Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

terça-feira, 31 de maio de 2011

REDAÇÃO DE ALUNA DA UFPE

A internet tem muita coisa boa, mas que, na hora de sabermos quem é o autor de tanta preciosidade, não encontramos. O que se encontra é, autor desconhecido. Esse texto de uma suposta aluna da UFPE, já pesquisei nome e foto e não encontrei, mas como o texto é muito bom, vale apena ser compartilhado com os visitantes do blogdosanharol.

REDAÇÃO DE ALUNA DA UFPE
Redação feita por uma aluna do curso de Letras, da UFPE Universidade Federal de Pernambuco (Recife), que venceu um concurso interno promovido pelo professor titular da cadeira de Gramática Portuguesa.

Redação:
Era a terceira vez que aquele substantivo e aquele artigo se encontravam no elevador. Um substantivo masculino, com um aspecto plural, com alguns anos bem vividos pelas preposições da vida. E o artigo era bem definido, feminino, singular: era ainda novinha, mas com um maravilhoso predicado nominal.
Era ingênua, silábica, um pouco átona, até ao contrário dele: um sujeito oculto, com todos os vícios de linguagem, fanáticos por leituras e filmes ortográficos. O substantivo gostou dessa situação: os dois sozinhos, num lugar sem ninguém ver e ouvir. E sem perder essa oportunidade, começou a se insinuar, a perguntar, a conversar.
O artigo feminino deixou as reticências de lado, e permitiu esse pequeno índice. De repente, o elevador pára, só com os dois lá dentro: ótimo, pensou o substantivo, mais um bom motivo para provocar alguns sinônimos. Pouco tempo depois, já estavam bem entre parênteses, quando o elevador recomeça a se movimentar: só que em vez de descer, sobe e pára justamente no andar do substantivo. Ele usou de toda a sua flexão verbal, e entrou com ela em seu aposto.
Ligou o fonema, e ficaram alguns instantes em silêncio, ouvindo uma fonética clássica, bem suave e gostosa. Prepararam uma sintaxe dupla para ele e um hiato com gelo para ela. Ficaram conversando, sentados num vocativo, quando ele começou outra vez a se insinuar.
Ela foi deixando, ele foi usando seu forte adjunto adverbial, e rapidamente chegaram a um imperativo, todos os vocábulos diziam que iriam terminar num transitivo direto.
Começaram a se aproximar, ela tremendo de vocabulário, e ele sentindo seu ditongo crescente: se abraçaram, numa pontuação tão minúscula, que nem um período simples passaria entre os dois.
Estavam nessa ênclise quando ela confessou que ainda era vírgula; ele não perdeu o ritmo e sugeriu uma ou outra soletrada em seu apóstrofo. É claro que ela se deixou levar por essas palavras, estava totalmente oxítona às vontades dele, e foram para o comum de dois gêneros.
Ela totalmente voz passiva, ele voz ativa. Entre beijos, carícias, parônimos e substantivos, ele foi avançando cada vez mais: ficaram uns minutos nessa próclise, e ele, com todo o seu predicativo do objeto, ia tomando conta.
Estavam na posição de primeira e segunda pessoa do singular, ela era um perfeito agente da passiva, ele todo paroxítono, sentindo o pronome do seu grande travessão forçando aquele hífen ainda singular.
Nisso a porta abriu repentinamente. Era o verbo auxiliar do edifício. Ele tinha percebido tudo, e entrou dando conjunções e adjetivos nos dois, que se encolheram gramaticalmente, cheios de preposições, locuções e exclamativas. Mas ao ver aquele corpo jovem, numa acentuação tônica, ou melhor, subtônica, o verbo auxiliar diminuiu seus advérbios e declarou o seu particípio na história.
Os dois se olharam, e viram que isso era melhor do que uma metáfora por todo o edifício. O verbo auxiliar se entusiasmou e mostrou o seu adjunto adnominal. Que loucura, minha gente. Aquilo não era nem comparativo: era um superlativo absoluto.
Foi se aproximando dos dois, com aquela coisa maiúscula, com aquele predicativo do sujeito apontado para seus objetos. Foi chegando cada vez mais perto, comparando o ditongo do substantivo ao seu tritongo, propondo claramente uma mesóclise-a-trois. Só que as condições eram estas: enquanto abusava de um ditongo nasal, penetraria ao gerúndio do substantivo, e culminaria com um complemento verbal no artigo feminino.

O substantivo, vendo que poderia se transformar num artigo indefinido depois dessa, pensando em seu infinitivo, resolveu colocar um ponto final na história: agarrou o verbo auxiliar pelo seu conectivo, jogou-o pela janela e voltou ao seu trema, cada vez mais fiel à língua portuguesa, com o artigo feminino colocado em conjunção coordenativa conclusiva.
 

Ouroboros




Imune ao próprio veneno, do qual depende para alimentar-se, nunca pressurosa e sempre à sorrelfa, rastejando porque perdeu as pernas, morde. Estive pensando em por qual razão N. Senhora pisa descalça a serpente e a subjuga. Decerto não tem mais medo. Se o teve foi antes, quando engravidou ainda adolescente, e dos olhos atravessados das pessoas. Concebida, zelou pelo fruto com o maior amor de uma mãe. São assim as mulheres, vivendo pelos filhos mesmo sem a reverberação dos seus corações, tratando-os pelo “Inho”: meu filhinho, meu amorzinho, meu inocentizinho... Não compreendo então porque esbarramos a todo o instante com gente estranha, de língua bífida, talhada assim no capricho pelas lâminas da inveja, da maledicência e da incompetência. Sangue ruim. Ainda bem que longe de generalizações. Imagino se nossa Venerada Descalça vacilasse na vigilância diuturna da gente: “a coisa” sairia por ai, mordendo a todos nós até que não existíssemos mais. Por falta do que fazer, a rastejante se extinguiria também, começando a engolir-se pelo próprio rabo. As cobras bem que não merecem este comentário, mas todos sabemos que não é só em maio que andam juntas. Um perigo!
O milagre é que há tanto a ser feito, Ouroboros, na busca da tal felicidade... Prepararmo-nos para largarmos o couro, crescermos assim a cada estação, deixando para trás tantas coisas desnecessárias e que permitimos no dia a dia que colem na gente esses adornos horríveis que jamais serão moda no paraíso... Até parece que evoluímos no caminho certo, mas estamos mesmo é piorando à medida dos anos sem fim. Nunca nos contentamos, estamos sempre obedecendo à ordem do querer mais, olhando o quintal do vizinho e, à guisa de ajudar, o invadimos e o tomamos. Precisamos renovar a pele, buscando sempre novas amizades e evitando aquelas que já sabemos serem venenosas. Maravilhoso seria se imitássemos o comportamento das crianças, levando a vida menos a sério, esbanjando alegria e a inocência que nunca deveriam ter saído da gente.
A esperança talvez esteja na fortaleza dos corações amorosos e sensatos. Lá, não penetrarão as unhas e os olhos enormes dos muitos de nós. Mas onde estão?

João Marni de Figueiredo
28.05.2011

um poema é pouco

um poema
é muito pouco
numa cidade tão grande

às vezes as horas passam
com uma rapidez defeituosa
além das palavras
com uma rapidez cansada
que há nas falas

numa cidade tão
grande não nego
um poema é quase nada
que se acaba
por entre as mãos
se desmancha no sol
se cobre com o pó dos telhados
de prédios cansados de olhares hostis

um poema é quase nada
em meio a tanto silêncio
cá entre nós a mais perfeita fronteira
que nunca se apaga

deveriam escrevê-lo
em minúsculas pedras
em cuja forma os olhos descrevem
as ondulações de um fio
mas para quem sabe vê-las
e vê-las é libertar-se do rio
que corre por dentro
com suas margens de vazio

Minha gente - Por Claude Bloc

Dom Quintino é o porto onde ancoram os navegantes de Serra Verde. Muitos dos ex-moradores estão por ali como se o lugar não fosse tão longe de onde nasceram, como se o ar de Serra Verde chegasse até ali para afagá-los.

Na verdade, a distância é bem curta: 7 km ! Mas ali tem comércio, trânsito fácil para o Crato, vida quase parando e a simplicidade que lhes resta para levar a vida.

São Sebastião os protege. A amizade cria raízes e a alegria pode ser repartida com  sorrisos francos e hospitaleiros.

Os (re)encontros são sempre motivo muita conversa - fiada ou não - mas certamente o clima é festivo e a música faz a sua parte: desperta as lembranças de tempos melhores em que éramos em maior número e que festejávamos uma felicidade bem maior com nossos pais.

Domingo foi dia de estar em D. Quintino, no meio de minha gente.


A simplicidade vem à mesa...

Amizade de toda uma vida: Claude, Gil, Nina, Mundinha

Os manos: Mundinha e Toinho Dantas

Toinho, Tatuzinha e Maria (Dantas)
Amanda e Adriana (curtindo um som)
Claude Bloc

A divina conformação - Emerson Monteiro

Na Palestina, depois que Jesus fora executado e as coisas pareciam retornar à antiga normalidade, um dos seus apóstolos, o de nome João, não se aquietava, a procurar canto, qual dizem dos que lutam e nada conseguem para aceitar as situações difíceis.

Durante semanas, sua vida era só amargura, sofrimento por cima de sofrimento. A ferida aberta com a perda do Mestre parecia crescer cada dia um pouco mais. Aonde seguisse, levava consigo a saudade imensa da presença divina, fugindo-lhe do ânimo o gosto de pelejar, e ninguém conseguia consolá-lo. Tornara-se, por isso, a maior preocupação dos amigos e familiares.

Alguém lembrou, então, de Maria de Nazaré, a quem devesse procurar, na busca de palavras de conforto, pois se revelara exemplo perfeito de resignação face à inominável tragédia que também lhe vitimara.

Destarte, João viajou ao lugar em que morava a mãe de Jesus.

Numa demorada conversação dos dois, a santa mulher indicou a João que chegasse ao Mar da Galiléia, porquanto, nas suas margens, acharia motivo suficiente de recobrar forças e firmeza de tocar adiante a vida.

João aceitou o conselho e buscou as praias daquele mar, em que permaneceu algum tempo. Relembrava os passeios felizes de vezes anteriores, absorto nos transes da dor. Certa tarde, preso à beleza das águas azuis, se deixava inundar de gratas recordações, quando avistou, deslizando em sua direção, no fino espelho das ondas, o vulto magnânimo de Jesus.

Um perfume de incenso raro, nessa hora emanava pelo ar, idêntico ao que experimentara junto da cova em que depositaram o santo corpo do Mestre, nas proximidades de Jerusalém.

Perante o inesperado fragor, quis esmorecer sob o peso das emoções ali vividas. Fechou os olhos, na mais fervorosa contrição, e ouviu nos refolhos da alma lacerada, translúcido, o falar do Verbo de Deus:

– Estimado João, jamais queira imaginar que habito longínquas paragens afastadas de quem amo. Saiba, no entanto e sempre, que quando alguém chamar com sinceridade ao seu lado estarei, na eternidade dos verdadeiros sentimentos, contra qualquer obstáculo; pois não há distância entre os que se amam.

Dali em diante, tocado pelos eflúvios da revelação inesquecível, o apóstolo se rendeu ao abençoado reencontro e entregou-se ao poder da conformação, para realizar o trabalho evangélico que viera cumprir na Terra.

Padarias Espirituais - Juazeiro do Norte recebe nova remessa de livros.






A Secretaria de Cultura de Juazeiro do Norte recebeu 35 mil livros enviados pela Fundação Enoch Rodrigues, para dar continuidade ao grande projeto Biblioteca nos Bairros. Na primeira remessa para Juazeiro foi beneficiado também 35 mil livros. Os livros chegaram no último sábado, 23 de maio de 2011, diretamente de Brasília. Foram depositados na estação ferroviária, ao lado da estação do Metrô de Superfície do Cariri.

O diretor técnico da SECULT, Franco Barbosa, explica que “o objetivo é proporcionar leitura em todos os Bairros de Juazeiro abrindo bibliotecas junto às escolas ou associações que recebem diariamente a população”. Ele destaca ainda o fundamental apoio do prefeito Dr. Santana. “O nosso prefeito, mais que um apoiador, tem sido um parceiro, um grande entusiasta da abertura de novas bibliotecas, aqui, na Terra do Padre Cícero”.

O prefeito Dr. Santana considera o ‘Biblioteca nos Bairros’ como um dos importantes projetos relativos ao Centenário. “Esse projeto, através da Secretaria de Cultura é um dos importantes destaques das comemorações do centenário, já que estaremos levando leitura de qualidade a todos os bairros de nossa cidade sempre em espaços utilizados por todas as comunidades”.

Além do envio dos livros, Juazeiro está recebendo também prateleiras e bibliocampos (bases para os livros) nas estantes. O município busca, agora, os demais equipamentos como cadeiras, mesas, bureaux e computadores.

É a primeira vez que uma gestão pública recebe uma doação tão expressiva de livros de pesquisa, didáticos, paradidáticos, acadêmicos e institucionais. Franco Barbosa, ressalta a articulação do caririense de Farias Brito, Elmano Rodrigues, “que tem sido um grande amigo e parceiro viabilizando esses livros para Juazeiro, assim como para diversos outros municípios nordestinos diretamente de Brasília”.

Já foram implantadas bibliotecas no Pólo de Atendimento do Bairro João Cabral e na sede da Faculdade Patativa do Assaré, no Bairro Aeroporto. Também serão contemplados os bairros Frei Damião, São José, Parque Antonio Vieira, Betolândia, Jardim Gonzaga, Horto, Limoeiro, Tiradentes e Socorro e na zona rural os sítios Popô, Carás, São Gonçalo e Gavião.

Secretaria de Cultura

VEJA QUE CURIOSO!! ...

Olha aí que coisa inusitada: 
"nós nunca mais veremos um mês de Julho" como em 2011. 
Ou alguém de nós viverá mais 823 anos?

   
   
Julho/2011

D
S
T
Q
Q
S
S





1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31


Este ano, Julho terá 5 sextas-feiras5 sábados e 5 domingos.

Isto acontece uma vez a cada 823 anos.
 Estes anos são conhecidos como 'money bags'(baseado no Fengshui chinês).

Boa sorte a nós todos!!! 

Recebido por e-mail

Mamãe Valda

Os filhos sabem,
que num momento difícil
podem chegar de mansinho
e contemplar a figura da mãe.
Ficam ali calados
num porto seguro...
Para os adultos
o seu olhar é ainda o mesmo de antes
embora existam rugas e cabelos brancos.
E quando no final do corredor comprido
aquela antiga cadeira está vazia...
Ficou ali apenas
a lembrança do afago de suas mãos
e o calor dos seus braços..
A figura da mãe se foi...
O tempo ficou diferente
o dia comprido,
a dor sufocada no peito
numa sensação esquisita...
Isso é dor!
A hora do adeus... e até breve...
Envolto no azul sonhado
a lembrança da mãe Valda...
Momento para refletir na razão da vida
e no seu tempo tão curto...
Ficaram os exemplos,
de luta, determinação e renúncia...
Naquele porta retrato
a imagem eternizada
Mamãe Valda !



Programa Cariri Encantado Sonoridades - 01/06/2011

Conexões musicais: Quinteto Violado, a universalização do popular

Em 1971 surgiu em Pernambuco um grupo musical que traçava um novo caminho para a MPB. Diante da indecisão no cenário da música nacional, após a irrupção do movimento tropicalista, o Quinteto Violado apresentava uma proposta fundamentada nos elementos musicais da cultura regional, através de trabalhos de pesquisa e da própria vivência de cada um dos seus integrantes, originários da região Nordeste do Brasil.

Conseguindo extrair das mais simples manifestações populares a sua essência rítmica e melódica, o Grupo criou uma nova concepção musical, cujo traço fundamental é a interação entre o erudito e o popular, sem desfiguração, reafirmando a idéia de que toda arte é sempre a universalização do popular. Com excepcional criatividade e talento, o Quinteto Violado, em seu disco de estreia, talvez nem sequer imaginasse que, muito mais que uma nova roupagem orquestradora, estava produzindo a semente de uma mudança no modo de sentir e expressar a música brasileira.

O programa Cariri Encantado Sonoridades, em mais um especial temático, enfoca parte da extensa obra do Quinteto Violado – afinal já são 40 anos de trabalho registrados em livro, vídeo e mais de 47 discos lançados no Brasil e no exterior – com base em dois momentos marcantes de sua carreira: os discos “Quinteto Violado”, de 1973, e “Coisas que Lua canta”, de 1983. O repertório destaca versões bem construídas de músicas gravadas por Luiz Gonzaga, como Asa Branca (em duas versões definitivas), Acauã, Vozes da Seca, Boiadeiro e Juazeiro.

E como dizia José Nilton, quem viver, ouvirá!

Onde escutar
Rádio Educadora do Cariri AM 1020 e www.radioeducadoradocariri.com.

"Eles" tão chegando - José Nilton Mariano Saraiva

Comprovada e irremediavelmente falidos em termos econômicos, enfrentando um avassalador, descomunal e corrosivo processo de decadência, inclusive moral e ética, mesmo assim a nação americana (EE.UU.) se nos apresenta (ainda) como uma das maiores potências do mundo em termos técnico, científico e poderio bélico.
Como, no entanto, a “fonte” que sustentava tudo isso - suas reservas petrolíferas - rapidamente se exauriram em função da “farra” e mau uso durante décadas (seu consumo interno sempre se manteve nas alturas, resultando infrutíferas todas as tentativas de diminuí-lo) bem como ainda não se consolidaram quaisquer outras fontes alternativo-substitutas, no médio prazo, há, sim, a possibilidade iminente de um “stop” da atividade produtiva do próprio país, dentro de certa brevidade.
Portanto, pra que se mantenha a máquina em funcionamento há o imperioso desafio de “encontrar”, "extrair" ou “tomar de conta” de reservas petrolíferas, onde houver petróleo abundante e em excesso (além mares e preferencialmente no Oriente Médio), senão este que ainda é um dos países mais poderoso do mundo inexoravelmente irá à lona, restará nocauteado.
Para a consecução de tal desiderato, uma das mais eficientes armas utilizadas até aqui tem sido a distorção de informações, propagadas por uma mídia amestrada e dócil, espalhada pelo mundo, que tem papel preponderante na fixação do uso de certos métodos heterodoxos de “convencimento”, objetivando sejam atropelados ou aniquilados aqueles que se lhes postarem à frente, ou, até mesmo, os que ousem contestá-los ou confrontá-los (desde quando, por exemplo, os americanos respeitam esses tais fóruns coletivos internacionais tipo a OTAN, ONU, G-8 e tal, quando resolvem que têm de intervir mundo afora ???).
Assim, nada mais conveniente e apropriado (pra eles, americanos) que tentarem difundir e manter o galardão de “xerifes” do mundo, defensores da raça humana, protetores dos desvalidos, última reserva moral do planeta, solução para todos os males dos terráqueos, mesmo que a sua inescrupulosa e belicista prática diária se contraponha a tal teoria; necessário, para tanto, a provocação e manutenção indefinida de um “conflitozinho” básico com um país periférico qualquer (contanto que abarrotado de petróleo) a fim de que, quando a coisa apertar mais e se tornar necessário (como agora, com o Irã e outros países do Golfo Pérsico), possam desestabilizá-los, descredenciá-los, jogá-los às feras, pô-los contra o resto do mundo e, alfim, invadi-los e tomar de conta das suas portentosas reservas minerais.
Afinal, quem não lembra do recentemente ocorrido no Iraque (lá mesmo, vizinho ao Irã), quando os "gringos", sob o fajuto e inconsistente argumento da existência de letais armas químicas com potencial de destruir a própria humanidade (que, desde o começo desconfiava-se, e posteriormente comprovou-se tratar-se de uma deslavada mentira) acionaram sua mortífera e poderosa força bélica, ao custo de bilhões de dólares e milhares de vida humana) com o objetivo único e exclusivo de apoderar-se das portentosas reservas petrolíferas iraquianas, como realmente aconteceu ??? Para tanto, não tiveram nenhum escrúpulo de antecipadamente “anunciar”, para posteriormente executar a “caça”, “julgamento” e “assassinato” em tempo recorde (na forca e com transmissão ao vivo e a cores para todo o planeta), do presidente Saddam Hussein (ou alguém tem dúvida que aquilo ali foi um verdadeiro assassinato, mesmo se sabendo tratar-se de um ditadozinho de quinta categoria) ??? Aquilo foi ou não uma “interferência indevida” em assuntos internos de uma nação independente ???
E a próxima vítima da “imperial” determinação americana deverá ser a nossa vizinha e sofrida Venezuela (dona de uma das maiores jazidas petrolíferas do mundo), daí a midiática e avassaladora satanização do Chávez (sem dúvida um outro ditador perigoso), de par com a suspeita e providencial instalação de bases militares na Colômbia, sob o falso argumento de combate aos narcotraficantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).
É imprescindível, pois, que os “sul-americanos” nos cuidemos (o Brasil, em particular), que tomemos nossas precauções, nos mantenhamos de olhos abertos, preparemo-nos pra botar a boca no trombone, porque, quando o nosso pré-sal estiver em sua capacidade plena, quando nos tornarmos exportadores do “ouro negro”, eles já estarão por aqui, na vizinhança, à espreita, esperando pra dá o bote mortal (a propósito, lembram da Base Espacial de Alcântara, no Maranhão, que quase lhes foi entregue de mão beijada por FHC, e onde os brasileiros seriam proibidos até de entrar ???).
Ou alguém tem alguma dúvida de que o deslocamento da 4ª frota naval americana para “exercícios” no “Atlântico-Sul” não guarda um objetivo muito bem definido, tal qual acontece com os navios “yankes” ancorados nas cercanias do Irã ??? Por qual razão não se metem com a Rússia, que se acha assentada e também “nada de braçadas” num mar de petróleo ??? Será que o arsenal nuclear russo os assusta tanto ???
Fica, pois, o alerta: cuidado, muito cuidado, eles tão chegando (e não se trata de nenhuma invasão alienígena).

PROGRAMA INFLUÊNCIA DO JAZZ - Hoje, Terça-feira 14:00 - Rádio Educadora do Cariri

http://3.bp.blogspot.com/-mfQeAXfHRQk/TeTO15OFGfI/AAAAAAAAXdo/BG-h7RhZElg/s1600/Influencia_do_Jazz480.jpg

No programa "Influência do Jazz" de hoje, abordamos o chamado Jazz Fusion, que é a fusão da harmonia jazzística e improvisação, com outros estilos musicais, como o Rock, Funk, Samba e até o Hip-Hop. O estilo começou com músicos de jazz que misturaram as formas e técnicas de jazz aos instrumentos elétricos do rock aliados à estrutura rítmica da música popular afro-americana, tais como o soul music e o rhythm and blues.

Os anos 70 foram o período mais produtivo para o estilo, embora o fusion tenha prosseguido com uma produção expressiva, sobretudo no final do século XX e início do século XXI, com reedições de álbuns clássicos de fusion e a gravação do estilo por artistas do jazz tradicional.

Os maiores nomes do Fusion estarão representados no programa de hoje, que está simplesmente imperdível. Personalidades como Miles Davis, Herbie Hancock, os Irmãos Michael e Randy Brecker, os grupos Tower of Power, Incognito, Lee Ritenour, Chick Corea Elektric band, o baterista Dave Weckl e muitos outros estarão no programa desta terça-feira.

Não perca! - Hoje, Terça-feira
14hs - Pela Rádio Educadora do Cariri, com transmissão simultanea pela Rádio Chapada do Araripe Internet.

www.radioeducadoradocariri.com
www.radiochapadadoararipe.com

Pau da Bandeira - Por Heládio Teles Duarte

Barbalha: Festa do Pau da Bandeira, uma tradição colonial



Fotos: Heládio Teles Duarte

Postagem diferente - José do Vale Pinheiro Feitosa

Quase é o vocábulo da mais fina desculpa para aceitar-se o imprevisto. Quase todos os números da loteria, apenas um por diferente. Quase ela me ama se não fora naquela festa rave tanta onda rolar. Quase que foi quase e não deu.

Ora acontece! As coisas não dão. Para escrever três textos diferentes para três blogs distintos. Ou quatro ou cinco, como se dedos houvesse para tantos dígitos. Ou o que dizer em tantos desdobramentos.

Desdobramentos é o que não falta o que funciona como uma limitação para o mesmo indivíduo. O desdobramento mais interessante é o que outros fazem. Afinal é muito chato um diálogo interior entre afirmações e negações para que tanto desdobramentos aconteçam. Normalmente a ave pode parir mais de um ovo, o difícil são ovos quadrados ou globosos.
Normalmente as diferenças podem funcionar como painel da diversidade, mas não é incomum que sejam apenas versões do mesmo. Assim como uma música tão do gosto popular que se torna um novo ritmo ou uma nova música da qual tantas versões se compõem.

Versões podem efetivamente enriquecer o conhecimento. O que acontece com elas é que são variações sobre um conhecimento dado. O que nos remete para o fato que uma originalidade num mundo feito de versões, desdobramentos e coisa tais, é coisa rara. Ou melhor, pode nem ser rara, apenas que se torna como um mero centro de tantas irradiações.

Com tantas irradiações retornamos ao quase. Quase, tão próximo, pouca diferença, em torno ou por um triz. É possível tantas vozes diferentes e sem nenhuma repetição, mas é quase impossível pois Gutemberg inventou a prensa, o rádio multiplicou o som, o gravador gravou e a internet universalizou.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Devaneios - Claude / Aloísio

Aloísio

Momento que se vai
Dá o que pensar
Me leva aonde
Eu não vou chegar

Claude

Instante que fica
Aqui, mais além
Instante da trova
Da prosa também

Aloísio

Os meus devaneios
Correm como os rios
Que com seus meneios
Desembocam no mar

Claude

O mar e as ondas
Em seu galopar
Me falam das conchas
da terra, do ar

Aloísio

São sons percussivos
Que por vários motivos
Rasgam meu caminhar
E voltam a se encontrar

Claude

E os passos desfilam
Na morna areia
Ao canto das ondas
Ao sopro do mar...

Claude / Aloísio

sábado



poesia de qualquer jeito
é assim que deve ser
dê no que der
poesia nas ruas do centro
mendigos nas calçadas
a vida por dentro
de vidas reviradas
samba na são joão
no anhangabaú
pandeiro e cachaça
depois só o chão
como última graça
poesia nua e crua:
paredes monstruosas
da cidade nua
mas é preciso olho
tarimbado em caos
mãos de metal
lábios de gelo
sempre mais perto
sempre mais perto
assim meu nego

Comunicamos o falecimento de Dona Valdenora - mãe de Socorro Moreira


.
Hoje uma chama se apagou. Uma chama que brilhava em seu silêncio de amor. Uma luz que se fez mãe. Uma mãe que trazia, em suas mãos, a marca do tempo. Os sacrifícios que a vida lhe fez dedilhar. Mãe de olhar sereno. Mãe de abraço macio. Mãe abnegada.

Dizem que mães são anjos. Que protegem, que olham, que cuidam, que se doam. Um dia, com a missão cumprida, Deus vem levar de volta esses anjos, para que os dias lhe sejam menos dolorosos, para marcar o tempo dessa caminhada pelo mundo e para que este se constitua apenas numa testemunha de sua passagem terrena pela vida.

Mas eis que chega o dia de voltar para o Pai. É um chamado definitivo. A hora de ter de volta em si esse universo imenso, essa certeza infinita e tardia de que somos parte desse todo e que é hora do retorno, do adeus ou da chegada.

E novamente segue esse anjo para outras paragens. Livre. Transparente ser que somos, sob as bênçãos do Pai.

Um abraço filial a esta que foi mãe a vida inteira – Dona Valda ( Valdenora)


Claude – por todos os que fazem o Cariricaturas

Irmã Edeltraut, uma alemã barbalhens​e

Irmã Edeltraut e Heládio Teles Duarte

AGRADECIMENTOS DA AFAC-ASSOCIAÇÃO DOS FILHOS E AMIGOS DO CRATO

A AFAC – Associação dos Filhos e Amigos do Crato, informa aos seus associados e aos caririenses residentes em Fortaleza, que já entregou ao Batalhão do Corpo de Bombeiros em Crato, todo o material recebido como doação para distribuição às vítimas das enchentes no Crato.

Foram arrecadados quase 400 kg de alimentos não perecíveis(perto de meia tonelada), 193 peças de vestuário masculino e feminino, toalhas de banho, lençóis, bonés, meias, cintos e calçados.


A AFAC – Associação dos Filhos e Amigos do Crato agradece a todos os caririenses que nos ajudaram com doações, o grande apoio recebido por parte da AUDITECE - Associação dos Auditores Fiscais do Tesouro do Estado do Ceará, a José Airton Brasil e Amarillo Santana da SEFAZ, a toda a diretoria da AFAC, ao Lyons Clube de Fortaleza e a Casa do Leão, à UNIÃO CARIRI – União das Associações dos Filhos e Amigos do Cariri, ao Corpo de Bombeiros sediado em Crato, Defesa Civil em Crato, ao humorista cratense Luciano Lopes (LUANA DO CRATO) e ao Sr. Arnaldo Lima (músico cratense) e Antonio Mapurunga, Capitão Sobrinho(Corpo de Bombeiros do Crato).

Agradece

A AFAC – Associação dos Filhos e Amigos do Crato
A Diretoria

BLOGDIVERSIDADE - A Beleza dos BLOGS está na Diferença, não na Mesmice !


Amigos,

Se todos os Blogs contiverem as memas postagens, perdem o sentido de existirem tantos Blogs. Fico triste quando vejo uma mesma postagem repetida por 4 ou 5 Blogs do Cariri, a mesma coisa, nem o texto muda, faz com que a gente perca a vontade de ver outros Blogs, de ver sob outros prismas.

O bom mesmo é a diversidade, é um Blog conter poemas que o outro não tem. É ter vídeos que o outro não tem. É ter notícias que o outro não tem. É ter crônicas diferenciadas. É TER CONTEÚDO PRÓPRIO.

Se todo mundo posta a mesma coisa, pra que ter vários Blogs ? Agora, claro, que de vez em quando, quando se quer dar mais ênfase em um assunto importante, se pode fazer um "pool". Ou pode-se pedir emprestado aquela postagem, mas toda hora ?

Parabéns ao Armando Rafael, à Claude Bloc, ao Emerson Monteiro e alguns mais que já entenderam que o espírito da coisa reside na diversidade.

Pensem nisso!

Abraços,

Dihelson Mendonça

Por Causa de Você - Jorge Ben - 1963 - Dihelson Mendonça

Vendo as versões de "Por Causa de Você" que a Claude postou, eu até pensei que fosse a "Por causa de você" do grande Jorge Ben. Para os que como eu preferem a outra música, aqui está na versão original do Jorge Ben, que passou a se chamar Jorge BenJor. Abraços a todos:

domingo, 29 de maio de 2011

Duas Versões de - POR CAUSA DE VOCÊ - The Fevers

Para quem sente saudade...

 POR CAUSA DE VOCÊ - The Fevers






TEMPO


“Como o homem seria desgraçado se não tivesse o dom maravilhoso de imaginar, de fantasiar, de sonhar! O que teria sido de mim se todo eu estivesse amarrado a este quotidiano doméstico e social! Mas não. Desde criança que sei que há um reduto inexpugnável: a clandestinidade do espírito."(Miguel Torga)

Muito tenho meditado sobre o tempo e sua não linearidade. Ora, as coisas são contadas por nós mas esta numeração é subjetiva embora pareça exata. Conheço gente de vinte anos mais travada ou impedida do que alguns de oitenta e seis, tendo meu pai como exemplo. Sei de mulheres que vivem uma relação tão solitária e desamorosa que, só quando esta se acaba, é que começam a experimentar verdadeira experiência amorosa com a vida. Ou seja, pode –se , em uma semana, ou até mesmo num dia , viver uma intensidade , um gozo, uma plenitude emocional que os trinta anos anteriores não foram capazes de proporcionar. Há assuntos nos quais me sinto com 5 anos de idade, outros, 180, noutros, um mês. Se para se mudar uma vida basta um dia, esta é única compensação que temos para o inevitável tempo perdido. Minha estratégia é alinhar-me a ele, ao implacável Tempo rei, sabedora de que ele não para e não espera ninguém. Tento ir junto, saboreando o presente, criando alternativas que o otimizem e me adiantem umas “casas” nos departamentos onde o perdi.
Lembrei –me agora de uma vez, no interior do Espírito Santo, em que conheci um lavrador a quem pedi informação e ele, atencioso, seguira ao meu lado pela estrada de terra, para me deixar no destino que eu queria naquela zona rural. O sol da tarde calma, nosso passos e a conversa rolando. Como o é o nome do senhor? Ah, minha fia, meu nome é Rosa. Que bonito, tipo Noel Rosa, Guimarães Rosa, o seu é como? O meu é Rosa Maria. Meu deus, nome de mulher! E o pessoal não ficou de chacota com senhor não? Nada minha fia, é que minha mãe teve nove filhos. Tudo menino-home. Quando chegou na minha vez, que eu sou o último, a parteira falou que mais um que ela tivesse ia virar anjo, porque ela já estava de ventre cansado. Ah, ela não duvidou e falou: “ não quero nem saber, seja home ou mulher, o que sair daqui vai se chamar Rosa Maria. Sempre quis uma filha só pra botar este nome!.” E assim foi, minha fia, era eu e é meu nome. Eu gosto sabe, acho bonito ter nome de flor.
Fiquei olhando aquele homem lindo, muito preto , a pele do corpo sem camisa reluzia fina sobre a musculatura definida pela malhação na lavoura diária. Deve ter uns setenta anos, pensei fixando meus olhos nas mãos calejadíssimas. O cabelo começando a embranquecer na frente a raiz. Quanto anos o senhor tem seu Rosa? Ih, minha fia, agora ocê me apertou sem me abraçar. Ocê sabe que eu não sei?! Então porque o senhor não pergunta à sua mãe. Num cunhici, ela morreu no parto. Depois meu pai até falou de trocar meu nome, mas foi enrolando e não quis trair a vontade dela, né? Mas eu não sei mesmo minha idade. Mas o senhor não faz nem uma idéia assim mais ou menos? Quantos anos o senhor dá pro senhor? Ah, eu já tô aí beirando os quarenta, ou cinquenta, por aí.
Me enterneci. Não tinha importância o código. Não interferia no seu roteiro, não era decisivo no tema da felicidade. Os olhos de Rosa Maria seguiam sorridentes entre a verde mata do norte capixaba e eu encantada ao lado daquela entidade, aquele preto velho com postura de carvalho. Seu Rosa Maria impunha respeito pela sua extrema felicidade e a mim, especialmente encantava por colocar esta subjetividade simbólica numérica no seu devido lugar. Quase chegando na fazenda aonde eu ia, ainda insisti: Será que não há um jeito de o senhor saber ? Óia ,minha fia, tem sim. Diz que lá par cima , ali pertinho da Serra da Boa Vista, mora um que nem eu assim, que eu mamei na mãe dele. Então eu penso em falar com ele e pela idade dele tirar a minha, porque eles falam que nós mamamos na mesma época. A mãe dele inda tá viva. Não é de hoje que tô pra ir lá perguntar a véia, menina, mas cadê tempo?
(Elisa Lucinda)

FONTE: http://www.escolalucinda.com.br
Imagem captada do windows

Luciano - José do Vale Pinheiro Feitosa

O maior sinal da presença de algo vivo, especialmente se um animal, é a modificação que exerce no espaço em que habita. Seja este espaço um local de sedentarismo ou um de caça, colheita ou trabalho. Sendo que as duas últimas são inerentes à humanidade.

Pois Luciano, um Paraibano de Solânia, é a expressão máxima daquela observação. Não mais do que um 1 metro de 66 centímetros, o homem aí dos seus 46 anos, conversa pelos cotovelos. Mas não é balbucio de coisa qualquer. Luciano faz platéia, tem um coletivo de amizade que passa lhe cumprimentado ou se torna freguês da sua barraca de vender coco verde.

Logo depois da curva do Calombo, sentido Túnel Rebouças-Ipanema, na Lagoa Rodrigo de Freitas, numa área em que o terreno desce para a baixada que tem início no arco em frente ao Corte do Cantagalo. A barraca do Luciano fica logo no início desta baixada sob frondosas árvores, próximo ao gramado e a área em volta dela, com mais de mil metros quadrados, sempre está absolutamente limpa.

Não é incomum nas manhãs iniciais de sua atividade ver o Luciano lavando o asfalto da região com algum detergente para retirar o cheiro do xi-xi de cães que levam madames e cuidadores a passear. Tudo absolutamente varrido e nenhum detrito que escape da atividade do paraibano deixa de ir para as lixeiras que espalha para os seus fregueses.

Muito antigamente chegava antes das seis horas. Tinha um senhor que passeava com seus animais que o esperava para dar água de cocô aos referidos. Estes quando viam Luciano descer do ônibus de onde chegava, de São Cristóvão, corriam para ele, abandonando o dono: o homem dos cocos era mais importante.

Mas hoje, com a idade, tem evitado a hora. Especialmente nos feriados e domingos: é dia de assaltante. Pouca gente andando na Lagoa naquela hora torna Luciano o alvo dos malandros que só levam o que levam por que ameaçam. Luciano já levantou facão para o ar como a dizer que tinha arma. Já se afastou do local por observar dois homens assuntando a oportunidade de levar-lhe o que tinha de troco.

Ali na barraca dele tudo é limpo e o incrível do mistério: Luciano olhando para a casca do coco verde, como um leitor de búzios, traduz qual é doce e qual não é. Ele escolhe seus cocos com o fornecedor seguindo tais critérios de quase adivinhação que só não é, pois acerta todas. Como é que você descreve este método? Ele pega dois cocos e diz: não tem como descrever eu sinto olhando para a casca dele. Abre os dois e traduzem o que disse quando a água ainda estava escondida.

Antigamente um coco pagava outros sete, mas hoje, a economia está mais estável: um coco paga dois e meio. Convenhamos, sempre existirá o problema de escala para dar sustento a Luciano, mas com uma margem de lucro desta, incluindo o gelo e o trabalho dele, é uma margem e tanto e o homem tem uma vocação espetacular para atender ao público.

Se todos os atendimentos que existem no mundo fossem daquele modo, a sensação de bons serviços seria fundamental. Olhem que esta coisa não é verdade nem com os médicos que são aqueles humanos que atendem outros em sofrimento. Tem doutor que é tão preguiçoso quanto um porco esparramado na umidade ou seus olhos brilham tantos cifrões que lembram uma cornucópia jorrando.

O general Inverno - Emerson Monteiro



Assisti recentemente ao filme Guerra e Paz (1957), superprodução do diretor americano King Vidor, com Henry Fonda, Audrey Hepburn e Mel Ferrer, dentre outros destaques, que aos dez anos vira pela primeira vez no Cine Moderno, em Crato, bem cuidada e rica montagem cinematográfica do célebre romance de Leon Tolstói, obra imorredoura da literatura universal.

Aprendemos que bom é reler; e, no caso dos filmes, rever. Atualizar a leitura de peças antes conhecidas, quando, então, desaparecerá a ansiedade em conhecer o final, e se mergulhará na interpretação dos detalhes com visão mais ampla e apurada no tempo.

Depois disso, a trama romanceada nos personagens russos das guerras napoleônicas impõe sua força ao decorrer dos acontecimentos, mostrando capacidade extrema daquele povo de resistir aos desafios de sua história. A beleza exótica de Audrey Hepburn domina o papel de Natasha, personagem ingênua, contraponto ideal para mundos em conflito, a inocência original que nutre de ânimo os vencidos. Enquanto que o senso crítico de Pierre (Henry Fonda) conduzirá testemunho do contexto em queda livre diante do inesperado, formulando meios de superar o imperfeito.

Mas o que toca na essência do drama significaria a destruição das tropas francesas em retirada convulsa, vítimas da eficiência do general Inverno, com o que não laborou Napoleão Bonaparte no ímpeto das conquistas, vendo-se em condição de fragorosa decepção, ao furor das baixas temperaturas, da fome e da neve, dizimando preciosos efetivos. Esta lição Hitler não aprenderia, lá na frente, quando jogou os alemães a circunstâncias parecidas, no mesmo território, amargurando a maior derrota das campanhas nazistas aos custos, inclusive, de rendição humilhante na Segunda Grande Guerra, mérito do bem sucedido general Inverno.

Recordo, na fleuma dos soviéticos perante a dor, sua busca pela transformação socialista que propôs e que redundaria no fracasso de 70 anos de vivências do recente século. Com a fibra heróica da civilização milenar, o sonho justo e igualitário ver-se-ia por terra, face às humanas limitações em realizar a perfeição nos grupamentos comunitários. Eles, os russos, chegaram longe nesse projeto de transformação social, contudo haverá longo percurso pela frente até a concretização plena da solidariedade e da paz em termos coletivos, porquanto, no íntimo, o egoísmo ainda impera e detém a consciência das massas. Sem o aprimoramento real dos indivíduos jamais se chegará à verdadeira fraternidade neste chão, pois.

Nossas estradas, que pesadêlo! O DER existe? - Por Heládio Teles Duarte

Foto: Heládio Teles Duarte

sábado, 28 de maio de 2011

FALANDO DE MIM

Segredos guardados
Momentos de mim
São guerras eternas
Angustias internas
caminhos partidos
em fogo cruzados
segredos fadados
desejos enfim


Amores mentidos
em vão repartidos
sem ter amanhã
dilui-se com o dia
em meio à utopia
tão vaga, tão vã
em tragos,
em rastros
zumbidos assim.

É que à noite costumo
agir sem razão
espalho Sem rumo
sem medo e sem prumo
a tudo enfim
amor, coração...
Me arrimo aos abraços
e espalho pedaços
Das luzes de mim

WILTON DEDÊ

Cores fortes número dois - Emerson Monteiro

A incerteza desses pensamentos desce buraco adentro do peito, num mergulho de cascalhos rolando através dos rios da alma. Restos de culpa, espécie de só saudade abandonada em gestos incertos, angústias, muitas angústias que se acumularam visguentas pelas bordas metálicas do cérebro das mentes aflitas, como os derradeiros sentimentos das vidas inteiras. Postas de manhãs ensolaradas rebrilham, pois, sobre as lajes frias do quintal e o tudo e o nada se entrelaçam familiares, na forma dos velhos jornais rolando no vento úmido. Terços, tropeços entre os dedos, firmam as orações da véspera num apelo sincero rumo do desconhecido; cantigas travessas de horas agradáveis lá perdidas no passado neutro. Sim, são as lentas visões dos mesmos momentos que repetiram sensações do incontido de querem cruzar as pontes destruídas, voltar a impossíveis pastos de antigamente.
Vontade poderosa de sobreviver a qualquer custo conta valores imensos, porquanto ninguém andou nas jornadas ao Paraíso antes de amargurar dores atrozes do desencanto. O esforço sobre-humano de transcender o ritmo monótono das ondas que repetiram a história do tempo força extrema de continuar a passos lerdos sem, contudo, saber aonde seguir. Viver por viver ao sabor dos acontecimentos.
Essa doce amargura nos dentes do coração. Flores apagadas e fios invisíveis nas trilhas das aranhas tresmalhadas. Gosto de ausência de não ter tamanho impulsiona avançar e permanecer no outro lugar de sempre.
Os olhos ardendo com as chamas da noite veem a paisagem dos matos enviesados, no quadrado permanente dos territórios minados. Tons de verde, laivos de rosa nas plantas silvestres inundadas de sol. Pássaros tardios, raros pássaros que insistem silenciosos permanecer. Nessas impressões de claridade, o estio traz algumas formigas e o alimento que transportam à luz do dia, sinal de mais chuva que virá.
E nas caves profundas do eu, gotas puras de orvalho transbordam pelas gretas o furor, fervilhando íntimas vozes assustadas e doloridas. O baque surdo, que o ser inflama, aumenta a solidão do insofismável. Louvores de tropel perguntam e rápido somem sem respostas. Cachoeira de líquidos invade os ouvidos, abafam o grito dominado e percorre as fronteiras do desejo.
Em quantas naves lançarei o meu destino? Pedaços de mim andam soltos nas quebradas vazias, portos fechados e mapas rasgados, que sacolejavam tremores de eras escondidas nas dobras do desespero.
Ruínas acinzentadas deixam ver as poucas feras que ali pastavam entre si caladas e fiéis ao firmamento, que, nas alturas eternas, insiste permanecer, domando a multidão dos horizontes sucessivos que deu na bola de cristal e guarda em si inevitáveis painéis do Universo esplendoroso.

Cleilson Ribeiro:Em Breve Lançamento de Um Grande Livro-Wilson Bernardo.

Um dos maiores poetas do Cariri e porque não dizer do Brasil,lançara em breve um de seus grandes livros de poemas.Eu tive a felicidade de fotografar e fazer a capa do seu livro,e afirmo é com certeza um dos melhores livros de poemas que eu já li.Grande luz espiritual para um grande poeta Cleilson Ribeiro,que é Professor de literatura e compositor.

             Do equilíbrio

O equilíbrio
a escolha
o insulto
como subterfúgio,
e distende seu bigode íngreme
dentre farpas e horizontes engaiolados.
Sua língua
sua sargaços contidos
na tensa vastidão da geometria do medo.

 No estômago,
não guarda claridão alguma,
mas auspicia o remorso de um pássaro
em repouso,
planejando derreter
os resíduos da linguagem
dos caminhos.
Cleilson Ribeiro

Fotografia e capa do livro:Wilson Bernardo 

É preciso mudar esse quadro - Por José de Arimatéa dos Santos

Nesses dias os problemas da educação vieram mais uma vez a tona com o vídeo da professora Amanda Gurgel do estado do Rio Grande do Norte em que ela na presença de autoridades educacionais e políticas, discorre sobre as mais diversas situações vividas pelos professores. Situações vexatórias que só quem está em sala de aula pode comprovar. É sabido mais do que nunca que a educação é prioridade dos políticos, nas campanhas eleitorais. Eleitos, pouco ou quase nada é feito para mudar essa situação.
Já passou da hora para resolver os graves problemas da educação nacional. É necessário colocar em prática políticas de valorização e respeito ao professor. Todos os países desenvolvidos são calcados numa boa educação. Como o Brasil quer se inserir, a médio prazo, no clube dos países desenvolvidos se as escolas estão sucateadas e as crianças muita das vezes até agora não tiveram aula de matemática e outras disciplinas, em muitas escolas, por falta de professor? Isso é que vemos na mídia diariamente. O país gastará fortuna para realizar a Copa do Mundo e a Olimpíada. E a educação como fica?
Um outro olhar deve combinar o desenvolvimento com educação para todos. Ao melhorar a educação dos nossos jovens, automaticamente o país é elevado a melhor patamar no ranking do crescimento mundial. As condições de vida do brasileiro melhoram e cada cidadão passa a ser mais crítico em relação aos acontecimentos de todo dia. A cidadania se manifesta de forma mais contundente e o brasileiro passa a exigir a resolução dos problemas. Tudo isso passa pela escola.
Só que tudo isso depende também da luta dos professores por melhores de condições de salário e trabalho. Pressionar nossos representantes políticos para investir mais dinheiro e de forma responsável nas escolas para não faltar professores ou merenda escolar. A pressão dá resultados. Mais organização na luta e nos objetivos são pressupostos para conseguir melhores condições. Por fim, é necessário mudar esse quadro.
Memórias
Claude Bloc



Me abrigo no silêncio
de tua ausência
e apenas sinto o frio
do teu não estar
Não sei de que falam
as palavras ditas/não ditas
Apenas deito-me
no silêncio que deixas
Esse silêncio
em que me sento
em que perco
em que me arrumo.

Só depois sossego
e me ponho a [des]arrumar essas lembranças
e [des]ordeno os sons dessa saudade
e me [des]faço nas minhas memórias
de/por ti.

Claude Bloc

sexta-feira, 27 de maio de 2011

PUPILAS DILATADAS - José do Vale Pinheiro Feitosa

Um colírio para dilatar as pupilas. E mesmo de olhar embaçado eram duas janelas que davam para a escuridão que existe dentro de mim. Como visão indistinguível, aquelas duas escotilhas das pupilas abertas diziam mais que objetos escondidos.

O interior que acumula as impressões do mundo e das pessoas pareceu-me não revelar as impressões que nele nascem. Um mundo, das pupilas observadas, tão sem separações de sólidos e, no entanto, carrega um sentido para todas as impressões que nele chegam.

É que naqueles dois pontos escuros, que ocuparam o espaço da íris castanho claro, havia um universo de milhões de minutos a girar fantasias, sonhos, pisadas no solo firme e braçadas nas águas do revolto mundo. No interior das pupilas não acontecia o espelho do mundo anterior, mas a película em milhares de quadros que junta uma narrativa contínua e guardada.

Nas clarabóias das pupilas dilatadas, tudo era turvo, como um impedimento a priori. Mas a observação demorada revela outra coisa: a efervescência na fronteira entre o interior e o exterior. Como um rio que entra no mar e turva suas águas. Ali acontecia o batear das ondas entre eu e o mundo.

O choque que transportava a turbidez do espaço observado era a morte simultânea do mundo e de mim como tela em branco. Naquela fronteira turva o mundo tem sentido e reescreve os achados retocáveis do tempo que o meu interior inventa. Ninguém é mais puramente um ser no limite de sua própria metafísica.

No entrechoque do mundo e do interior das pupilas dilatas o ser é reinterpretado de um modo tão completo que sofre uma fuga como numa sinfonia. Simultaneamente o mundo amplo e fundamental, ontológico, deixa de sê-lo para adquirir nuances do contributo do interior escuro das pupilas sobre os quais de pronto nada tinha a dizer e, no entanto, era tudo o que tinha para dizer.

Hello !


Defronte do Copacabana Palace, no Rio, no domingo dia vinte e dois de maio, uma multidão olhava para a janela da suíte presidencial, quase a quebrar o pescoço, esperando pelo aparecimento, por um mínimo instante que fosse, do seu ídolo. A turba formava-se por muitas gerações : bisavôs, avôs, filhos, netos. Uma senhora, passando pelo calçadão, arrastando seu poodle estranhou aquela atitude. “Um bando de gente desse, olhando para cima, como bestas, esperando o quê? Outro besta aparecer lá em cima?” Um rapazinho de uns vinte e poucos anos, fita-a seriamente e diz:

--- Minha , senhora! O que é isso? Respeite a religião dos outros! Se a senhora soubesse que Jesus estava hospedado aqui, não estaria ajoelhada neste calçamento? Pois ali em cima se encontra meu deus! Respeite a minha religião!

Pertinho, um outro rapazinho conversa com amigos e informa que não vai dar mais para esperar. Tem que ir para o Engenhão, render alguns amigos que estão na fila e precisam almoçar. E diz: “Estamos acampados lá desde quarta-feira, queremos ficar pertinho de Paul!”. À noite, no estádio, uma fila quilométrica aguardava a abertura dos portões. Pessoas de todas as idades estavam prontas a suportar mais de nove horas em pé, deslumbradas e anestesiadas com possibilidade de, após a maratona, estarem pertos, num show inesquecível, de São Paul McCartney de Liverpool. Avós, filhos, netos, das mais variadas regiões do país – umas quatro gerações --- ali estavam firmes e fortes. Alguns já tendo feito igual peregrinação nos shows anteriores de São Paulo, Porto Alegre e Buenos Aires. À nossa frente, uma senhora testemunha dos dourados anos sessenta, nos disse ter comprado ingressos para vir ao show daquele domingo e da segunda-feira. Passadas as longas seis horas aguardando o ídolo, uma platéia aparentemente estafada simplesmente ressuscitou quando Sir Paul apareceu no palco, com sua banda competentíssima e, sem muitas pirotecnias, sustentou um inesquecível Show de três horas. É que todos, totalmente reconfortados, assistiam à sua frente um show não de Paul mas do “The Beatles”.

Em pleno Império do Efêmero , pus-me a pensar: o que dá a uma obra tintas de eternidade? Ali estavam quatro gerações comigo, não de apreciadores da Banda, mas de Beatlomaníacos! Como aquilo era possível, se a primeira e mais primal atitude dos jovens é jogar no lixo tudo o que a geração anterior apreciou? Em plena era do Forró de Plástico, do Breganejo, do Axé Insosso, onde o sucesso dura no máximo alguns dias e as bandas nascem e morrem numa velocidade estonteante, como explicar a perenidade e a blindagem dos Beatles?

Queóps construiu sua pirâmide dois milênios e meio antes de Cristo.O faraó ergueu sua tumba gigantesca esperando ali ficar aguardando a ressurreição, ou seja moveu-o a busca da imortalidade. No fundo, toda obra de arte é uma nova pirâmide feita pelo artista, na quase sempre inglória tentativa de com ela driblar a morte e o esquecimento.A possibilidade quase que única de sobrevivermos de alguma maneira ao desaparecimento físico inexorável. A música que se faz hoje, quase sempre, na sua volatilidade, nada tem de ritualística e nem pode pretender ser arrolada como Arte. São casas de adobe, sem alicerce, para o pouso temporário e incerto de alguns. Feitas para o entretenimento daquele instante, daquele momento específico, rui como por encanto à primeira neblina. Sequer os bordões permanecem: “minha eguinha pocotó”, “minha mulher não deixa não”, “Ah, eu tô maluco!”

As tintas da eternidade são perseguidas por todos os artistas e, no fundo, é o moto-contínuo do seu fazer artístico. Mas não basta querer a permanência simplesmente. Nem mesmo a qualidade inequívoca da obra reconhecida hoje lhe dá, a certeza da permanência. Alexandre Dumas foi o mais reconhecido escritor da sua geração, assim como Anatole France e, nem por isso, a vivacidade das suas obras resistiram totalmente ao impacto do tempo. Balzac e Baudelaire, bem menos incensados enquanto viveram, criaram uma vitalidade impressionante com o passar dos anos. Além da qualidade temporal imprescindível da obra de arte, essa necessita de alguns outros atributos para as banharem de eternidade. Faz-se mister genialidade. O grande artista é sempre um visionário e consegue imprimir um profundo ar de atemporalidade naquilo que faz. Tantas e tantas vezes passa totalmente despercebido por seus contemporâneos, simplesmente porque pinta na tela do hoje utilizando as tintas do futuro.

Se a impermanência é o atributo mais palpável do reino animal, rescendeu um ar de eternidade , de divino quando Paul subiu ao palco do Engenhão no domingo. Como se todos estivessem diante da pirâmide e de lá saísse um Queóps redivivo dizendo Hello! e nunca, nunca mais, Good Bye!

J. Flávio Vieira