   

quinta-feira, 12 de março de 2015

A Besta-fera está solta! - Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Como que de repente, a besta-fera, esse ser mítico que povoava o imaginário da nossa infância, está de volta. Agora com múltiplas cabeças, braços e pernas alongados, a colocar em risco a frágil democracia brasileira. Interesses internacionais poderosos insuflam o momento político. Nem a extinta UDN ousou chegar a tanto servilismo, quanto seus herdeiros de hoje, alinhados em grupos que representam as políticas delineadas e, quem sabe até financiadas pelo poderio bélico da grande nação imperialista do norte. 

Ser derrotado numa eleição, faz parte do jogo democrático. Mas desrespeitar um resultado, com a forma virulenta que vimos nos dias de hoje, onde impera antes de tudo o ódio, não é apenas um simples desconsolo de um mocinho mimado. Mas o desejo inadiável que tem esse grupo de atender às necessidades de seus chefes supremos do hemisfério norte. E quais são esses desejos? Qualquer pessoa com o mínimo senso de entendimento será capaz de responder que em primeiro lugar está a colossal reserva de petróleo escondida sob as águas do nosso mar territorial. Em seguida a dissolução dos BRICS, a aliança dos cinco países não alinhados, do qual faz parte o Brasil, aliança essa que coloca em xeque a liderança opressiva do Banco Mundial e marcha em busca da independência total desses cinco países.    

A besta-fera entra em nossos lares, destroem as famílias, a inocência das crianças, aliena nossos jovens e reduz a capacidade de discernimento dos adultos. A besta-fera, vagueia pelos ares, nos morros, nas dunas do nosso extenso litoral, na imensidão da floresta amazônica e nos mais escondidos socavões do nosso sertão. Sempre a serviço do capitalismo internacional, a besta-fera atende agora pelo nome de Rede Globo, os partidos políticos a ela pertencentes e todos os demais meios de comunicação que lhe copiam o script, e cujo objetivo principal é a tomada do poder, doa a quem doer.  
.  
É com muita apreensão que vejo as duas manifestações marcadas para os próximos dias 13 e 15 desse final de semana. Bastará um grave acidente com algum manifestante para desencadear o golpe, já de longa data orquestrado. E o que virá depois? Naturalmente a repetição de uma ópera bufa já orquestrada pela UDN há cinqüenta anos, com a imediata ocupação do vácuo de poder pelos militares, principalmente aqueles com treinamento nas academias militares do governo americano. Será uma ditadura, cujo final, muitos da minha idade não conseguirão ver. É triste, mas é a mais pura e cristalina verdade. Quem conseguir viver, verá!

Por Carlos Eduardo Esmeraldo  

domingo, 8 de março de 2015

Seminário Diocesano São José festeja 140 anos de criação – por Patrícia Silva

Sábado, 07 de março, foi dia de comemoração no Seminário Diocesano São José, em Crato, pois dentro dos festejos do seu padroeiro celebrou-se os 140 anos de sua criação, com uma programação que contou com o encontro dos ex-alunos, lançamento do livro “O casarão de 1875 no encontro de 2014”, do Professor João Teófilo Pierre, e a celebração da Santa Missa presidida por Dom Fernando Panico e concelebrada pelo bispo da diocese de Salgueiro (PE), Dom Magnus Henrique Lopes, além de padres da Diocese de Crato.
O seminário diocesano foi criado pelo primeiro bispo do Ceará, Dom Luiz Antônio dos Santos, em 7 de março de 1985, antes mesmo da criação da diocese de Crato, que se deu em 20 de outubro de 1914, se tornando pioneiro do ensino superior no interior do estado, incentivando a educação e valorizando a cultura da região. “O seminário como instituição educacional e religiosa formou intelectualmente, mas também na fé, os fiéis desta região e de estados vizinhos. Sinto-me honrado em poder estar vivendo este momento junto a todos que contribuem com este celeiro de vocações”, afirmou o Reitor, Pe. Edson Batim.
A esquerda Dom Magnus Henrique Lopes, bispo da Diocese de Salgueiro, e a direita Dom Fernando Panico, bispo da Diocese de Crato. (Foto: Patrícia Silva)
Dom Fernando lembrou o compromisso de todos os que contribuíram e contribuem com a caminhada centenária do Seminário, ressaltando a necessidade de se deixar conduzir por Cristo, o bom Pastor. “A igreja se faz contemporânea de todos os modos e de todos os tempos. Os 140 anos é uma graça a ser olhada com enfoque do passado, mas uma graça para apreciarmos a importância do seminário no hoje, com olhar no futuro. Quantos momentos difíceis nestes anos já foram superados. Que possamos fazer com que a alegria do evangelho seja vivenciada nesta casa de oração”, afirmou.
Em 1877, 1914 e na década de 70 o seminário São José foi fechado por motivos como problema de saúde pública, falta de alunos e escassez de recursos, porém hoje com um cenário estabilizado ele possui os cursos de filosofia e teologia que acolhe não só seminaristas da diocese de Crato, mas também de outras dioceses como Cajazeiras, Iguatu e Petrolina.
 Pe. José Vicente Pinto fazendo a leitura da bênção apostólica enviada pelo Papa Francisco. (Foto: Árysson Magalhães)
A comunidade residente no casarão atualmente é composta por 72 habitantes: 6 formadores e 66 seminaristas sendo 44 da diocese de Crato, 11 da diocese de Iguatu, 8 da diocese de Cajazeiras e 3 da diocese de Petrolina.
O papa Francisco enviou sua bênção apostólica ao Pe. Edson Batim e a todos os seminaristas, que foi lida no final da celebração pelo Pe. José Vicente Pinto.
Encontro dos ex- seminaristas
De dois em dois anos acontece o encontro com os ex- alunos do Seminário Diocesano São José, que tem como objetivo propor um reencontro com aqueles que passaram algum tempo pela formação no casarão mas não chegaram a se ordenar, reanimando a caminhada iniciada no seminário e demostrando o que aprenderam nos anos de estudos, dentro da realidade de cada um.
Neste ano foi eleito o estatuto e a nova diretoria da Associação dos Ex-Alunos do Seminário que terá como presidente o Monsenhor João Bosco Cartaxo Esmeraldo.
 Encontro dos ex-seminaristas do Seminário Diocesano São José e lançamento do livro do professor Pierre. (Foto: Árysson Magalhães)
Segundo Monsenhor Bosco a diretoria agora já começa a planejar o encontro de 2017, que terá como incentivo os 200 anos do nascimento de dom Luis Antônio dos Santos, fundador do seminário.
O livro
Falando sobre a história centenária do Seminário São José o professor João Teófilo Pierre, lançou o livro “O casarão de 1875 no encontro de 2014”, que descreve a realidade do seminário desde sua criação, enquanto ainda existia em forma de tenda, por falta de recursos para sua ereção, até a atualidade.
O professor é ex-seminarista e escreve, através de sua experiência, um relato minucioso da história apresentando as figuras importantes da caminhada centenária, mostrando a contribuição dos formadores e dos bispos. “Este livro com certeza é uma riqueza, grande relíquia para nossa história e para toda cultura do Cariri”, afirmou o Pe. Acúrcio Barros, vice- reitor do seminário.

sábado, 7 de março de 2015

Evitemos o Desprezo da Cidade - Por Pedro Esmeraldo

Ultimamente, temos viajado ao município de Bodocó-PE. Causou-nos admiração e entusiasmo pela grandeza do seu empreendimento agropecuário. Com isso queremos dizer que os políticos daquela pequena extensão territorial têm por objetivo alumiar o povo com muita força de vontade e com intuito de acelerar o barco do crescimento econômico. Tornam-se rápido na movimentação pecuária. Livram o cidadão cair no fraco desempenho nas atividades rurais.

Empregam novas tecnologias favorecendo o aumento da produção bovina. Favorecem o efeito de crescimento econômico. Desenvolvem o cidadão campesino, dando emprego ao rurícola sem precisar deslocar-se aos grandes centros. Evitam assim a imigração do homem, prendendo-o a terra, pois não tem preparo intelectual e psicológico para enfrentar a luta desesperada das grandes cidades.

Orientam o cidadão para a prática do bom desempenho do manejo de gado vacum. Aqui e ali, surgem pequenas fabricas de queijo dando serviço, obrigando o homem a se dedicar com mais amor ao emprego das atividades rurais, já que fazem grandes melhoramentos para favorecer o crescimento econômico.
   
Aquela gente mostra raça e disposição de trabalho, visto que em terras adustas, “período seco” empregam métodos adequados para sobressaírem-se com bom desempenho na luta cotidiana. Procuram evitar o ócio estabelecido pela constante secas periódicas que afligem o grande sertão. Avantajam-se com preeminência, superando todas as dificuldades provocadas pela dureza dos caracteres rudimentares.

São possuidores de proveitosos desejos, procuram-se amoldar-se o homem ao meio sem se opor claramente aos efeitos positivos, tudo isso causado pelo trabalho eficaz.
   
Agora queremos lembrar ao cidadão cratense, principalmente o politico que mude de atitude e deixe de lado o trabalho inócuo e venham provocar melhores condições de trabalho ao homem do campo, pois temos condições favoráveis de criar aqui uma bacia leiteira nos tipos modernos, empregando aplicações de força a fim de alcançar o meio favorável ao desenvolvimento agrícola e econômica da cidade do Crato.
   
Tivemos visitando a secretaria de agricultura local e notamos que o nobre secretario da agricultura Sr. Henrile Pinheiro tem lutado por a boa aparência agrícola, mas, infelizmente falta apoio eficiente e avantajado para implantar aqui uma grande bacia leiteira que venha favorecer o desprezo da cidade que atualmente estamos passando, pela má conduta dos políticos superiores a cidade do Crato.
   
Não podemos nos conformar que cidade menos importante que o Crato foram contempladas com Faculdades de níveis superiores e o Crato fica na estagnação, entregue ao Deus dará.  Temos como objetivo que nós deveremos lutar contra esse desprezo e que o povo evite a mentalidade de piegas, pois veem acompanhando com pessimismo a desigualdade e a perseguição do outro município, inimigo número um do Crato.
   
Cratenses reajam, não deixem o Crato entregue às baratas, façam forças e queiram lutar pelo grande desenvolvimento do Crato. Não queremos ver o Crato estagnado.

Por Pedro Esmeraldo
Crato, 07 de março de 2015.