Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Fim do mundo previsto pelos maias é um erro de interpretação

NE - O fim do mundo é só aqui na terra mesmo...

O prognóstico maia do fim do mundo foi um erro histórico de interpretação, segundo revela o conteúdo da exposição "A Sociedade e o Tempo Maia" inaugurada recentemente no Museu do Ouro de Bogotá.

O arqueólogo do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH) e um dos curadores da mostra, Orlando Casares, explicou à Agência Efe que a base da medição do tempo desta antiga cultura era a observação dos astros. Eles se baseavam, por exemplo, nos movimentos cíclicos do sol, da lua e de Vênus, e assim mediam suas eras, que tinham um princípio e um final.

"Para os maias não existia a concepção do fim do mundo, por sua visão cíclica", explicou Casares, que esclareceu: "A era conta com 5.125 dias, quando esta acaba, começa outra nova, o que não significa que irão acontecer catástrofes; só os fatos cotidianos, que podem ser bons ou maus, voltam a se repetir".

Para não deixar dúvidas, a exposição do Museu do Ouro explica o elaborado sistema de medição temporal desta civilização. "Um ano dos maias se dividia em duas partes: um calendário chamado 'Haab' que falava das atividades cotidianas, agricultura, práticas cerimoniais e domésticas, de 365 dias; e outro menor, o 'Tzolkin', de 260 dias, que regia a vida ritualística", acrescentou Casares.

A mistura de ambos os calendários permitia que os cidadãos se organizassem. Desta forma, por exemplo, o agricultor podia semear, mas sabia que tinha que preparar outras festividades de suas deidades, ou seja, "não podiam separar o religioso do cotidiano". Ambos os calendários formavam a Roda Calendárica, cujo ciclo era de 52 anos, ou seja, o tempo que os dois demoravam a coincidir no mesmo dia. Para calcular períodos maiores utilizavam a Conta Longa, dividida em várias unidades de tempo, das quais a mais importante é o "baktun" (período de 144 mil dias); na maioria das cidades 13 "baktunes" constituíam uma era e, segundo seus cálculos, em 22 de dezembro de 2012 termina a presente.

Com esta explicação querem demonstrar que o rebuliço espalhado pelo mundo sobre a previsão dos maias não está baseado em descobertas arqueológicas, mas em erros, "propositais ou não", de interpretação dos objetos achados desta civilização. De fato, uma das peças-chave da mostra é o hieróglifo 6 de Tortuguero, que faz referência ao fim da quinta era, a atual, neste dezembro, a qual se refere à vinda de Bolon Yocte (deidade maia), mas a imagem está deteriorada e não se sabe com que intenção. A mostra exibida em Bogotá apresenta 96 peças vindas do Museu Regional Palácio Cantão de Mérida (México), onde se pode ver, além de calendários, vestimentas cerimoniais, animais do zodíaco e explicações sobre a escritura. Para a diretora do Museu do Ouro de Bogotá, Maria Alicia Uribe, a exibição desta mostra sobre a civilização maia serve para comparar e aprender sobre a vida pré-colombiana no continente.

"Interessa-nos de alguma maneira comparar nosso passado com o de outras regiões do mundo", ressaltou Maria sobre esta importante coleção de arte e documentário. A exposição estará aberta ao público até o dia 12 de fevereiro de 2012, para depois deve ser transferida para a cidade de Medellín.

Via Yahoo Notícias
*** Engenho Velho ***
(Claude Bloc) 

Eis o tempo
Resultado parco de utopias,
Eis a procura
De ontem, de hoje, enfim...
Uma lembrança que se afoga
E se agarra na figura da fênix
que o/a poeta construiu.
A vida aqui se retém na imagem
Na ruína de uma saudade
Aguardando sua vez
De consumir-se na memória.
 
Claude Bloc

"Quem considerou pessoa idosa, em estado de SENILIDADE, como LOUCA E DEMENTE! Foi a VEREADORA MARA" - George Macário

http://4.bp.blogspot.com/-DKl0sbGqm84/Tq8ZEBZOZKI/AAAAAAAAbGk/rnQvVRJfK5M/s1600/george_macario_e_familia.jpg


"Foi a VEREADORA MARA, que disse que A SENILIDADE É A MESMA COISA DE LOUCURA E DE DEMÊNCIA! Foi a Vereadora Mara! Não eu! Está tudo gravado!"

George Macário

NE - O Vereador George Macário veio a público na manhã desta segunda-feira, na câmara municipal, esclarecer a verdade sobre os boatos propagados por adversários políticos, que tem sido usados para atacar pessoas honradas da cidade do Crato, dentre as quais D. Almina Arraes, Humberto Macário de Brito e o Prefeito Samuel Araripe.

Parte do discurso de 7 laudas lido hoje na Câmara Municipal do Crato:

"...Senhores Vereadores,
Público, Imprensa...

A situação só vem se complicando, Senhor Presidente, e no último dia 18 de outubro, para mim, foi um divisor de condutas de como devo agir nesta casa, cheia de “armadilhas” e “areias movediças”. O que se fala neste plenário é, em muitas e corriqueiras vezes, DOLOSA, INTENCIONAL, PREMEDITADAMENTE, interpretado de forma a se transformar em POLITICAGEM BARATA!

Naquele dia, esta casa presenciou nova e desnecessária discussão, movida por uma questão onde envolve, novamente, a Família e logo a minha. A Vereadora Petista, após um “sopro do anjo do mal” ( funcionário da câmara Tutu, adversário contumaz de Samuel Araripe ) em seu ouvido, provocou gratuitamente novo tumulto, na tentativa deliberada de gerar, DE IMEDIATO, uma querela familiar, entre minha pessoa e familiares meus. A SEGUNDA parte de sua calculada atitude, que, diga-se de passagem, RASTEIRA e COVARDE, seria a de criar todas as condições para uma campanha difamatória contra minha pessoa.

Confesso, Senhor Presidente, que não sei qual seria a outra intenção da Vereadora: Perguto-lhe agora ( apontando o dedo ): Qual foi a falta que cometi? Onde feri o Regimento Interno? Vai abrir um procedimento regimental contra minha pessoa? Ou já está satisfeita com o que conseguiu?

Quanto à minha família, que tenho o maior orgulho e admiração, afirmo que jamais tive a intenção de ofendê-la, muito menos à pessoa querida de Almina, aos 87 anos. O que ganharia com isto? Falar do meu próprio povo? Absolutamente nada! O tempo é o senhor da razão!

Peço desculpas SIM! Se os deixei ofendidos! Agora, tenho o direito de oferecer a minha versão dos fatos, e o faço lamentando a PEQUENEZ de quem provocou esta situação! Isto é atitude de quem mostra a sua verdadeira personalidade. Quem considerou pessoa idosa, em estado de SENILIDADE, como LOUCA E DEMENTE! Foi a VEREADORA MARA, que disse que A SENILIDADE É A MESMA COISA DE LOUCURA E DE DEMÊNCIA! Foi a Vereadora Mara! Não eu! Está tudo gravado! Se já não foi editado!

Lamento profundamente, por aqueles que deram crédito ao único propósito desta celeuma, transformar tudo em POLITICAGEM, para atingir a minha pessoa, como aliado político do Prefeito Samuel Araripe, a quem sou fiel, como Líder do seu Governo na Câmara.

São nestas horas que nós identificamos quem são os Amigos e os Lobos, inclusive, os disfarçados em pele de cordeiro:

Meus amigos, são os que conhecem meus pais, são os que me conhecem desde o berço, na infância, de quando andávamos de calças curtas a brincar pelas ruas do Crato, são os dos tempos da nossa adolescência, da nossa juventude, do meu histórico como homem, profissional e pai de família, do meu convívio familiar, da criação dos meus filhos e, principalmente, são os que sabem do meu amor e do meu compromisso com Crato. São estes que confiam na minha conduta e no meu caráter!

Os lobos, são os que não me conhecem, nem de perto e muito menos de longe. Tentam fazer uma campanha para apagar tudo que sou e tudo que construí, em meus 46 anos vida cratense, com a simplicidade de um apertar na tecla “DELETE” do computador. Não é bem assim! Aviso aos lobos, que não irão conseguir! Confio nos muitos que sabem quem realmente sou! E como confio! Agora, mais do que nunca, estou motivado para trabalhar e combater esta “MATILHA DE PESSIMISTAS”.

Tenho plena convicção de que a Família Arraes sabe do que estou falando. Ela sabe a diferença entre POLÍTICA e POLÍTICAGEM. Sabe quem é amigo e quem é lobo! Inclusive, os lobos em peles de cordeiro, que andam em busca de carniça! Todo cuidado é pouco! Este momento passa, os lobos se afastam e a Família permanece!

Mesmo apesar de tudo, continuarei tendo grande orgulho e o reconhecimento histórico desse nome. Defendo-o e o promovo, pois sou parte dele, tanto é verdade que foi o Vereador George Macário que sugeriu ao Senhor Prefeito Municipal a entrega da maior comenda do Crato, a Medalha Bárbara de Alencar, à Deputada Ana Arraes, fato que Samuel Araripe pode confirmar, mas, isto não importa mais!

Por fim Senhor Presidente...
Senhores Vereadores,

Finalizo minha fala de hoje, aproveitando o fecho do meu discurso no dia em que aqui chegue e renovo tudo o que disse:

“Conclamo aos que são verdadeiramente cratenses, de corpo, alma, coração e ação, a trabalharem para que a nossa Terra continue sempre crescendo, pelas mãos da competência, do compromisso coletivo e da decência, só assim teremos um futuro promissor.”

Quanto ao deboche inoportuno e infeliz, que fez a Vereadora Mara, tripudiando em cima do que disse meu velho Pai, no dia de minha posse, sobretudo quando soube da gozação da Vereadora do PT, chamando-me de “filho adotivo do prefeito”, ele apesar da senilidade, apenas comentou o seguinte: A MARA CONTINUA A MESMA MARA!

Senhor Presidente!
Tome as providências urgentemente!
Veja quem sempre concorre para o surgimento de tumultos!
Aja! Antes que esta Casa pegue fogo, como muita gente quer, pois está brincando com coisa séria!
Vossa Excelência é quem está no comando!

Muito obrigado!

George Macário de Brito
Vereador PV