Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

sábado, 18 de dezembro de 2010

O Fado - José do Vale Pinheiro Feitosa

As línguas modernas, especialmente as ocidentais, são filhas da modernidade e da era pós-medieval. Um condão as liga de algum modo por que a ciência e a filosofia, além do cristianismo, adotaram o latim e o grego como guia para juntar os tempos. Por isso o Inglês não se compreende sem os EUA, o Castelhano sem a América Latina e o Português sem Angola, Moçambique e Brasil.

Por isso é que o Brasil por sua natureza confluente dos povos de quase todos os continentes representa algo diferente. Algo sincrético, não apenas os guetos étnico de países por aí. Aqui as coisas se misturaram. Estamos na origem de muito mais coisas que nós mesmos nem sabemos.

O Fado tem muito da modinha e do Lundu, que fez Tinhorão abrir uma bela polêmica com intelectuais portugueses. É claro que o corpo do Fado é Português, mas não deixa de ser brasileira a sua alma. O mesmo se diz de outro grande tema, esse mais internacional e com mais forte impressão sobre a cultura do século XIX e XX, que é o tango Argentino. Os brasileiros têm muito com o tango.

Mas o Fado vai além da frase terminal: este canto langoroso com que certo modismo gosta de passar a régua. O Fado sempre esteve muito presente nos momentos de lazer musical. Nos anos 60, Francisco José, se tornou quase que um cantor de sucesso brasileiro. Mas o fado é belo demais. Tem muito daquela nesguinha de terra pendurada nas bordas da Europa e que viu tantas almas sumirem nos mares. Tantos navegares de separação, de adeus e do final em vida do amor e da amizade.

O fado é a canção de um povo fértil cujas crias, como os italianos, não couberam no seu chão. E quantos pais e avós nunca souberam o destino de seus rebentos a cruzar os mares para fazer histórias jamais contadas na origem. Histórias que se tornaram verdade de outro lugar, em outros povos.

Fiquem com os fados. Apresento quatro significativos e que reproduzem as coisas que falei. Prestem atenção no Carlos Ramos e na letra deste triângulo amoroso. Ouçam Amália Rodrigues a dizer o que é o Fado, Tristão da Silva a olhar os barcos do seu naufragar e finalmente Chico José com seu conhecido Olhos Castanhos.


video

Caros Ramos: Não Venhas Tarde


video

Amália Rodrigues: Tudo isso é fado


video

Tristão - Aquela Janela Virada P´ro Mar


video

Francisco José: Teus Olhos Castanhos

Andar a pé

Desporto e Natureza

Andar a pé

Simples, prático e eficaz!

Ainda alguém duvida que andar a pé faz bem à saúde? Na verdade, o andar a pé tem “acelerado” o passo nos últimos anos, sendo cada vez mais popular nas sociedades desenvolvidas A explicação é muito simples. É fácil de praticar e não requer nenhum tipo de equipamento especializado, o que o torna bastante económico e acessível. Para além disso, pode ser feito por pessoas de todas as idades e condições físicas, mesmo as mais debilitadas.

Não sendo um desporto que requer o cumprimento de rigorosos pormenores técnicos, pode ser encarado com alguma descontracção, fazendo-se acompanhar, por exemplo, do seu leitor de música. O espaço físico e a ocasião também não constituem problema, pois a qualquer hora do dia poderá fazer andar a pé. Com ou sem companhia, no trabalho, na rua ou num jardim próximo de casa, esta é forma mais simples de exercício.

Benefícios para a saúde
Andar a pé traz sensivelmente os mesmos benefícios do que um programa de corrida, mas com um impacto menor no solo, o que diminui consideravelmente o risco de lesões nas articulações. Naturalmente, os membros inferiores são mais exercitados que os superiores, mas o principal beneficiado é o seu coração. Não existe um ritmo ideal de marcha, por isso o importante é que o passo seja suficientemente forte para aumentar a frequência cardíaca, durante 30 a 60 minutos.

Para além de prevenir doenças cardiovasculares, 30 minutos diários bastam para ajudar a prevenir a diabetes, hipertensão, osteoporose e melhorar consideravelmente a sua capacidade respiratória e o fortalecimento muscular. O sistema imunitário é também estimulado, aumentando os níveis de energia do corpo. E é claro que à noite irá sentir um saudável cansaço, e dormirá muito melhor.

O Padeiro - Por Rubem Braga

Levanto cedo, faço minhas abluções, ponho a chaleira no fogo para fazer café e abro a porta do apartamento - mas não encontro o pão costumeiro. No mesmo instante me lembro de ter lido alguma coisa nos jornais da véspera sobre a "greve do pão dormido". De resto não é bem uma greve, é um lock-out, greve dos patrões, que suspenderam o trabalho noturno; acham que obrigando o povo a tomar seu café da manhã com pão dormido conseguirão não sei bem o que do governo.

Está bem. Tomo o meu café com pão dormido, que não é tão ruim assim. E enquanto tomo café vou me lembrando de um homem modesto que conheci antigamente. Quando vinha deixar o pão à porta do apartamento ele apertava a campainha, mas, para não incomodar os moradores, avisava gritando:

- Não é ninguém, é o padeiro!

Interroguei-o uma vez: como tivera a idéia de gritar aquilo?

"Então você não é ninguém?"

Ele abriu um sorriso largo. Explicou que aprendera aquilo de ouvido. Muitas vezes lhe acontecera bater a campainha de uma casa e ser atendido por uma empregada ou outra pessoa qualquer, e ouvir uma voz que vinha lá de dentro perguntando quem era; e ouvir a pessoa que o atendera dizer para dentro: "não é ninguém, não senhora, é o padeiro". Assim ficara sabendo que não era ninguém...

Ele me contou isso sem mágoa nenhuma, e se despediu ainda sorrindo. Eu não quis detê-lo para explicar que estava falando com um colega, ainda que menos importante. Naquele tempo eu também, como os padeiros, fazia o trabalho noturno. Era pela madrugada que deixava a redação de jornal, quase sempre depois de uma passagem pela oficina - e muitas vezes saía já levando na mão um dos primeiros exemplares rodados, o jornal ainda quentinho da máquina, como pão saído do forno.

Ah, eu era rapaz, eu era rapaz naquele tempo! E às vezes me julgava importante porque no jornal que levava para casa, além de reportagens ou notas que eu escrevera sem assinar, ia uma crônica ou artigo com o meu nome. O jornal e o pão estariam bem cedinho na porta de cada lar; e dentro do meu coração eu recebi a lição de humildade daquele homem entre todos útil e entre todos alegre; "não é ninguém, é o padeiro!"
E assobiava pelas escadas.

Texto extraído do livro:
Para gostar de ler, Vol I -Crônicas . Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e Rubem Braga. 12ª Edição. Editora Ática . São Paulo.1989. p.63 - 64.


Mensagem de Natal - Colabroração de Altina Siebra

Brasil 2011 em frente - segunda parte- Por Luis Eduardo


Qual o ideal nacional? Qual o objetivo nacional? Nós brasilidade ‘pensamos’ mesmo? O domínio burocrático, ideário que temos seguido, é o ideal nacional? Salários públicos de dezenas de milhares de reais, mais comissões, presentes e incentivos para alguns, os famigerados apaziguados políticos, e salários mínimos de 510 reais, com atualização de 10 reais no ano para a imensa maioria? Que administração pública brasileira é essa?

Podemos ser o “celeiro” de alimento e saúde do mundo? Precisamos trabalhar para isso, nós país de tantos “feriados nacionais”. Em meio ao trabalho, somos tentados (pela tevê) a “beber com moderação”, praticarmos opções sexuais, nos divertirmos nos shoppings e a bem empregar o dinheiro, na especulação parasita. Onde vamos assim?!

As verbas públicas são privadas dos funcionários públicos graduados de confiança? Os tais tantos feriados têm a função de encherem os circos das tevês, e mais entupimento do povo de “bebida com moderação”? As greves dos funcionários públicos são contra quem? E os apaniguados da política, os carreiristas dos balcões de negócios legislativos, executivos e judiciários? Quem paga as contas de tantos disparates nacionais?...

A educação será que resolve isso? A educação resolve isso! Ela externa a natureza inata boa natural das pessoas, ao submeter seus instintos bestiais à intuição divinal, enquanto a instrução constrói o ideal em seu interior. A educação primordial é no lar; a fundamental, escolar. Essas preparam para o nível superior, na comunhão social. Somos cidadãos, preservamos o público, recolhemos o papel que o descuidado deixa cair na rua? O trabalho voluntário pode garantir a limpeza da cidade, por consequência, favorecer a de seus habitantes.

A educação trará a paz e a harmonia social ao despertar o respeito inato das pessoas pela Vida – dos semelhantes humanos, dos animais e minerais –, e as incentivará a reunir suas capacidades às de outros para projetarem, e construírem, maiores e melhores empreendimentos para a sua riqueza e da comunidade. Treinados na elaboração das ideias, irão certamente de novo projetar, dessa vez instruirão os representantes políticos eleitos para as curas da sociedade, ao mesmo tempo que melhorarão a forma da organização social para que a liberdade finalmente habite-nos, e às nossas vidas.

Além de voluntário, altruísta, o trabalho pode ser cooperativo, de autogestão coletiva, ou forçado e explorador aberto – de escravos – ou disfarçado – de assalariados . A distribuição econômica comunista dá acesso livre, a socialista é da propriedade e controle coletivos, e a capitalista, da propriedade privada ou estatal.

A sociedade atual, da produção e consumo forçado de mercadorias, deve ser revista, em direção à liberdade humana, por meio do estágio coletivo socialista? As agoras, as assembléias gerais clássicas para a discussão, por todos, dos casos que dizem respeito à comunidade, será que não é mais que hora de as recuperarmos, para que a criatividade coletiva nos reorganize a vida social para vida comunitária? A internet ajuda nisso, talvez seja essa a sua função mais nobre. Os problemas são muitos, gigantescos, gravíssimos, e já entraram em nossas casas, estão em nossas salas, a nossa frente.

Luis Eduardo

1.Ken Knab, A alegria da revolução, e-book www.geocities.com/projetoperiferia. # luisedsilva@gmail.com

Brasil 2011 em frente- Por Luis Eduardo



Pela primeira vez, em nosso País, uma presidenta é sucessora, bancada pelo presidente mais popular Lula. A intuição feminil, de equilíbrio interior, pode ser a cura, independência e aumento da autoconfiança nacional. No contexto moral e político atual, será? A política tem realmente expandido a moral, sua função principal?

É necessária uma preparação especial do povo brasileiro, que precisa ser corrigido do egoísmo insensato saqueador para o altruísmo virtuoso cooperativo. Preciso dar exemplo de amor à Vida e respeito à Natureza para a cura do mundo. Egoísmo é presunção tola, doentia. Altruísmo, abnegação confiante. Ao invés da suposição sem juízo, sermos desprendimento modesto. “A modéstia cria o sucesso; o homem superior conduz as coisas à conclusão”.São orientações do I Ching sábio chinês. A cooperação é o agente confraternal de enriquecimento, físico e emocional, da vida comum.

As mazelas sociais se estampam: crianças abandonadas fumam crack pelas ruas, seviciadas e abusadas. – Como seus pais não foram amparados pelo Estado, orientados, nutridos e encaminhados responsavelmente? – A maior dívida brasileira, Sua Excelentíssima Presidenta Dilma cuidará disso prioritariamente, com certeza. – A manchete do Correio Braziliense de Brasília (DF), Sexta-feira, 17 de dezembro de 2010, traduz: “Farra dos salários contamina esplanada ”; “O trem natalino de Rosso para o GDF ”... E as caras de suas excelências riem negligentes, entorpecidas de mundanidade... diante do sonotonto consumista de hedonismo narcisista neurótico contribuinte brasileiro; de novo... Adultos abandonados reviram as lixeiras da Capital atrás de restos de comida, na foto, em franca disputa com ratos e baratas. Tal barulho ensurdecedor não acordou ainda os sentimentos nacionais. – Será que não sabemos que a colheita do nosso plantio leviano é múltipla, multiplicada, até o último grão, centavo?

A terra nacional cercada em latifúndios absurdos, sistematicamente envenenados pela negociata agronegocial...? A terra é sagrada, esquecemos? O alimento das pessoas produzido com sementes transgênicas desnatura contaminado de venenos agrotóxicos? A “civilização” de asfalto plastifica a Terra e não a deixa respirar. Loucos estúpidos! Nos pergunta o assombrado extraterreno, ao nos visitar.

O povo bem orientado dá todo o suporte à Administração Pública para que a mesa comum seja pura, orgânica, saudável. Acordemos! Alguém que a encontrar, pode alertar a presidenta? Sem agrotóxicos, pensamento leve, menos drogas, assassinatos, acidentes, insanidades, corrupções. Grupos de pessoas dispostas ao trabalho, enquanto isso, originam “empresas sociais” criativas, com o incentivo estatal. É sensato esperarmos se acabarem os seus problemas, agora empreendedores, alegres, enriquecidos.

A feminilidade – beleza; amor; maternidade; sabedoria – rica interna e externa, espiritual e materialmente, enfim no poder do País. Doadora e receptiva, criativa e fecunda, compreensiva, plena, amante, soberana e abundantemente vidente, como resolverá tanto trabalho que se apresenta, sob o domínio burocrático? Podemos ser o “celeiro” de alimento e saúde do mundo – o oráculo vigia.

Luis Eduardo

Esplanada dos Ministérios.
Rosso é o atual governador do Distrito Federal, que sucede o ex-governador Arruda, substituído em meio a uma avalanche de escândalos estupidarrões, descobertos nas investigações da operação policial “Caixa de Pandora”.

Para Aloísio - Do amigo secreto

Aloísio,

Hoje não deu tempo fazer o poema
que faz jus a você, Mas passso para
lhe desejar boa noite e dizer que sinto-me
honrada em tê-lo como amigo secreto, que
não é mais oculto, por um lapso cometido por
mim, sem querer.Mas acho justo continuar en-
viando mensagens. Afinal, o tempo está para se
enviar mensagens iluminadas de alegria.

Grande abraço.

Mulheres cratenses nas comemoráções do centenário de Noel Rosa






Jeania e Zélia Moreira
O olhar musical da nossa Norma Hauer



Quem foi continua lá, com o coração pregado num samba antigo de Noel

Que Zélia nos traga maiores detalhes.
Disse-me que conheceu várias musas da MPB, inclusive a " Falsa baiana", e "Lígia".
O mundo é pequeno !

Diálogo poético : mãe e filho.


Você


"Se enterrar na areia sem usar as mãos,

felicidade sem olhar pro chão,
ter certeza sem o mínimo de razão.

Olhar as estrelas e ver você,
medo, amor, felicidade,
paixão para cada estrela,
no céu uma emoção."

(Lorenzo Alfaro)

http://www.lorenzoalfaro.blogspot.com/


Amar-
Sentimento imutável no tempo
séculos atrás e na frente,
emoção de mãe de pai de gente,
fonte inexaurível, milagre nascente,
dor e alívio que eleva o espírito e a mente.

Gabí

Dr. Heládio, valorizando nossa arte!

E com grata satisfação que anuncio aqui a venda do quadro: FLORESTA DO ARARIPE.



Quem me deu a honra de adquiri-lo, foi o Dr. Heládio Teles Duarte, um fino apreciador da nossa arte, a arte do artista caririense.

Dr. Heládio presenteará a sua filha residente em Brasília.

Valorize o que nosso, você também!
Visite: www.pachellyjcomercial.blogspot.com
e veja nosso mostruário.

Pachelly J.

Poema de Natal






poema de natal 1984

o céu não está mais próximo nem mais frio
somos quem somos
sem nenhuma angústia
nenhum pesar

sob os brancos lençóis
entre as tuas coxas
amor
a rosa efêmera
mas eterna
no mito de que somos feitos

teu coração bate mais forte
numa certeza única
e múltipla
como as sendas da noite inumerável

o poema é uma pedra de fogo
queima os olhos
e o vôo dos anjos

é natal
nasce a estrela
sábia e ingênua como a água

existimos
não sofremos
nascemos no sonho
e acordados
nos reintegramos à sombra cotidiana

submersos no mistério
amor
somos o sonho

natal
nasce o deus
que em nós adormece
e sonha

MAIS HOMENAGEM PARA ZÉ DO NORTE


O livro : Cariricaturas II- Do Blog para o Papel




Cariricaturas II
Do Blog para o Papel ( título sugerido por um texto de Marcos leonel)

Contra-capa: Emerson Monteiro
Dedicatória : individual e facultativa
Prefácio de José Flávio Vieira
Orelha : José do Vale Feitosa
Capa: foto de Pachelly Jamacaru

-Sem ônus para os escritores.
-Número de textos por autor : 2 + release + fotografia
-Reciprocidade : 5 livros para cada autor.

-Fase de revisão : o tempo necessário .
- e-mails para contatos :
stelasiebra@yahoo.com.br e moreirasocorro757@gmail.com
Lista de adesões em 16.12.2010
1.aloísio paulo
2.assis lima
3.domingos barroso
4.pachelly
5.edmar
6.brandão
7.carlos esm
8.magali
9.liduina
10.geraldo urano
11.zé do vale
12.lupeu
13.socorro m.
14.joão marni
15.jose nilton mariano
16.marcos barreto
17.marcos leonel
18.rosa guerrera
19.vera barbosa
20.rejane
21.pedro esm.
22.ulisses germano
23.stella siebra
24.josé flávio
25.everardo norões
26.abidoral jamacaru
27.nicodemos
28.joaquim pinheiro
29.isabella pinheiro
30.edilma rocha
31.luis eduardo
32.wilton dedê
33.chagas
34.emerson monteiro
35.luis carlos salatiel
37.roberto jamacaru
38. sônia lessa
39.bernardo melgaço
40.tetê barreto
41.manoel severo
42.nilo sérgio
43.cristina diogo

Acompanhem as etapas do processo !

Para Aloísio

Para Tetê Barreto - Do amigo secreto

Apostou alto nas cartas


Li seu comentário

O jogo foi bem jogado

Ir à Aldeia revelou meu jogo

Senão ficaria com um bom trunfo

Insisti com outro bilhete

Ousou na aposta e acertou.


Abraços do amigo

"Último desejo" - José Nilton Mariano Saraiva

Paradigma de sensibilidade, candura e respeitabilidade, aquele longevo sacerdote ficara conhecido mundialmente como o... “Velho Padre”. Durante anos a fio houvera trabalhado fielmente e com afinco junto ao humilde e desvalido povo africano na difusão da palavra do Senhor e, agora, que voltara debilitado ao seu querido Brasil, doente e em estado terminal se encontrava internado no Hospital de Base de Brasília, onde se transformara na notícia e manchete midiática da hora. Já arquejando e aparentando os últimos suspiros, ele faz um sinal à enfermeira, que se aproximou. – “Pois não, “Velho Padre”, como posso ajudá-lo” ? indaga-lhe, delicadamente. – “Por favor, antes de partir para a morada eterna, o reino de Nosso Senhor Jesus Cristo, eu necessito manifestar um “último desejo” a quatro proeminentes políticos brasileiros”, sussurra, nomeando-os, a seguir. E a enfermeira: – “Por favor, acalme-se, verei o que posso fazer”.
De imediato, em razão do prestígio e a dimensão moral que obtivera o solicitante, uma verdadeira operação de guerra é montada e Brasília literalmente parou, visando satisfazer aquele “último desejo” do “Velho Padre”: a direção do hospital entra em contacto urgente com o Bispo da cidade; este, incontinente, liga para o presidente da CNBB que, por sua vez, mais que depressa aciona o presidente do Congresso Nacional. E, logo, logo, após telefonemas internacionais disparados para os mais diversos rincões do planeta, a notícia ansiosamente aguardada é confirmada: todos os nomeados, na condição de fervorosos católicos, apesar de se encontrarem em “missões ultra-secretas de interesse da nação”, no Japão, Rússia, Coréia e Usubequistão, de pronto aceitaram cancela-las e faziam absoluta questão de atender ao chamamento do “midiático” e moribundo “Velho Padre”.
Embaixadas foram acionadas, jatos de última geração fretados e a viagem de volta empreendida em tempo recorde. Já no Brasil, a caminho do Hospital de Base de Brasília, na ampla e blindada limusine de um deles, Jáder Barbalho confidencia a Renan Calheiros, José Agripino e Arthur Virgílio: - “Eu não sei por qual razão o “Velho Padre” nos quer ver, mas, certamente, dado o seu prestígio internacional e sua popularidade junto aos pobres deste país, isso vai nos ajudar, e muito, na eleição daqui a dois meses, bem como vai melhorar a nossa imagem perante a Igreja e, ainda, repercutir internacionalmente, compensando esse imenso sacrifício que estamos fazendo”.
Todos os demais assentiram; realmente, ali estava uma grande oportunidade para eles não só aparecerem, mas, também, fazerem média com os seus potenciais eleitores católicos. Tanto é verdade que José Agripino (também conhecido como a “Loura do Alecrim”), dirigindo-se aos demais anunciou que, previdentemente, já tivera tido a iniciativa de enviar um comunicado oficial e urgente à imprensa, detalhando a hora e o local da visita.
Fato é que, quando ao apartamento hospitalar do “Velho Padre” chegaram, toda a mídia já lá se encontrava (rádios, jornais, revistas, TV, Internet, o escambau). Adentraram-no e, então, o “Velho Padre” pediu-lhes para dele se acercarem. Sobrepondo sua mão direita nas mãos de Jader Barbalho e Arthur Virgílio, e a sua mão esquerda nas mãos de Renan Calheiros e José Agripíno, o “Velho Padre” agradeceu-lhes comovido o esforço denodado para ali estarem, e por aquele gesto louvável, magnânimo e cristão que estavam a praticar. Por um momento, houve um respeitoso silêncio, enquanto câmaras foram estrategicamente direcionadas aos cinco, já que repórteres televisivos transmitiam ao vivo e a cores, para todo o país, aquele solene e grave momento de um religioso de prestígio internacional, em estado terminal; para tanto, aproximaram seus sensíveis microfones do quinteto, a fim de tentarem captar aquelas que possivelmente seriam as últimas palavras daquele santo homem, que, estranhamente, apresentava-se com um ar de pureza e serenidade no semblante.
Então, Renan Calheiros, autoproclamando-se de porta-voz dos demais ilustres parlamentares e, evidentemente, fazendo pose para as câmaras e imprimindo a devida impostação na voz, indagou, solenemente: - “Meu estimado e querido “Velho Padre”, com todo o respeito, porque é que fomos nós – eu, Jader, Arthur e Agripino - os escolhidos, entre tantas pessoas ilustres das que compõem o nosso glorioso e respeitável Congresso Nacional, para estar ao seu lado neste momento tão especial da sua vida ???”
O “Velho Padre”, com um sorriso angelical no rosto, serenamente afirmou: -”Excelências, vocês sabem que, sempre e sempre, em toda a minha vida, procurei inspiração no Pai Celestial, segui-lo à risca e te-lo como modelo pra tudo; enfim, passei a vida a absorver, na essência, os sábios ensinamentos do Nosso Senhor Jesus Cristo”.
-“Amém” - em uníssono sussurraram os quatro ilustres parlamentares.
E aí, o “Velho Padre”, mostrando toda a sapiência e com toda a categoria que Deus lhe deu, finalmente fez o chamado gol de placa:
“ENTÃO...(breve pausa) COMO “ÊLE” MORREU ENTRE LADRÕES, EU QUERIA O MESMO PRA MIM!!!”
Ato seguinte, “bateu as botas” e … voou para o céu (ao som de imaginárias trombetas angelicais).

Autoria: desconhecida.
“Recauchutagem”: José Nilton Mariano Saraiva

I Fest Cariri Caribe - Emerson Monteiro

Acontece desde ontem (17/12) até 20/12 (segunda-feira), em Farias Brito CE, o primeiro festival de cinema denominado Fest Cariri Caribe (Audiovisual, Teatro, Música e Movimento), uma iniciativa do cineasta Rosemberg Cariry, filho do município, que envolve exibição e competição de filmes longa e curta metragens realizados no Brasil e em países da zona do Caribe, na América Central, este ano representada por Cuba, Venezuela e Porto Príncipe.
No decorrer da mostra na cidade que comemora seus 74 anos de emancipação política, registram-se outras atividades culturais até o dia 20, dia do seu aniversário de autonomia. Além da exibição dos filmes, são realizadas palestras, oficinas, exposições, apresentações artísticas e, no final da tarde do dia 17, houve, pelas principais ruas da cidade, rico desfile de grupos artísticos e folclóricos, alguns deles dos municípios de Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha, numa animação das mais intensas, ao som da Banda de Música de Farias Brito, marcando, com isso, a abertura do evento.
A realização do I Fest Cariri Caribe coube ao Governo Municipal de Farias Brito, na atual gestão de José Vandevelder, sob o patrocínio da Casa Civil do Governo do Estado do Ceará e apoio de Sereia Filmes, Associação Cultural Curumins do Sertão, Cineclube Inácio de Loyola e Cineclube Quixará das Artes, ambos de Farias Brito.
Desde o primeiro dia, o festival mobiliza as escolas e as ruas, em clima alegre e participativo, que envolve os habitantes do lugar e sensibiliza pela beleza plástica e musicalidade.
Numa participação intensa dos principais responsáveis pela iniciativa, Auxiliadora Nergino, Bárbara Cariry, Nailson Teixeira e Cíceros Clislones, somados a outros nomes dedicados à educação do município, as atividades desenvolvem as apresentações seguirão até segunda-feira, quando, à noite, ocorrerá a premiação dos filmes da mostra competitiva, a exibição do documentário Patativa do Assaré - Ave Poesia, de Rosemberg Cariry, e a festa popular Noite Caribenha, animada por grupos musicais de Farias Brito.
A proposta do festival ora em andamento teve bases limitadas do ponto de vista do investimento financeiro, e junto a uma comunidade de menor porte do Cariri, contudo objetiva, dentro de pouco tempo, se transforma em uma data importante do calendário do cinema no Ceará, o que segundo Rosemberg, também incluirá outras cidades da Região.
Filho de Farias Brito, Rosemberg Cariry instalou e mantém funcionando, em avenida central da cidade, um ponto que reúne casa de cultura e centro cultural, com biblioteca, filmoteca, acervo de artes plásticas e sala de cinema, onde funciona o grupo de teatro denominado Os Curumins do Sertão.

Ecos do Salão de Outubro – Um recado para Edilma Rocha

Ontem eu fui ao dentista. Ele me contou um fato interessante. Um casal português que, viaja pelo mundo, foi atendido por ele em seu consultório há cerca de um mês e, comentou que acabara de chegar do Crato, vindo do Recife e ficou encantado com a cidade. Visitou uma exposição de artes, viu espetáculos de danças, poesias, um movimento cultural que nada fica a dever aos grandes centros da Europa. Essa noticia é para Edilma Rocha e os parabéns de todos os cratenses pela realização do último Salão de Outubro.

Meio ambiente e o futuro - Por José de Arimatéa dos Santos


Está em debate no Congresso Nacional a implantação de um novo Código Florestal. Assunto importantíssimo, pois dependendo do que for aprovado as florestas brasileiras e os rios estarão correndo sérios riscos devido a sanha dos desmatadores de plantão. É importante que toda a sociedade brasileira participe desse debate igualmente como o que ocorreu com a lei da Ficha Limpa. Assim, poderemos ver quem realmente defende o meio ambiente e quem simplesmente que auferir lucros em cima do desmatamento e assoreamento dos rios.
Acredito piamente que para o desenvolvimento da agricultura não é necessário derrubar nenhuma árvore mais. O que se faz necessário é preservar a amazônia e o cerrado, além dos outros vários biomas que ora estão desprotegidos e os inimigos do verde avançam ferozmente.
O Código Florestal verdadeiro deve ser o que preserva as florestas e as margens de rios. Aumentando as margens dos rios estaremos protegendo nossos mananciais e teremos água para o nosso consumo e a manutenção da vida de muitos seres humanos que necessitam do rio para a pesca e irrigação da lavoura.
O futuro da existência da vida depende dos nossos atos hoje. Defender a vida é a preservação das florestas e dos rios. Dessa forma se faz necessário e urgentemente que se tenham leis de proteção ao meio ambiente de uma forma que não se permita a derrubada das florestas para o plantio de monocultura e para o pasto. Quem defende o meio ambiente acredita que as margens de rios devam ser ampliadas. É mais do que necessário pensar e agir na defesa de um meio ambiente em que as árvores permaneçam em pé e os rios mais protegidos.

Foto: José de Arimatéa dos Santos

PARA JOAQUIM PINHEIRO- DO SEU AMIGO SECRETO



PARA JOAQUIM PINHEIRO - DO SEU AMIGO SECRETO

Hoje, estamos limitados a participar dessa brincadeira, apenas como amigos secretos. Porém, são das brincadeiras, na sua simplicidade, que aprendemos a conviver, a compartilhar e ganhar amizades. Espero ganhar a sua. Apesar do tempo, lembro muito de você, fardado.

Até breve.