Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS

... Por do Sol em D. Quintino ...
Colaboração:Claude Bloc

FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail: . e. ---------- claude_bloc@hotmail.com

domingo, 13 de setembro de 2009

" AUSÊNCIA DESPERCEBIDA" - Por Nilo Sérgio

.



Ora Nilo Sérgio, mas que bobagem a tua, por que essa cara de perplexidade? Só porque você ficou gripado, e confesse: Nem foi uma gripe! Um resfriado com moderada cefaléia. Coriza controlada...nem febre teve. Deixou de escrever suas crônicas, as histórias do Colégio e algum artigo que pudesse ser interessante a tal ponto que chamasse a atenção de José, Socorro, Claude, Teloca, Joaquim, Heládio que te prometeu leva-lo para sua bela chácara e entre geladas e tira-gostos relembrarem velhos tempos bons. Você é muito pretensioso e metido meu camarada. E Dihelson ? Dihelson é um Maestro e um artista com muitas idéias, projetos e inúmeras atividades pra prestar atenção se você escreveu ou não! Ninguém sentiu a tua falta! Só Rosineide mas aí também até eu pularia da pedra da batateira se ela me esquecesse!
Viu só, passou uma ruma de dias...e ninguém nem notou tua ausência! Você devia ter se consultado com Dr. João Marni, sim! O pediatra e Psicólogo...não, não argumente que todo Pediatra é metido a psicólogo só porque lida com os pestinhas! Dr. João Marni encarna ambos seu tolo, e você precisa dos dois! È vc está agindo como criança emburrada....e querendo que o MUNDO TODO dos BLOGS DO CARIRI....notem sua ausência. Não, não não! Você está se esquivando. Você tem SINDROME DE PETER PAN? Então encare a realidade rapaz! Dr. José do Vale tem mais o que fazer, idem para Socorro e Claude e os demais escritores todos famosos! Ah! Mas são seus amigos? E que obrigação têm eles de lamentar sua ausência. Trate de trabalhar, ler mais, escrever mais....quem sabe um dia você seja um desses personagens que citei...aí quem sabe..? Alguém sinta sua ausência e diga: ? Por onde anda o Nilo Sérgio....tá sumido não? Quem sabe até enviem 15 e-mails para tua caixa. Acharias o máximo não? Muito pretensioso de sua parte. Baixe a bola...e não dê desculpas esfarrapadas a si mesmo. Viu o que aconteceu? A tua ausênsia ninguém sentiu! Bem feito. Sabe aquele recanto ali da foto acima que tantos ama na casa de teu amigo? Volta lá ! Senta numa tarde dessas com um espumante do Vale do SãoFrancisco...e pensa um pouco na tua existência. Nos teus projetos, tenha a humildade do reconhecimento do seu próprio SER, das suas limitações, dos seus complexos...Oh! Me perdoe, da sua complexidade. Vamos levanta, vai trabalhar, Nilo Sérgio!
.
Obs. Diálogo entre um espelho partido ao meio e Nilo Sérgio)

Estar em si: Se conheça para ser feliz


Por Minha Vida Publicado em 11/9/2009
.
Será que você sabe realmente quem você é? Muitas vezes estamos dando o melhor de nós, mas não estamos satisfeitos com o que conseguimos. Isso acontece porque quando não nos conhecemos interiormente, o melhor de nós é muito pobre, muito vazio. Muita gente olha para os filhos, esposa, bens materiais e acha que a resposta está neles. Quando isso acontece, sua imagem perde a referência, você vira personagem da vida alheia. Começamos a inventar desculpas para nossas impossibilidades.

Você começa a estar em si quando percebe que tudo na sua vida depende de você, sua felicidade, sua emoção e sua razão. Estar em si é encontrar paz nos momentos difíceis da vida, é silenciar num momento de incompreensão do outro. É aceitar e compreender a visão de vida de cada pessoa, entender que todos somos iguais sim, mas com pontos de vista e escolhas diferentes.

Estar em si é não ter medo de demonstrar emoção, de chorar quando sentir vontade, com medo que as pessoas achem que você é fraco. É sentir na alma a decepção, mas ter a consciência de que o mundo não acabou. É entender que cada experiência é uma nova lição.
É aprender a curtir ao máximo as pessoas que amamos, pois a perda é inevitável. É ter a humildade para reconhecer os erros, e a sabedoria para crescer com eles. É não cobrar atitude de pessoas que você sabe que não estão preparadas para tal. É dar uma chance a si mesmo em cada novo desafio, e entender que desafios são degraus de subida e não barreiras que devem ser derrubadas. É entender que o fracasso não existe, mas sim, que você aprendeu que ?aquela? maneira de agir não funciona.

Quem está em si mesmo ama livremente, sem cobranças, protegendo suavemente, sem esperar nada do outro, a não ser sua felicidade. Quem está em si mesmo, sabe que antes de amar o outro, precisa amar-se. É saber que não são os outros que lhe magoam, mas sim, que você se "deixa magoar".

É prosseguir sempre, é crescer sempre, é aprender sempre, tendo a humildade suficiente para enxergar e respeitar as diferenças de comportamentos daqueles que não estão no mesmo caminho. É saber que apesar de tudo, apesar da hipocrisia de muitos, apesar do medo de amar e ser amado, apesar de muitos prenderem seus sentimentos mais puros em nome da moral e bons costumes, apesar de todas as ilusões que as pessoas enfrentam e vivem, a vida vale a pena sim.

Estar em si mesmo é ter a real convicção da própria vida, da vida das pessoas, do amor que esta envolta dos corações deprimidos procurando uma brecha para brilhar sua Luz e ascender para um novo mundo. O seu mundo!
.

Poema do João Nicodemos



não
negocio
nem ócio
nem cio.

Programação CCBNB - Cariri - Tânia Peixoto

Dia 14, segunda-feira
Atividades Infantis – HORA DO RECREIO
Local: Escola Maria Flofcoelli. (Caririaçu)
9h30 Contos Nordestinos. 30min.
Cinema – IMAGEM EM MOVIMENTO
Local: SESC Crato
19h Baile Perfumado. 93min.
Dia 15, terça-feira
Feriado
Música - CULTURA DE TODO MUNDO
14h Programa de Rádio na Educadora do Cariri AM. 180min.
Dia 16, quarta-feira
Atividades Infantis – HORA DO RECREIO
Local: Escola Arara Azul. (Caririaçu)
9h Contos Nordestinos. 30min.
Atividades Infantis – CRIANÇA E ARTE
Local: SESC Crato
14h Sessão Curumim: Meu Melhor Amigo. 106min.
Atividades Infantis – CRIANÇA E ARTE
Local: Centro Cultural Dr. Raimundo de Oliveira Borges (Caririaçu)
16h 100 Canal: A ARNO. 5min.
16h05 Sessão Curumim: Como Cães e Gatos. 93min.
Dia 17, quinta-feira
Música - CULTURA DE TODO MUNDO
14h Programa de Rádio na Educadora do Cariri AM. 180min.
III MOSTRA BNB DA CANÇÃO BRASILEIRA INDEPENDENTE
19h Simone Guimarães(SP). 120min.
Dia 18, sexta-feira
Atividades Infantis – HORA DO RECREIO
Local: Escola Raimundo Bezerra Lima. (Caririaçu)
9h Contos Nordestinos. 30min.
III MOSTRA BNB DA CANÇÃO BRASILEIRA INDEPENDENTE
18h30 Lifanco: Solto no Meio do Mundo. 60min.
Dia 19, sábado
Atividades Infantis - CRIANÇA E ARTE
14h Bibliotequinha Virtual. 240min.
14h Teatro Infantil: Faz de Conta. 50min.
15h30 Oficina de Arte e Recreação Educativa: Origami: Transformando Papel em Arte.
16h Teatro Infantil: Faz de Conta. 50min.
17h Sessão Curumim: Meu Melhor Amigo. 106min.
Cinema – CURTA MUITO
Local: Crato
19h Cine Zé Sozinho. 16min.
III MOSTRA BNB DA CANÇÃO BRASILEIRA INDEPENDENTE
19h30 Luis Carlos Salatiel: Contemporâneo 60min.

Numa fresta da floresta - Foto de Heládio Teles Duarte

A partir da foto de Dr. Heládio, ousei fazer um ensaio fotográfico para matar a curiosidade de Socorro Moreira.
.
Pois é, Socorro, uma obra (foto/imagem) pode ser transformada em outra sem portanto, tirar a beleza do modelo original. Você pode concluir pelos trabalhos dos designers que fazem Arte com isso.
.
O PhotoShop é um desses programas que nos permitem criar, transmudar, modificar, apagar defeitos das fotos e "fazer misérias" com uma imagem-modelo... Não sou muito versada no programa. Uso alguns filtros, redimensiono, crio efeitos... ajeito daqui e dali. É uma espécie de terapia... Me absorve e me mantém concentrada de forma prazerosa. Gosto de ver alguns aspectos interessantes que resultam desses meus ensaios.
.
Isso que fiz e que aqui apresento é apenas uma brincadeira. É uma amostra do que esse meio eletrônico nos permite fazer. Uma amostra insignificante diante da diversidade que se econtra no meio.
.
O seu texto, Socorro, porém, vale mais que qualquer filtro ou efeito. Casa com a foto e encanta igualmente.
.
Foto Original
.
A mesma foto com efeito de solarização

Efeitos: Brush Stroke - Accented Edges

Efeitos: Brush Stroke - Angled Strokes

Efeitos: Artistic - Poster Edges
.

***

Não posso macular a poesia já pintada
pela alma do Artista (Heládio).
Essa beleza de flora que o meu olhar avista
Tons de verde e alegria
Amarelo solar dos meus dias
Um pedaço do Cariri , uma fatia da serra
repartida ...

Meus sonhos , alguns secos outros verdejantes,
Cochicham no horizonte ,
que o azul existe !
.

(Socorro Moreira)

Uma palavra (Chico Buarque)- Colaboração de Eurípedes Reis

Uma Palavra

Chico Buarque

Palavra prima
Uma palavra só, a crua palavra
Que quer dizer
Tudo
Anterior ao entendimento, palavra

Palavra viva
Palavra com temperatura, palavra
Que se produz
Muda
Feita de luz mais que de vento, palavra

Palavra dócil
Palavra d'agua pra qualquer moldura
Que se acomoda em balde, em verso, em mágoa
Qualquer feição de se manter palavra

Palavra minha
Matéria, minha criatura, palavra
Que me conduz
Mudo
E que me escreve desatento, palavra

Talvez à noite
Quase-palavra que um de nós murmura
Que ela mistura as letras que eu invento
Outras pronúncias do prazer, palavra

Palavra boa
Não de fazer literatura, palavra
Mas de habitar
Fundo
O coração do pensamento, palavra

Dante Alighieri e a Divina Comédia


Dante no Exílio. Pintura de autor anônimo. Archivo Iconografico S.A., Itália. Imagem pertencente a Corbis Image Collections.

Não há registro oficial da data de nascimento de Dante ( 21 e 29 ( ? )/05 de 1265 ) em Florença.
Morte : 13 ou 14 ( ? )de Setembro de 1321,Ravena - Itália

Filho de importante família florentina, não se sabe a data exata de nascimento de Dante Alighieri, o poeta que definiu e estruturou o idioma italiano moderno. A península Itálica na sua época era um mosaico de pequenos Estados que não compartilhavam sequer a mesma língua ou cultura.Aos nove anos de idade Dante conheceu Beatrice (Beatriz) Portinari, que seria a musa inspiradora ao longo de sua obra: com 16 anos ele voltou a encontrá-la e escreveu para ela o primeiro de seus famosos sonetos de amor. Dois anos depois, casou-se com Gemma, com quem teve três filhos. O casamento estava combinado entre as famílias desde a infância dos noivos.O amor por Beatriz deu a partida na moda do amor romântico em italiano. A morte da amada, em 1290, levou Dante ao estudo de filosofia latina e religiosa, conhecimentos que inspiraram sua principal obra.

A Divina Comédia

A Divina Comédia descreve uma viagem de Dante através do Inferno, Purgatório, e Paraíso, primeiramente guiado pelo poeta romano Virgílio, autor do poema épico Eneida, através do Inferno e do Purgatório e, depois, no Paraíso, pela mão da sua amada Beatriz (com quem, presumem muitos autores, nunca tenha falado e, apenas visto, talvez, de uma a três vezes). Em termos gerais, os leitores modernos preferem a descrição vívida e psicologicamente interessante para a sensibilidade contemporânea do "Inferno", onde as paixões se agitam de forma angustiada num ambiente quase cinematográfico. Os outros dois livros, o Purgatório e o Paraíso, já exigem outra abordagem por parte do leitor: contêm subtilezas ao nível filosófico e teológico, metáforas dificilmente compreensíveis para a nossa época, requerendo alguma pesquisa e paciência. O Purgatório é considerado, dos três livros, o mais lírico e humano.



É interessante verificar que é, também, aquele onde aparecem mais poetas. O Paraíso, o mais pesadamente teológico de todos, está repleto de visões místicas, raiando o êxtase, onde Dante tenta descrever aquilo que, confessa, é incapaz de exprimir (como acontece, aliás, com muitos textos místicos que fazem a história da literatura religiosa). O poema apresenta-se, como se pode ver num dos excertos acima, como "poema sagrado" o que demonstra que Dante leva muito a sério o lado teológico e, quiçá, profético, da sua obra.



O poeta foi médico-farmacêutico, mas não estava interessado na profissão. Entrou na guilda (corporação de ofício) dos boticários por causa de uma lei de 1295, que reservava os cargos públicos a nobres membros de alguma Corporação de Artes e Ofícios.Dante combateu ao lado dos cavaleiros florentinos, em 1289, contra os de Arezzo.


De 1295 a 1300, fez parte do Conselho dos Cem, que governava a cidade. Ele chefiou uma delegação de embaixadores de Florença a Roma, para negociar a paz com o papa Bonifácio 8º., que enviara uma tropa para pacificar a região da toscana. Exceto Dante, a comitiva retornou à cidade. Enquanto ele estava retido pelo papa, a cidade foi ocupada por uma facção rival, que matou a maioria dos membros do partido ao qual o poeta era ligado.Dante foi condenado ao exílio pelo novo governo de Florença. Se fosse capturado por soldados da cidade seria queimado vivo. Após passar por vários principados, em 1318, ele foi convidado para ser hóspede de Guido Novello da Polenta, príncipe de Ravena, onde morreu em 1321, o mesmo ano em que terminou de escrever os versos do Paraíso, a parte final de sua "Divina Comédia".

O poema chama-se "Comédia" não por ser engraçado mas porque termina bem (no Paraíso). Era esse o sentido original da palavra Comédia, em contraste com a Tragédia, que terminava, em princípio, mal para os personagens.

Dante escreveu a "Comédia" no seu dialeto local. Ao criar um poema de estrutura épica e com propósitos filosóficos, Dante demonstrava que a língua toscana (muito aproximada do que hoje é conhecido como língua italiana, ou língua vulgar, em oposição ao latim, que se considerava como a língua apropriada para discursos mais sérios) era adequada para o mais elevado tipo de expressão, ao mesmo tempo que estabelecia o Toscano como dialecto padrão para o italiano.

Túmulo de Dante esculpido por Pietro Lombardo

Fontes:
http://www.stelle.com.br/pt/index_imagens.html http://www.brasilescola.com/biografia/dante-alighieri.htm

Wikipédia
Imagens: Google

Ecos do domingo




Acenos


Hoje o dia tem acenos e é volátil.
Versos me espiam pelos cantos da casa
e se dissolvem em preguiça no corredor.
Percorro três canções
e a vida dos insetos me assombra,
tamanha maravilha.
Há um trânsito de vozes
e segredos rumo à varanda.
No silêncio da rua sombras experimentam roupagens,
atravessam vãos,
como se fosse domingo.
De manhã cedo era o dia do Senhor,
havia abraço, choro, aflições e o Magnificat.
Volto para casa repleta.

World of two. Foto de MVítor (http://www.flickr.com/photos/mvitor)

Calçada molhada, domingo azul - Pedro II , a rua de todos os meus tempos- Por : Socorro Moreira

Foto: Pachelly Jamacaru )

Uma figura humana , a rua, e fios. Esses elementos me atiçam !

Um céu azul, um chão molhado

Sem a esquina de Seu Adauto.

Quase revi Dona Otília

Luzanira, Odília...

Dona Suzete , e Dona Santinha

Meus avós paternos

Dona Liô,

Soledade e Neli...

Não deveria tecer uma história em cima de uma foto artística . A foto passa a representar um presente , que reconta um tempo, e eu quero falar de mais gente !
A Rua Pedro II é da minha criancice. Será da minha velhice , que retarda a hora , porque ainda é cedo, agora...!


Infância na Pedra Lavrada - Anos 50

Fui menina na Pedra Lavrada.Brinquei na calçada de combinação, cinturão-queimado, cabra-cega.Pulei corda, bamboleei,dancei frevo, dancei samba ,soltei cebolinhas, chuvinhas e balões,
nas noites de São João.
Apaixonei-me "Come Prima" aos 6 anos de idade, e com essa idade, escrevi minha primeira carta de amor:
"Querido Joaquim"...
Pedalei nas calçadas, em manhas de sol ,tive falsos crupes,quebrei três vezes a clavícula, torci o pé, outras tantas, e eu nem era tão traquina! Meu corpo se intimidou de medo, e nunca mais peralteou!
Na Pedra Lavrada perdi meu avô, escutei minha mãe parir , meu pai cantar, assobiar e tomar Brahma. Quis imitá-lo e ouvi do meu avô :"mulher não assobia.”
Na Pedra Lavrada dos anos 50 , a gente comprava lenha , leite , pão, nos carrinhos-de-mão .
Tomei injeção de bismuto com Dona Soledade , e pra completar o tratamento , minha mãe cauterizava minha garganta com uma solução de "colubiazol". Comi “crespo" da casa de Dona Santinha, brinquei de boneca com Nájela de Dona Lourdes, e mais as outras meninas, próximas ou acanhadas:
Teresa Neuma (filha de Dona Júlia), Valda Farias (filha de Seu Modesto e Dona Adalgisa),
Irenilde, as meninas de Seu Vicente Chicô, Cirene de Dona Otília, Ziana de Seu Adauto,
Dólia, Dagmar, Bernadete, Lúcia e Joanita Primo.
No quarteirão de cima, os Lemos.No quarteirão de baixo, os Siebra Brito da Ponta da Serra.
No meu quarteirão, o violão de Vicente Padeiro, e a vitrola do meu pai, em toda altura.
Li todos os livros de Dona Liô ; estudei com Dona Neli ; risquei de carvão as calçadas ;fiz vestidos de boneca; tremi com medo das almas ;, acordei com goteiras, e a canção da chuva, nas telhas.
Aprendi catecismo no Abrigo das velhas, catei carrapetas no parque , sempre esperando um lobo, que nunca veio .
Meu primeiro livro foi o Patinho Feio . Infância de complexos, até descobrir que eu era um cisne,
foram-se muitas décadas.
Comi chouriço, mel de jandaíra, sequilhos na banha de porco ,tripa de porco torrada no jantar, e pudins caramelados,sem leite condensado.
Tive tracoma, coqueluche, febre asiática...Era um luxo, tomar guaraná natural com biscoito champagne , comprados em João Gualberto.
Fomos embalados,no ranger dos armadores. Vozes entoando samba-canções,e ameaçando a chegada do bicho-papão. Tomamos banho de tina , na água quebrada a frieza, aromatizada com folhas de eucalipto. Fazíamos xixi em urinóis, vestíamos pijaminhas de flanela, vestidos com sianinha, gregas, babados de organdi plissado , sapatos de verniz e meias de seda.
Ouvimos o som do pilão,na hora da paçoca, que a gente comia com baião.
Tomávamos água do pote e quartinha ; rezávamos pro anjo-da-guarda, antes de dormir,
e acordávamos com o barulho do chiqueiro.
Comi pão-de- feito por minha avó. Fumei cachimbos de brinquedo com folhas secas de alfazema. Usei óculos receitados por Dr. Herbert, acordei de sonhos e pesadelos , sóbria, ou levemente bêbada...?
E o tempo voou . Cai no futuro de asas quebradas. Estou viva,embora tenha morrido sete vezes!

Desapego - Por Socorro Moreira


Pego o coação e arranco do peito ?
Encontro meu eixo
Deleto o cheiro
Escureço o sol que me iluminou ?
.
Saiu devagar
como se fosse natural
a despedida em silêncio
Coração puro
Coração menino
Só quem se torna seu dono
Pode entender seu destino
.
Fim de amor
Final de tarde
Parecem música de bar ...
Sentimentos dissolvidos no ar
Na boca , como algodão doce...
.
- Acabou !
.
(Socorro Moreira)
foto: Fábio vasconcelos

Siameses

Damião & Gabriel. Nomes comuns, nordestinos, saltaram nestes dias nas páginas de uma imprensa , tão ávida por novidades. Pobres, provenientes das áridas terras do Brejo Grande, já congenitamente dividiriam um destino duro sem amplas perspectivas. Não bastasse isso, como irmãos siameses , vieram ao mundo fundidos num só corpo. Mesma geografia e , necessariamente, uma mesma história.
Por falar em história, os antecedentes de outros tantos gêmeos , iguais, não parecem tão promissores. A Cultura Moche, peruana, já representava irmãos unidos, em suas cerâmicas, a partir dos anos 300 dC. O primeiro caso documental, no entanto, data de 945, na Armênia. Os mais famosos siameses talvez tenham sido os irmãos Chang & Bunker, originários de Sião, na Tailândia. Viveram por mais de 60 anos, no Século XIX. Trabalhavam num circo, cantavam divinamente, falavam cinco idiomas, tocavam múltiplos instrumentos. Tornaram-se ricos e famosos e a eles se deve a denominação pela qual a deformidade ficou popularmente conhecida. Há casos curiosos, como o de Violeta & Dayse do Texas que por volta de 1915, casaram com um só marido e , com dois sistemas genitais, tiveram cinco filhos, dois por um dos sistemas e três pelo outro. Na atualidade, os mais famosos siameses, são Donnie & Ronnie de Ohio, vivos e ativos aos 58 anos. A primeira tentativa de separação por cirurgia destes gêmeos aconteceu ainda no Século XVII, mas só a partir de 1950 se começaram a obter bons resultados, com o avanço da Medicina.
O passado não parece muito favorável aos gêmeos de Santana do Cariri. A maior parte das vezes, os siameses são explorados pela mídia, apresentados como bichos de zoológico. Para sobreviverem tiveram, na sua maioria, que trabalhar em circos e se exporem à curiosidade pública. Já existem informações de que uma rede de TV se ofereceu para levar Damião & Gabriel a São Paulo, com o fito de tentar uma cirurgia para separação. Por trás do aparente gesto filantrópico, certamente, se arma, mais uma vez,o picadeiro. Alguns pontos a mais no IBOPE, com certeza, pagarão o ingresso desta empreitada. Nem todos tiveram a sorte de Chang & Bunker. Sem falar no enorme e eterno conflito de ser duas almas , duas personalidades convivendo necessariamente em um corpo inseparável. Existem ainda impasses éticos e religiosos envolvendo os atos médicos necessários à cirurgia reparadora, uma vez que, alguns vezes, se faz necessários sacrificar uma das vidas para salvar a outra, principalmente em casos que os gêmeos têm órgãos vitais comuns.
Como a possibilidade de cirurgia para separação tem um história recente, de pouco mais de cinqüenta anos , e nem sempre é viável para os dois irmãos, muitas vezes os pais optam por não interferir na deformidade. E nisso, basta refletir sobre o passado, os gêmeos têm dado uma verdadeira aula de como conviver com esse terrível destino e, ainda assim, encontrarem espaço para trabalhar, para viver e buscar a felicidade em meio a obstáculos intransponíveis à vista de qualquer pessoa que se considere aparentemente normal. E acredito que eles têm muito a nos ensinar, neste capítulo. Homem & Natureza são também irmãos siameses e inseparáveis, uma convivência pacífica e harmônica é imprescindível para a sobrevivência do par e os tempos mais que nunca têm nos dado contínuas lições disto. Queiramos ou não, homens e mulheres, de diversas etnias, culturas e religiões são xifópagos , dividem entre si um mesmo corpo que é a terra e, sem o exercício da tolerância, da convivência pacífica, do trabalho mútuo , se extinguirão sem deixar rastros. E, cada um de nós, amigos, carrega consigo , um outro irmão siamês, secreto e imperceptível. Somos um somatório de Mr. Hyde & Dr. Jeckyll. O sorridente anjo que apresentamos à sociedade cotidianamente, oculta o lobo e o chacal que existem soldados no peito de todos humanos. Somos a foz desta dualidade, a confluência desta terrível e imprevisível teratologia.
J. Flávio Vieira

Pensamento para o Dia 13/09/2009



“As visões são somente reflexos das vibrações Divinas na mente, despertadas pela prática espiritual (Sadhana). Elas são marcos, indicações, e acontecem na estrada rumo à meta. Elas não podem acompanhá-lo até o fim. Você precisará viajar sozinho e superar os obstáculos. Sua própria graça é a ajuda mais importante e essencial para o progresso espiritual. Eu posso conceder-lhe a graça ilimitada, mas qual é a utilidade dela se seu coração não estiver limpo e se sua cabeça estiver cheia de ego? Limpe seu coração com o amor (Prema) e elimine o ego através do serviço.”
Sathya Sai Baba

Bandeirantes -


Como o domingo está nostálgico, coloco esta foto para recordarmos as bandeirantes.
Bom domingo para todos.
bjs fatima

Perfil de Norma Hauer , no dia em que se comemora o seu aniversário - Por Socorro Moreira

"Adoro escrever e relembrar a música brasileira até os anos 60.Vivo com ela, mas não sou saudosista. Apenas gosto do bom que é. Tenha 20 ou 200 anos." (Norma Hauer)

Ela é de Curitiba , mas mora no Rio de Janeiro. Acompanho os seus rastros, e colo na minha vida as suas memórias, compartilhando-as aqui no Cariricaturas.

Hoje é o aniversário dessa mulher especial, que aprendi a amar, respeitar e admirar.

Parabéns, Norma Hauer !

Abraços do Cariricaturas .


Um pouco sobre ela, dito por ela :

"Tenho preferência especial por Carlos Galhardo. Rio antigo, Bondes seus, seus cinemas "de rua",suas tradicionais lojas (Mesbla, Sloper, Casas Pernambucanas, Água Hidrolitol, Galeria Cruzeiro, Fábrica do Elixir de Nogueira e na Glória ..., Ainda, viagens, serestas e meu querido bairro de Santa Teresa, que deixei há 16 anos mas que vive em meu coração.
Gosto de futebol. Claro que para assistir na televisão ou no campo se se tratar de meu querido clube e injustiçado: O América Futebol Clube. Pratico (muito pouco natação), ciclismo e caminhada.
Escrevo (contos, Poemas,Crônicas sobre valores de nossa música de raiz.) ,frequento Centros Culturais, maiores ou menores, se houver música de seresta.
Aprecio todos os livros da Agatha Christie, Crônicas do Rio Antigo, "O Rio do Bota-Abaixo" (sobre as reformas feitas por Pereira Passos no início do Século 20). Gosto também de José de Alencar e Machado de Assis. Há um livro diferente de nome "Os Exilados da Terra" (originalíssimo) que já "devorei" várias vezes.Recentemente saiu um livro de nome "Os Pavilhões do Passeio Público, Theatro Casino e Casino Beira-Mar dois" Existiam sobre prédios que não Passeio Público, do lado da Praça Paris. Livro é sempre benvindo, Mesmo que seja apenas para consulta, Como um de nome "Ruas do Rio" (não confundir com guia de ruas). Biografias de cantores e compositores de nosso meio musical, inclusive um que escrevi sobre Carlos Galhardo, Com o título: "Carlos Galhardo-Uma Voz que é Um Poema".
Minhas músicas prefeidas estão no repertório de Carlos Galhardo. Mas também gosto de Noel Rosa, Lamartine Babo, Oswaldo Santiago, Francisco Alves, Orlando Silva, João Petra de Barros, Gastão Formenti, Jorge Goulart (meu amigo pessoal) Vicente Celestino, Silvio Caldas e outros da época de ouro do rádio.
Vejo muito pouco TV aberta. Prefiro a TV por assinatura (infelizmente o canal 65 da NET virou "Cult" sinônimo de "porcaria"). Há um novo canal da NET que exibe filmes antigos. é o n ° 91.Está ver TV difícil. Revejo filmes clássicos, e vídeo em DVD. Jornais Quando o assunto é variado, com pouca política.

Quase não vou ao cinema , pois os filmes atuais são muito ruins. Só tem "efeitos especiais, Violência e sexo explícito.Antes, ia quase todos os dias. Hoje, em vídeo, revejo filmes dos anos que considero "de ouro" do cinema.
Não suporto cigarro, alho e cigarro.
Não consigo viver sem comida, bebida não alcoólica, sem minha filha e minha neta, sem música, sem seresta.
-Gosto de tudo, no seu devido lugar !"


Domingo - Por Claude Bloc



Domingo! Parece que tudo pára. A vida desacelera. O tempo, porém, é paradoxo. Se enfeita para girar a vida e a nova semana que chega.

No domingo, fecho-me. Sonho-te. Penso-nos. Calo-me. Olho para as fotos ali, paradas e silenciosas. Angustio-me ao lembrar-me do enorme prazer que senti ao picotá-las quando me olhavam torto. Olhos, braços, boca e pernas agora fragmentadas, na agenda, caladas e coladas. Momento desconstruído, virou arte. Arte que me faz reflexiva quando percebo que tive que me reconstruir do nada, quando me fragmentei por nada. Mas fui além. Superei a fratura de minh’alma. Remendei-a.

Na verdade, até hoje não sei se é isso tudo que me faz ou fez silente, sobretudo aos domingos. O que me faz soturna. O que me faz buscar a mim mesma assim tão intensivamente nesses retalhos, nesses pedaços de tempo espalhados que vez por outra se aglomeram e se recompõem como esta foto que observo. O certo é que ao menos aprendi a conviver com minha própria imagem. Percebo que hoje sou uma mulher que já sabe se olhar no espelho, mesmo tendo ainda espelhos em que não me reconheça.

Mas isso tudo são apenas minhas coisas de domingo. Quando minha voz fala mais baixo, devagar e às vezes até cala. Quando procuro me reconhecer nesse novelo de vozes que me acossam. Quando procuro falar pouco. Para rever velhas e novas imagens de mim, em mim, pois que agora não preciso mais picotá-las.

Confio na hora certa de compreender o que a vida escolhe para mim, aceitar e fazer disso o melhor.

Hoje, aprendi que sou como um rio, às vezes lento, às vezes nem tanto, mas sempre fluindo. E, assim, lá se vai mais um domingo. Escorrendo, desfiando as horas. Sei que a fala e o silêncio vêm na hora exata. É uma questão de tempo.

Texto e foto por Claude Bloc

Cartunista iguatuense entra para o Brazilcartoon - Por: J.Guedes

( caricatura do Cláudio Teixeira por ele mesmo)

"O talento e a arte do cartunista iguatuense Cláudio Teixeira agora estão sendo mostrados para o mundo inteiro. O iguatuense, que largou a carreira no serviço público para se dedicar exclusivamente ao seu ateliê que funciona em sua própria residência na Rua Juciê Correia Lima, bairro Flores, acaba de ingressar num dos sites mais populares do Brasil, o www.brazilcartoon.com, que reúne as grandes feras da arte cartunista e chargista de todo planeta. No site há uma galeria de caricaturistas brasileiros e outra de estrangeiros. Entre os brasileiros está o iguatuense Cláudio Teixeira. Foi divulgando seus trabalhos através de seu blog na internet, no endereço caricateixeira.blogspot.com, que ele conseguiu chegar ao site. Incialmente o artista iguatuense entrou para a galeria de destaques, em seguida ganhou seu próprio espaço. Ele considera que o ‘blog’ foi a grande ‘porta de entrada’ para o site, também campeão em visitação.

Através do blog, Cláudio Teixeira já vem recebendo encomendas de trabalhos de caricaturas, charges e desenhos, de pessoas dos mais variados lugares, no Brasil e exterior. Ele mostra, em sua página, os trabalhos que são feitos sob encomenda, que após serem enviados para os clientes são postados no blog, a título de divulgação. Cláudio informou que já recebeu encomenda de moradores de países como a Espanha, Canadá, Israel, Estados Unidus, França, Portugal e até de Cingapura, na China. Para ter o trabalho feito quem faz a encomenda envia no mínimo cinco fotos. Cláudio Teixeira faz um esboço da obra e envia através de e-mail, mediante o pagamento de 50% do valor combinado, normalmente em torno de R$ 80,00. O cliente recebe o esboço, pode sugerir alterações ou mudanças e quando solicita o acabamento deposita o restante do pagamento para receber a obra concluída. De posse da arte, cada cliente pode fazer o que quiser. Como o material é de boa qualidade e com resolução alta, alguns mandam até imprimir em papel de foto, material de outdoor, montam em moldura para colocar na sala de casa, ou no escritório. Um cliente de São Paulo, que encomendou a caricatura dele e da noiva, mandou imprimir o trabalho num banner de 1,5m por 1m, fotografou a obra posando ao lado com a noiva e enviou para o blog de Cláudio.

Segundo Cláudio Teixeira, o campeão de pedidos é a caricatura do Sr. e da Sra. Smith, personagens vividos no cinema pelos atores Brad Pitty e Angelina Jolie. O formato do desenho que virou o cartaz do filme é a preferência dos casais de noivos ou simplesmente namorados que querem reproduzir a relação na arte caricaturada.

Cláudio trabalha diariamente chegando a varar madrugadas para atender a toda a demanda de pedidos que não para de chegar. O prazo para a entrega de cada obra entre a chegada o e-mail e o pagamento é de no máximo dez dias. Os trabalhos recebem nota máxima dos clientes, que geralmente retornam para fazer novas encomendas.

O iguatuense domina as áreas de charges, desenho com giz de cera, tinta a óleo, grafite, cartunismo e caricaturas, e começou a lidar com arte dos desenhos desde os nove anos de idade. Sempre recebeu o incentivo dos pais e dos amigos. Além da habilidade como artista em desenho é também um exímio músico com muito talento para tocar bandolim e cavaquinho.

Recentemente Cláudio Teixeira adquiriu uma importante ferramenta eletrônica que está revolucionando sua arte. Através de uma ‘mesa digital’ agregada ao computador, e com o auxílio de programas como o Corel e o Fotoshop ele consegue dar acabamento nos desenhos, com mais rapidez e uma melhor finalização. O artista explicou que o trabalho continua sendo manual, porque tudo é desenhado eletronicamente, com o uso da ‘mesa digital’ e uma espécie de mouse que funciona como uma caneta para criar todos os traços de cada caricatura, a partir da foto. "


*Cláudio Teixeira, artista plástico da nossa vizinha Iguatu, é um dos mais novos colaboradores do Cariricaturas, para a nossa alegria.

Amigo da Claude, parente por afinidade de Carlos e Magali Esmeraldo , o Claúdio já faz parte da nossa família.


"A caricatura é uma arte apreciada no mundo inteiro e o interesse do público em ter sua própria caricatura é cada vez maior" (Cláudio Teixeira)

Encomendas,sugestões ou críticas: caricateixeira@gmail.com

Um abraço de boas-vindas, Claúdio !
TERCEIRA IDADE
Irmã de Miguel Arraes domina mundo virtual




Aos 84 anos, dona Almina elaborou um manual para ajudar os adultos a vencer o medo da tecnologia (Foto: Antônio Vicelmo)

Dona Almina venceu o preconceito e mostra que é possível superar dificuldades por meio da perseverança

Crato. "A auto-estima é a percepção que a pessoa tem de si mesma. Esta revisão de vida auxilia na auto-aceitação de habilidades, características e limitações. Isso ajuda a desenvolver melhor a auto-percepção, ou seja, a estar mais satisfeita com a vida". Com esse exercício de reflexão, a aposentada Almina Arraes de Alencar Pinheiro, 84 anos, irmã do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, abriu uma janela para o mundo, a partir da adoção do computador na vida cotidiana.

Viúva, com os filhos, netos e sobrinhos distantes, alguns deles no exterior, dona Almina descobriu que a internet seria a forma mais prática de manter o relacionamento com a família. Ela lembra que os sentimentos de abandono, tristeza, sensação de inutilidade, apatia e desesperança são rotina de inúmeros idosos de hoje.

Assim, ela procurou um curso de informática para entrar no mundo virtual. Procurou formar um grupo da terceira idade para assistir às aulas, mas ninguém se entusiasmou com a idéia. O computador, para a maioria dos idosos, era "um bicho de sete cabeças".

Mesmo assim, dona Almina não desistiu. Matriculou-se sozinha num curso onde predominava a presença de crianças. No primeiro dia de aula, um garoto de 12 anos perguntou: "A senhora é a professora?". "Não, eu sou aluna", respondeu. Com seis meses de aula, ela saiu pronta para navegar num mundo que ela até então desconhecia. Palavras como e-mail, adicionar, anexar, digitar, bytes, megabytes, download, site e outras tantas do mundo virtual agora fazem parte do seu dia-a-dia.

O primeiro computador foi doado pelo filho, Joaquim, que mora em Recife. O segundo foi um presente emocionante. Joaquim conta que, há cerca de 30 anos, um jovem pobre disse para dona Almina que não ia fazer o vestibular porque não tinha dinheiro para pagar a inscrição. Imediatamente, ela entregou o dinheiro ao jovem, dizendo: "você me paga com o seu diploma". O jovem formou-se, tornou-se Dr. Júlio Pinto. Hoje, é professor universitário.

Ao tomar conhecimento de que dona Almina estava dominando computador, Júlio Pinto a presenteou com uma máquina de última geração equipada com câmera e impressora. Animada, ela elaborou um manual com o título "Minhas Lições", que está distribuindo com as amigas da terceira idade e pessoas que ainda resistem ao computador. O objetivo é ajudá-las a superar seus medos e resistências às novas tecnologias.

O computador foi instalado numa das salas do casarão da família decorada com fotos dos parentes mais próximos, entre as quais uma foto grande da primeira campanha vitoriosa de seu irmão, Miguel Arraes, ao Governo de Pernambuco. Ali, ela percorre o Brasil e o mundo. Recebe cerca de 100 e-mails por dia. Grava programas, filmes e músicas que lhe interessam. Copia, recebe e transmite fotografias e faz compras. O mais importante, segundo dona Almina, além do contato com a família, é a pesquisa. "O computador é uma livraria dentro de casa".

Dona Almina justifica que o aprendizado favorece o desenvolvimento do indivíduo e da sociedade, quando este é flexível e perspicaz para acomodar a novidade e a renovação. "Abre o intelecto humano para investigar. É preciso levar o adulto a pensar, cultivar o espírito crítico e questionador que ele traz consigo, às vezes, adormecido".

Ao fazer estas observações, dona Almina adverte: "Não permita que a distância entre o velho e o novo sejam barreiras, é o grande desafio que temos, uma luta constante contra todas as ações discriminatórias que possam existir, permanecer e aparecer no processo vertical e horizontal da educação. Ao fazer esta advertência, dona Almina complementa: O idoso não pode se entregar à apatia. A aposentadoria não deve ser encarada como objetivo, muito menos como condição para que se pare de produzir".

Mais informações:
Almina Arraes de Alencar
Rua Dr João Pessoa, 98 - Crato
Tel: (88) 3521-1404

ANTÔNIO VICELMO
REPÓRTER

Fonte: Diário do Nordeste, edição de 13-09-2009

Sr. Abidoral Rodrigues Jamacaru - Por Roberto Jamacaru


Sr. Abidoral Rodrigues Jamacaru

Em 1905 nascia, na Vila de Jamacaru, hoje distrito do município de Missão Velha, no Ceará, o cidadão Abidoral Rodrigues Jamacaru.
Mas foi somente em 1918, portanto aos treze anos de idade, que ele migrou desse modesto lugarejo para a cidade de Crato, também no sul do estado do Ceará. Era o começo de uma cumplicidade eterna entre um ilustre desconhecido e a cidade que ele escolhera para viver.
Cheio de amor e entusiasmo pela nova vida, o então rapazola Abidoral colocou em ação, não apenas seus planos de vida e força do trabalho, mas, principalmente, nas noites boêmias da nova terra, sua alma de artista regida pelos acordes mágicos de seu plangente bandolim.

A cidade e o comerciante...

Nessa sua nova fase de vida, Bidinha, como era chamado, deu início às suas atividades no comércio local na condição de empregado da Casa Mattos (comércio de miudezas), cujos proprietários eram os ilustres comerciantes Izaias e Joaquim Mattos.
Em 1927, em parceria com o Senhor João Ranulfo Pequeno, Abidoral instalou, na Rua Bárbara de Alencar, uma pequena loja de variedades.
Decorridos dois anos da sua fundação, João Ranulfo negociou sua parte com o seu parente José Horácio Pequeno (futuro Prefeito do Crato) que, por sua vez, ajustou venda de seu capital ao futuro e único proprietário Abidoral Rodrigues Jamacaru.
Com um pequeno capital de Cr$1.200,00 (Um mil e duzentos cruzeiros), o novo dono transformou a firma na tradicional CASA ABIDORAL.
Na época, num pequeno trecho da Rua Bárbara de Alencar, centro da cidade, foram seus contemporâneos de comércio: Moacir Barreto Dantas, Expedito Barreto Dantas, Sá Barreto, Cícero Beija-Flor, José Vilar, José Eurico, Manoel Teixeira, Joaquim Patrício; Tarcísio Leitinho, Balduino Bezerra, Almir Carvalho, João Gualberto, José Honor; a família Belchior, Raimundo Oliveira, Alfredo Leite (Seu Alfredinho), Leonel; o padeiro português Acácio, o relojoeiro Nonato, o Barbeiro Zé de Zumba, o bodegueiro Ioiô, o courista Vela Branca, Mário Correia de Oliveira e tantos outros.

O Músico, o seresteiro o amigo...

Ao Crato, sua grande e inesquecível paixão, ele doou aquilo que mais amava na vida, que era a arte de encantar e embalar o povo com música. Para tanto compôs, entre outras melodias, a belíssima “Crato Querido”, a inesquecível “Céu Azul” (gravada pelo filho Pachelly Jamacaru); o eletrizante choro “Bagaceira” e o duplo sentido “Onde é que as muié do Piquitão...?”... Esta uma alusão às mulheres que catavam o fruto do pequi na Floresta da Chapada do Araripe.
Seu máximo, que levava ao delírio homens e mulheres sedentos de paixão, era, sob a luz do luar, nas frias e boêmias ruas dessa cidade, executar, dedilhando o seu mágico bandolim, inesquecíveis serenatas.
Esse espírito artístico e sonhador que o Crato conheceu, acompanhou o Sr. Abidoral até os últimos momentos de sua vida. No entanto foi um legado poeta que não morreu! Ele, endossado pelos caprichos literários de sua esposa, a Sra. Ana Aires de Aquino Jamacaru – Doninha - continua na genética de seus filhos e netos, espalhados pelo Crato e mundo a fora.


Epílogo...

O tempo, implacável, foi aos pouco procurando dar o descanso não só ao trabalhador, mas, também, ao artista Abidoral Rodrigues Jamacaru que, no ano de 1975, após cinquenta e dois anos de lida, resolveu aposentar-se.
Nos anos seguintes, talvez num ato inconsciente de despedida do Crato, ele passou a praticar costumeiras andanças pelas ruas e praças dessa cidade acalantando, com sua cítara quase mágica, o povo a quem tanto amara.
E assim continuou até que, no dia 20 de março de 1994, mais precisamente às 09h40m, o então menestrel, sentindo-se com o dever cumprido, resolveu, para tristeza nossa e alegria dos anjos boêmios da eternidade, nos deixar.
O Céu, que um dia, em uma determinada canção, recebera desse poeta musical uma profunda e singela homenagem, ficara, a partir de então, como os olhos do próprio autor... Intensamente mais azul!

Homenagem de sua esposa Ana Ayres de Aquino Jamacaru (Em doce memória) e de seus filhos Hildeberto Jamacaru de Aquino, Ana Lúcia Jamacaru de Aquino, Abidoral Rodrigues Jamacaru Filho, Célia de Souza, Roberto Jamacaru de Aquino, Alberto Jamacaru de Aquino, Luciane Jamacaru de Aquino Schimidt, Pachelly Jamacaru de Aquino e Fátima Jamacaru de Aquino.

Texto e foto por Roberto Jamacaru