Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Feliz Natal


                                           A todos os amigos do Cariricaturas

---------------------------

Dos bastidores- por Ulisses Germano

Abobrinhas para Socorro e Aluísio:

Obrigado Aloísio
Também Socorro Moreira
Um louro chamado Acrísio
Cometeu uma besteira
Imitou a voz de um louco
Que por pouco muito pouco
Não lhe enforcou na coleira

Ser elogiado é bom
Logo vindo de vocês
Socorro é meio suspeita
Eu já fui o seu freguês
Ela tinha um restaurante
Um lugar aconchegante
Prato ruim nunca ela fez

Feliz Natal procês!

Ulisses

Aprendi na infância- por socorro moreira



Carta a Papai Noel


Composição: Hervé Cordovil

Excelentíssimo Senhor Papai Noel
Endereço: Céu!

Querido Papai Noel
Vou fazer o meu pedido para o dia de Natal
Uma boneca bem grande
Se for pequena não faz mal

Não se esqueça de trazer
Um brinquedo pro Tatá
Ele está no orfanato
E de lá ele não sai
Mande um vestido pra mamãe
E aumente o ordenado do papai

Querido Papai Noel
Vou fazer o meu pedido para o dia de Natal
Uma boneca bem grande
Se for pequena não faz mal

Para o Norman uma guitarra, pro Juneco um futebol
Pro Ronnie um Volkswagen que ele quer fazer farol
Mande felicidade mil pra todo esse povo do Brasil

A melodia é linda ! O conteúdo é apelativo. Instiga o consumo.
Os tempos mudaram. Penso em tudo , menos na lista de presentes.
Eles foram assumindo um caráter simbólico, como sempre deveria ter sido.
A ceia é fugaz, e não espera a missa do galo .
Noite de Natal sem meu pai, sem meus irmãos pequenos, sem meus avós, sem minha mãe pilotando o fogão.
Tornou-se triste e normal.
Já não quero desenrolar presentes . Já não uso meias de cano curto. Madrugo , e Papai Noel é um invento. Ele só existiu nos meus sonhos.
Mas existe Bianca e Sofia. Existem meus filhos que continuam crianças pra mim. Já sei. Vou comprar presentes ... Eles esperam isso de mim.

Oração de uma Camponesa de Mal-Mascar - José do Vale Pinheiro Feitosa

video

Não consegui a música original e por isso trago a harpa de Luis Bordon de quem muitas famílias tinha um LP com músicas natalinas tocadas em estilo Paraguaio.

Este texto foi escrito a partir de PPS que recebi trazendo uma oração cristã recolhida na África e que se chama Oração de uma Camponesa de Madagascar.


Senhor,

Que me deu o dom das panelas e marmitas

Não posso resumir-me a este corpo faminto,
pois sou o sagrado aos vossos pés.

Não posso rezar no fausto que os homens deram ao vosso altar.

Então, que seja a santa de todas as colheitas,
a fome saciada pelo meu fogão.

Que o vosso amor distribua o calor da chama que acendi
e faça calar a miséria que sufoca os explorados da terra.

Eu tenho as mãos que colhe,
Mas quero também ter a alma que suplanta. .

Quando eu lavar o chão,
lave Senhor o zinabre das guerras que nos consomem.

Quando a comida for posta à nossa mesa,
alimente-nos, Senhor, da liberdade nascida na manjedoura.

É ao divino ser humano que eu sirvo,
servindo à igualdade de todos.

E, finalmente, que meu espírito seja terra, que a terra seja meu cotidiano, que o meu cotidiano seja coletivo, pois fruto da contradição de ser eu e nós; nada mais belo que a contradição do amor; quando nós buscamos fundir nossos corpos; ao invés de nos reduzirmos à fusão de nós; nos multiplicamos no espaço feito eles - (os filhos).

Pensamento da noite, que pode ser feliz...



"... Se é a festa do nascimento, é sempre um momento para que de fato não apenas nasça um messias, mas toda uma missão de solidariedade e união em prol da vulnerabilidade geral da vida."

(José do Vale Pinheiro Feitosa)

Então é Natal! - José do Vale Pinheiro Feitosa

Cadinho não existe nada inerte no mundo. Tudo nele é arte, tem uma maneira de ser ou agir. Mesmo as rochas têm ação, as pedras são modos de reações ou interações substantivas. Tudo é arte neste universo que nossos sentidos reconhecem.

Sei Mitonho, mas é que a vida é mais instável que tudo o mais. Ela parece ser restrita, não é contínua, apenas acontece por nosso saber só aqui neste minúsculo planeta. Pode acontecer noutros lugares? Pode, mas sempre se encontrará entre as coisas mais instáveis do universo.

Quando digo que não tem sentido achar que as coisas têm que ser assim mesmo é que a instabilidade tem a sabedoria do curto prazo, instantânea, tudo precisa de maior rapidez. Não é possível comemorar o natal sem denunciar a fome e a miséria que corrompem o curso instável da vida. A instabilidade, representada pela morte, não justifica a injustiça, o abandono, a traição de um futuro.

Cadinho mas não só precisávamos seres humanos maiores do que estes da miudeza enfastiada, como toda a cadeia de poder precisa ser interrompida. O poder é o instrumento último dos canalhas que destroçam a esperança, turvam a consciência. Existem humanos tão canalhas que temos ímpeto de convocar a sociedade de proteção aos animais em prol dos cães.

Pois é Mitonho, a manjedoura não foi a aceitação do simples como querem nos compor. A manjedoura foi a denúncia aos Filisteus, aos imperadores do culto material de Roma. Naquele simples que parecia evocar uma doçura compreensiva dos canalhas, havia um símbolo do quanto eram desprezíveis, do quanto estavam por trás da cadeia de miséria que ceifava a Terra Santa.

Mas Cadinho e eles transformaram a mensagem do amor que significa dedicação, a vontade que todos igualmente permaneçam presentes como ente do mundo em compartimento domiciliado, na mesa familiar que é ao mesmo tempo a união de poucos com portas fechadas para a desunião dos frágeis e vulneráveis. A única mensagem que se ouve verdadeiramente universal é o presente comercial e uma ceia farta como uma festa da fertilidade.

Mas Mitonho se é a festa do nascimento, é sempre um momento para que de fato não apenas nasça um messias, mas toda uma missão de solidariedade e união em prol da vulnerabilidade geral da vida.

Mensagem de Natal - Aloísio



Nascimento, manjedoura
Que o Natal seja o início
De uma paz duradoura


É uma grande alegria pra mim poder participar desta comunidade, quero expressar meus agradecimentos a todos vocês administradores do blog, colaboradores e leitores cariricaturenses, e desejar a todos um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de paz e prosperidade.


São os votos de
Aloísio

REPERTÓRIO DO CRATETO I - por Ulisses Germano

(Os imãos Vinícius e Walesvick Pinho, músicos do  CRATETO - Carri Cangaço - Juazeiro, CE.)

I
CHEGANÇA NO CRATO
(Letra e Música: Ulisses Germano)
 
Quando vim morar no Crato
Não sabia o que fazer
Das histórias que são tantas
E dão enorme prazer
Na Pedra da Batateira
Vi nascer uma roseira
Que chamava por você

A roseira então falou
Que há verdade em toda lenda
Cada qual trás sua prenda
Pra nesta vida expressar
Tanto faz ser motorista
Moço Lídio(*) é diarista
Do amor que tem prá dar

Carlos Henrique me avisa
Josenir me aconselhou
Se não tenho o cartão VISA
O culpado é o senhor
Que não deu pra poesia
O valor que ela valia
Ninguém nunca avaliou



II 
O POETA TAXISTA
(Letra de Ulisses e Moço Lídio)

A Dama de Vermelho 
passeia no asfalto 
e eu, arauto de mim mesmo, 
pego a minha direção 
No taxi de Moço Lídio
Ter tristeza é suicídio
Um descuido da moral
(Fragmentos do  Performance Poética, SESC-Juazeiro/2010 - GRITANDO MEU CORDEL)


(*) Moço Lídio é o nome de um taxista que tem seu ponto na Praça Cristo Rei (Crato-CE.) e que batizou seu FIAT de A Dama de Vermelho.

Ser racional...(momento de reflexão) - por Socorro Moreira



"É sempre realizar auto-análise de seus” porquês “, rever tudo em que se crê. Se suas ações têm razão de ser, se sua cultura é realmente” correta “, se você não seria diferente criado noutro canto do planeta.
Pensar nas possibilidades das coisas, manter” os pés no chão', só "dar bola" ao possível. E, acima de tudo, mudar-se aos poucos em uma busca constante pela verdade das coisas."

Minha mãe costuma dizer que” não se pode servir a dois senhores “. Eu lhe respondo: sou livre pensadora.Ela não gosta de ciências esotéricas, não se liga em astrologia, tarô, I ching, etc. Eu acho todos esses assuntos interessantes, mas não os valorizo com fanatismo. ·No fundo sou cética, agnóstica, e o escambau. Mas sou atenta aos arquétipos mitológicos. Sou apaixonada pela mítica, sem perder a noção da essência ou realidade das coisas.
Fico besta quando leio meu perfil astrológico (virginiana), e atesto como nele me enquadro direitinho.
Mas no fundo sei que somos uma mistura de todos os defeitos e qualidades humanas, resultantes de heranças genéticas, meio social, cultura original e sequencial.
Pensando bem sou um ser microcósmico, inserido no macro. Não tenho que questionar sentimentos, o quanto eles são espontâneos e gloriosos, em seus próprios mistérios.
Mistério é o que não se explica ?Milagre é a revelação de um mistério?
Desisti de entender o meu potencial de amar, uma vez que estou sempre surpreendida com as revelações temperamentais e afetivas, que me assaltam.
Racionalmente vou conduzindo a vida . Preparo-me para as perdas e luto por outras conquistas.
Se o afeto não fere, merece ser vivido, e expandido.
Tenho aprendido muitíssimo neste espaço virtual, aonde a maioria se conhece de longas ou poucas datas, mas já checaram suas afinidades reais, e as validaram.
Na idade mais adulta precisamos de poucos dados para entender o outro na sua totalidade. Depois do encontro de "almas" a aceitação incondicional vai se tornando possível e inevitável. Aceitar o outro, em sua realidade solitária : Eis a questão !
Minha mãe diz sempre: “para um bom entendedor, um pingo é letra” ·
Eu procuro ampliar minha visão e consciência no entendimento profundo. Chego lá, inevitavelmente, mesmo que no primeiro momento tudo me pareça inexplicável, e absurdamente fantástico ou estupeficante.
O Cariricaturas é um laboratório do pensamento humano. Já adotei muitos como mestres, e sou-lhes grata por uma aprendizagem que já esteve fora do meu alcance.
Vamos ser sinceros?
O amor é possível, em todos os cantos ! Exercitemos-lo, sem comprometer o encanto, e a felicidade do próximo e do distante.
Claro que a gente não investe no impossível, mas amar é sempre lícito!
Ser racional é dormir nas nuvens e viver no chão.

Salpicão de Natal



* Ingredientes
* 1 peitos de frango
* 2 latas de milho verde
* repolho ( quanto baste)
* 50 g de azeitonas verdes
* 1 lata de ervilhas
* 1 vidrinho de alcaparras
* 4 tomates picados sem semente
* 2 cenouras raladas
* 50 g de uvas passas sem sementes
* 2 maçãs verdes picadas
* 1o0 g de maionese
*1 vidro de requeijão
* 1 lata de creme de leite sem o soro
* Salsa e cebolinha a gosto
* Sal
* 3 colheres de azeite
*1 cubo de caldo de galinha
* 1 frango defumado
* batata palha



* Modo de Preparo

1. Refogue o frango com o cubinho de caldo de galinha e desfie.
2. desfie o frango defumado
3. Pique os tomates sem semente, corte a maçã com casca em cubinhos, rale a cenoura crua e pique a salsa e cebolinha e reserve
4. Pique também as azeitonas
5. Juntar tudo em uma vazilha grande adicionando todos os ingredientes e a maionese, requeijão, creme de leite e batata palha no final.

Notícias do Cinema





Morre o diretor do filme A Pantera Cor-de-Rosa


Morreu nesta quinta-feira (16) o diretor Blake Edwards, cineasta conhecido pelos filmes de "A Pantera Cor-de-Rosa" com Peter Sellers. Ele tinha 88 anos. As causas da morte ainda não são conhecidas.

O diretor era casado havia 41 anos com a atriz Julie Andrews e trabalhou com ela em "Victor ou Vitória", entre outros.

Edwards dirigiu ainda "Um Convidado Bem Trapalhão", também estrelado por Sellers, e "Bonequinha de Luxo", com Audrey Hepburn.

Além de dirigir, Edwards escreveu e produziu mais de 50 filmes. Sua obra é considerada irregular pelos críticos.

Entre os títulos que dirigiu na década de 80 está "Mulher Nota 10" e "Encontro às Escuras", com Kim Bassinger e Bruce Willis.

Em 2004, Edwards recebeu um Oscar honorífico por sua obra. Ele foi indicado ao prêmio apenas com "Victor ou Vitória". Embora tenha sido indicado

Antes de Andrews, Edwards foi casado com Patricia por 14 anos com quem teve um casal de filhos. No casamento com Andrews, Edwards adotou um casal de órfãos vieatnamitas.

De acordo com informações da revista "Variety", Andrews e seus filhos estavam ao seu lado no leito de morte.

Folha Online

Para Aloísio - Do amigo secreto







Aloísio,

Orquídea na mão faz-me
mirar a beleza do Divino.
O Divino é o todo poderoso
e cada filho Dele como você,
como eu, como nós.
E a flor é a perfeição de toda
essa divindade.


Abraços do seu(a) Amigo(a) secreto(a)


Cariricaturas II


Cariricaturas II
Do Blog para o Papel ( título sugerido por um texto de Marcos leonel)

Contra-capa: Emerson Monteiro
Dedicatória : individual e facultativa
Prefácio de José Flávio Vieira
Orelha : José do Vale Feitosa
Capa: foto de Pachelly Jamacaru

-Sem ônus para os escritores.
-Número de textos por autor : 2 + release + fotografia
-Reciprocidade : 5 livros para cada autor.

-Fase de revisão : o tempo necessário .
- e-mails para contatos : stelasiebra@yahoo.com.br e moreirasocorro757@gmail.com
Lista de adesões em 16.12.2010
1.aloísio paulo
2.assis lima
3.domingos barroso
4.pachelly
5.edmar
6.brandão
7.carlos esm
8.magali
9.liduina
10.geraldo urano
11.zé do vale
12.lupeu
13.socorro m.
14.joão marni
15.jose nilton mariano
16.marcos barreto
17.marcos leonel
18.rosa guerrera
19.vera barbosa
20.rejane
21.pedro esm.
22.ulisses germano
23.stella siebra
24.josé flávio
25.everardo norões
26.abidoral jamacaru
27.nicodemos
28.joaquim pinheiro
29.isabella pinheiro
30.edilma rocha
31.luis eduardo
32.wilton dedê
33.chagas
34.emerson monteiro
35.luis carlos salatiel
37.roberto jamacaru
38. sônia lessa
39.bernardo melgaço
40.tetê barreto
41.manoel severo
42.nilo sérgio
43.cristina diogo

Acompanhem as etapas do processo !

Boas festas !


Durante 10 anos ele fez o plantão nas noites de Natal e Ano Novo. Depois da ceia em família, levávamos uma quentinha para ser degustada na sua madrugada de médico. Ano passado, ele esteve em sua solitária reclusão.
Este ano, eu terei a minha mãe, meu filho Victor, familiares, amigos,em torno da minha árvore de afetos.
Sem ouro e com mirra, graças a uma plantinha que ganhei de Abidoral. Ela resiste ao sol e às chuvas. Brilha verde e segura, na varanda da minha casa. Enquanto isso, meu filho dorme, e eu abraço em pensamento pessoas queridas.
Meus tesouros são os meus amigos.
Nunca poderia imaginar, tempos atrás, que o coletivo pudesse nos oferecer tantas alegrias.
Fechamos a lista de adesões do segundo livro do Cariricaturas com 43 colaboradores.
A capa já nos foi oferecida. Quando estiver concluída será submetida à apreciação de todos. Terá a assinatura dos seus escritores.
Nunca escreverei um trabalho solo.O murmúrio poético de muitas vozes encanta a nossa história.
Obrigada a todos pela participação, e pelos textos que nos comoveram, informaram, e nos transformaram em pessoas melhores.

Feliz Natal, cariricaturenses!

"Reconhecimento" - (CNI-Ipobe)

Lula fecha governo com 80% de aprovação e bate novo recorde, diz CNI-Ibope

Pesquisa Ibope encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgada nesta quinta-feira (16), em Brasília, mostra que o governo Lula encerra seu mandato com recorde de avaliação positiva: 80%. Na avaliação anterior, o percentual era de 77%.
A aprovação pessoal do presidente também apresentou recorde histórico, com 87% de aprovação – o maior desde 2003. Na pesquisa anterior, a avaliação pessoal positiva de Lula chegou a 85%.
“Quando você olha a série histórica [dos dois mandatos do presidente Lula], vê-se que em 2005, houve um grande queda na avaliação do governo, enquanto no segundo mandato, os dados positivos da economia justificam que a população o avalie melhor que no primeiro”, observou o gerente executivo de Pesquisa CNI/Ibope, Renato da Fonseca.
Segundo a CNI/ Ibope, a avaliação positiva do presidente cresceu em todas as regiões do país: no Nordeste (de 92% para 95%), no Norte e Centro-Oeste (de 88% para 90%), Sudeste (de 81% para 85%) e Sul (de 78% para 80%).
Com relação à aprovação do governo, o Nordeste continua sendo a região com melhor avaliação: 86% da população considera o governo do petista como “bom” ou “ótimo”; seguido das regiões Norte e Centro-Oeste (81%); Sudeste (78%) e Sul (75%).
O índice de confiança na figura do presidente também teve elevação: de 81% contra 76% na pesquisa anterior de setembro, quando houve queda com relação a de junho, quando estava em 81%.
Das nove áreas de atuação do governo avaliadas, sete obtiveram avaliação positiva, com destaque para o setor de combate à pobreza, setor mais bem avaliado com 71% de aprovação (o índice anterior era de anterior 66%) e combate ao desemprego, com 66% (o índice anterior era de 64%).
O destaque negativo ficou para as áreas de saúde, com 54% de desaprovação (o percentual anterior era de 57%) e impostos, com 51% de avaliação negativa (manteve o mesmo índice da pesquisa anterior).
Quando questionados sobre os temas mais lembrados no que se refere às ações do governo Lula, os entrevistados indicaram, espontaneamente, as ações das Forças Armadas no Rio de Janeiro no combate ao tráfico de drogas (com 32% das citações). Na sequência, foram lembrados os anúncios da formação do novo governo e os problemas com a aplicação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
A pesquisa de opinião foi realizada com 2002 eleitores de 140 municípios brasileiros, entre os dias 4 e 7 de dezembro. Tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e intervalo de confiança de 95%.

NATAL SEM OURO, INCENSO OU MIRRA por João Marni

Foram tantas visitas que realizei a lares muito pobres nos sítios,com nossa equipe do PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA, tendo observado as pessoas no interior desses diminutos casebres de chão batido serem ainda capazes de sorrir com nossa presença, sem nenhuma vergonha ou constrangimento por não saberem mais o que vestir porque não sabem se estão nuas, sempre à procura de algo a nos oferecer (como se fôssemos algum deus), e crianças sentadas com os pratos entre as perninhas, de colher em punho, passando-nos a impressão de que o alimento pouco é que faz o tempero, deixando a certeza em mim de que Jesus jamais saiu da manjedoura...Que o natal é exatamente o nascimento continuado de cada uma dessas crianças que sobrevivem sem brinquedos, sem perus ou panetones, à espera tão somente de um ato de solidariedade e de respeito à condição humana. É impossivel distinguir dentre elas qual seja o menino Jesus!

Essas pessoas humildes dispensam árvores natalinas porque já têm cajueiros e mangueiras que frutificam, dispensam também Papai Noel, porque em sua enorme sacola não há e nem caberiam a dignidade de que precisam, mais coragem ainda para seguir em frente face às dificuldades, e a saúde que as levem até a velhice com qualidade de vida. Já lhes bastam a esperança e a fé inabalável em Deus. O que me fez lembrar a resposta da mãe de Casemiro de Abreu, quando este perguntou-lhe: ”...quem pode haver maior que do que o oceano ou que seja mais forte do que o vento, mãe?” -Sua mãe a sorrir olhou para os céus e respondeu: ”Um ser que nós não vemos é maior que o mar que tememos, e mais forte do que o mais forte dos ventos..É Deus meu filho!!!”

Feliz Natal para todos

Jane Austen





Jane Austen (Steventon, Reino Unido, 16 de dezembro de 1775 – Winchester, Reino Unido, 18 de julho de 1817) foi uma proeminente escritora inglesa, que representa o exemplo de uma vida que, sem grandes sobressaltos, em nada reduziu a estatura da sua ficção. A ironia que utiliza para descrever as personagens de seus romances a coloca entre os clássicos, haja vista sua aceitação, inclusive na atualidade, sendo constantemente objeto de estudo acadêmico, e alcançando um público bastante amplo.

Nascida em Steventon, Hampshire, de uma família pertencente à burguesia agrária, sua situação e ambiente serviram de contexto para todas as suas obras, cujo tema gira em torno do casamento da protagonista. A inocência das obras de Austen é apenas aparente, e pode ser interpretada de várias maneiras. Os meios acadêmicos a têm considerado uma escritora conservadora, apesar de a crítica feminista atual reconhecer em suas obras uma dramatização do pensamento de Mary Wollstonecraft sobre a educação da mulher.

wikipédia

Andar - Por Cacá Araújo


O problema sugere a solução,
a catástrofe o nada mais.

O vento sopra,
o rio viceja,
a flor se espalma e se revolta...

Todos
buscam a dianteira
e grande é o cortejo:
terço,
rosário,
bendidos e malditos,
cânticos e sacrifícios.

E tudo se redesenha
numa grotesca imagem de incertezas,
retrato da nossa existência...

Cacá Araújo
Crato-Cariri
Ceará-Brasil

Dunga - Por Norma Hauer



WALDEMAR DE ABREU

Foi a 16 de dezembro de 1907 que ele nasceu, aqui no Rio de Janeiro: seu nome WALDEMAR DE ABREU, mas ficou conhecido como DUNGA, apelido que recebeu, ainda criança, de sua professora por ser um aluno atencioso.

O anão (de “Branca de Neve”) e o técnico da Seleção, chegaram anos depois adotando o nome de Dunga,

Desde cedo, começou a trabalhar no comércio e em outros empregos, até que, em 1932, passou a dedicar-se à composição, compondo para um bloco carnavalesco o samba “Nossa Bandeira”.
Mas foi em 1934 que teve sua primeira gravação: um samba de nome “ Amar, Para Que?” na voz de um cantor e ator de nome Silva Pinto . Não foi sucesso, mas abriu-lhe as portas para o mundo musical.

Foi em 1935 que obteve seu primeiro sucesso, na voz de Orlando Silva, que gravou o samba “Chora, Cavaquinho”.
“Chora cavaquinho, chora,
Chora violão também..
O nosso amor foi-se embora
Deixando saudades em alguém...””
No ano seguinte, outra vez Orlando e outro sucesso: o samba “Foi Você”; no outro ano, novamente Orlando e novamente sucesso :”Eu Sinto Uma Vontade de Chorar.”
Carlos Galhardo gravou de Dunga um fox-canção: “Segredos”, e alguns sambas.
Os anos foram transcorrendo e Dunga continuou gravando com vários cantores, como Sílvio Caldas, Roberto Paiva, Jamelão, Aracy de Almeida...

Embora sucessos quando lançadas, muitas de suas composições ficaram lá para trás, mas tem uma, feita em parceria com Jair Amorim, que é sucesso constante.

A primeira gravação foi na voz de Dircinha Batista, mas “estourou” quando Cauby Peixoto a lançou sendo constantemente regravada.

Cauby tem de cantá-la em todos seus “shows” . Deu nome : "Conceição"

WALDEMAR DE ABREU - DUNGA-
CONCEIÇÃO


Conceição, eu me lembro muito bem
Vivia no morro a sonhar
Com coisas que o morro não tem
Foi então
Que lá em cima apareceu
Alguém que lhe disse a sorrir
Que, descendo à cidade, ela iria subir
Se subiu
Ninguém sabe, ninguém viu
Pois hoje o seu nome mudou
E estranhos caminhos pisou
Só eu sei
Que tentando a subida, desceu
E agora daria um milhão
Para ser outra vez
Conceição,

DUNGA, durante mais de 50 anos pertenceu à Escola de Samba de Vila Isabel. e faleceu, aqui no Rio de Janeiro, no dia 5 de outubro de 1991, sem completar 83 anos.




Norma

QUEM DIRIA - por Ulisses Germano

Casa do Sítio Baltazar - Jucás, CE.

BAIRRO: QUEM DIRIA!
(Letra e Música: Ulisses Germano)

Quem de mim sentir saudade
Por favor mande lembrança
Que se saudade é um sentimento
Que dá vida a esperança

Onde estava o nosso amor
Quando dele me perdi?
Mas seja lá como for
Eu confesso que aprendi

Esquecer não adianta
Tudo está guardado em mim
Só meu verso acalanta
Prá que a dor tenha um fim

E se alguém me perguntar
Onde o amor fez moradia
Digo sem pestanejar
Foi no Bairro: Quem Diria!



Esta casinha da foto acima pertenceu a meu avô José Facundo e minha avó Ormecinda Leite. Foi nesta casa que nasceu  a minha mãe Terezinha Leite e todos os seus irmãos e irmãs. Os meninos brincavam de tanger os bichos com a baladeira (estilingue)  e as meninas, em tempo de estiagem, brincavam de casinha confecionando  bonecas com ossos de animais da "terra do nunca."  A pedagogia era o do abraço depois da briga. Hoje, quem diria!, muitos se foram para morada sem volta e o restante se espalhou pelo mundo. A menina ancorada na porta? Ninguém sabe quem é! O que eu sei é que a casa foi demolida e apenas esta fotografia sobrou para contar a história de uma residência situada no imaginário espaço do "Quem Diria"! É triste? Não! É apenas a vida estendendo sua teia nas paredes da memória de uma foto desbotada pelo tempo. 

Dedicado:  Alzir Leite, Liduina Leite,  Terezinha Leite, Celina Leite, Aurélio Leite e Madinha.... FELIZ NATAL!

Ulisses Germano Leite Rolim
O Sobrinho
SONHEI QUE ERA NATAL
- Claude Bloc -


Uma noite sonhei
Que era Natal...
Meu pai sentado na velha poltrona
Minha mãe sorrindo ao seu lado,
Tempo de pura festa!

Pela casa
A vida era leve !
Em toda parte havia cheiro de alegria
E a música enchia a alma de esperança
Pelo ano inteiro...

Guardei desse tempo
Este sorriso que mostro
Nas noites de Natal.
Essa fagulha que arde
E se exibe em meu peito
A cada ano...

Uma noite, sonhei que era Natal
Um Natal diferente
Como em todos os sonhos
Que não voltam jamais...

***

Feliz Natal a todos do CARIRICATURAS

Cada ano que passa...
Cada pequeno instante do Natal,
E cada pensamento que temos,
Sobre a importância dessa época,
Ficam marcados em nossos corações.
Os amigos, a família, as pessoas,
Que realmente importam para nós,
São o verdadeiro sentido da felicidade,
E da emoção que sentimos,
Ao comemorar esta data !
É tempo de acreditar no Amor!

Claude Bloc

Pérola da MPB

Amor Errado - Por Martha Medeiros


“Em tempos em que quase ninguém se olha nos olhos, em que a maioria das pessoas pouco se interessa pelo que não lhe diz respeito, só mesmo agradecendo àqueles que percebem nossas descrenças, indecisões, suspeitas, tudo o que nos paralisa, e gastam um pouco da sua energia conosco, insistindo…”


Amor Errado

“E agora está você aí, com esse amor que não estava nos planos.

Um amor que não é a sua cara, que não lembra em nada um amor idealizado. E, por isso mesmo, um amor que deixa você em pânico e em êxtase. Tudo diferente do que você um dia supôs, um amor que te perturba e te exige, que não aceita as regras que você estipulou.

Um amor que a cada manhã faz você pensar que de hoje não passa, mas a noite chega e esse amor perdura, um amor movido por discussões que você não esperava enfrentar e por beijos para os quais nem imaginava ter tanto fôlego.

Um amor errado como aqueles que dizem que devemos aproveitar enquanto não encontramos o certo, e o certo era aquele outro que você havia solicitado, mas a vida, que é péssima em atender pedidos, lhe trouxe esse e conforme-se, saboreie esse presente, esse suspense, esse nonsense, esse amor que você desconfia que não lhe pertence.” (…)


O que é que faz a gente se apaixonar por alguém?

Mistério misterioso.

Não é só porque ele é esportista, não é só porque ela é linda, pois há esportistas sem cérebro e lindas idem, e você, que tem um, não vai querer saber de descerebrados.

Mas também não basta ser inteligente, por mais que a inteligência esteja bem cotada no mercado.

Tem que ser inteligente e… algo mais.

O que é este algo mais?

Mistério decifrado: é o jeito.

A gente se apaixona pelo jeito da pessoa.

Não é porque ele cita Camões, não é porque ela tem olhos azuis: é o jeito dele de dizer versos em voz alta como se ele mesmo os tivesse escrito pra nós; é o jeito dela de piscar demorado seus lindos olhos azuis, como se estivesse em câmera lenta.

O jeito de caminhar.

O jeito de usar a camisa pra fora das calças.

O jeito de passar a mão no cabelo.

O jeito de suspirar no final das frases.

O jeito de beijar.

O jeito de sorrir.

Vá tentar explicar isso.

(…)



Martha Medeiros

Frases de Oscar Niemeyer




Camus diz em 'O Estrangeiro' que a razão é inimiga da imaginação. Às vezes, você tem de botar a razão de lado e fazer uma coisa bonita.
(OSCAR NIEMEYER)

A Arquitetura não muda nada. Está sempre do lado dos mais ricos. O importante é acreditar que a vida pode ser melhor
(OSCAR NIEMEYER)

A Humanidade precisa de sonhos para suportar a miséria; nem que seja por um instante.
(OSCAR NIEMEYER)

A direita quer manter este clima de poder, de injustiça social e de subserviência ao império norte-americano.
(OSCAR NIEMEYER)

A gente precisa sentir que a vida é importante, que é preciso haver fantasia para poder viver um pouco melhor.
(OSCAR NIEMEYER)

A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem.
(OSCAR NIEMEYER)

A luta por uma sociedade mais justa não pode se perder no tempo.
(OSCAR NIEMEYER)

A miséria existe. E a burguesia brasileira, que é das mais atrasadas, está sentindo isso na pele pela primeira vez. A chance de mudança está aí, nesta situação-limite. E há o inesperado, com o qual devemos contar. Um dia, lá em Paris, Sartre me disse que gostava de ter dinheiro no bolso para dar esmola. O sujeito chegava, Sartre dava um dinheirinho e quase agradecia por isso. Mudei minha opinião sobre a esmola. Como dizia o padre Teillard Chardin, quando ser for melhor que ter, estará tudo resolvido no mundo.
(OSCAR NIEMEYER)

A vida pode mudar a arquitetura. No dia em que o mundo for mais justo, ela será mais simples.
(OSCAR NIEMEYER)

A vida é importante; a Arquitetura não é. Até é bom saber das coisas da cultura, da pintura, da arte. Mas não é essencial. Essencial é o bom comportamento do homem diante da vida.
(OSCAR NIEMEYER)

A vida é mais importante do que a arquitetura
(OSCAR NIEMEYER)

A vida é um sopro. Por isso, não há motivo para tanto ódio
(OSCAR NIEMEYER)

Recadinho para Tetê Barreto - Do seu amigo secreto






Li seu comentário, dei boas risadas quando você falou do "grande jogador de baralho". Humor puro! uma de suas características é o seu bom humor.

Ao contrário do que diz a música "Sangue e Pudins (Fagner / Abel Silva): "Não guardo segredo mas sou bem secreto"; eu guardo segredos, mas me exponho facilmente, realmente não vai ser difícil para você saber quem sou.

Abraços do seu amigo "secreto"

Os tesouros deste mundo - Emerson Monteiro

A importância dos objetos, sentimentos, ideias, guarda relação estreita com a prática das pessoas no decorrer da existência, a ponto de muitas perderem o juízo buscando satisfazer o instinto de querer mais uma coisa do que outra. Não poucas pessoas vendem a alma para atender aos desejos loucos, e atropelam os outros, gastam o que não têm, utilizam mecanismos sujos, a ponto de matar, roubar, destruir, no impulso desesperado de alimentar aquelas necessidades artificiais surgidas no afã da dominação dos objetivos planejados.
A fome doentia dos desejos errados existe na história desde que o homem é homem, pela ganância das guerras, dos saques, perseguições, negócios escusos, invejas e ambições desmedidas. Tudo pó e poeira da matéria em desintegração. O apetite avassalador do favorecimento a qualquer custo mostra a face melancólica dessa humanidade, o lado sem luz da epopéia das criaturas rumo aos afagos da ilusão, que só produzem miséria e respostas trágicas, nas caminhadas pelo mundo.
A traça e a ferrugem, no entanto, destroem, numa velocidade impressionante, tais equívocos, sob o comando de uma lei estudada sob o nome de ação e reação, tanto na física, quanto nas escolas religiosas. Nada fica impune fora dos ditames originais e eternos da natureza, que conduz os acontecimentos. Dia de muito é véspera de pouco. Dia de tudo é véspera de nada.
Quem quiser contrariar as normas desta sabedoria, guardada no decorrer dos séculos e milênios, que experimente, pois, mais cedo ou mais tarde, provará do desencanto. Há um tanto de exemplos de que o crime não compensa, em todo tempo e lugar. Mesmo assim, ainda impera o desejo ganancioso, que demonstra o atraso da raça teimosa e inconsequente, quando se sabe que o desengano da vista é furar os olhos, no dizer do povo.
No entanto, a dor ensina a gemer, e inúmeros escolhem estradas tortuosas do vício e do crime invés dos valores equilibrados e justos da paz e da coerência. Esse impasse nas decisões vale a todo minuto, conquanto vive-se decidindo qual dos dois caminhos escolher a fim de realizar os sonhos. Ouvi, certa vez, alguém afirmar que “o castigo do vício é o próprio vício; e o mérito da virtude é a própria virtude”. A consciência refletirá como praticar esta vida. O itinerário aonde nos leva ninguém desconhece. A estação final do processo vida espera a todos, equivocados ou prudentes. Portanto, o teorema traz consigo a solução do mistério de todas as intenções pessoais.

Pensamento para o Dia 16/12/2010



“Desenvolver fé no Princípio Atma e amá-Lo sinceramente é a verdadeira adoração. Há apenas um Ser Divino. Sinta que isso é mais digno de amor que qualquer objeto aqui ou no futuro — essa é a verdadeira adoração que você pode oferecer a Deus. Isso é o que os Vedas ensinam. Os Vedas não ensinam a aceitação de um conjunto de regras e restrições terrivelmente difíceis. Eles não constroem diante de você uma prisão onde o homem está encerrado pelas barras de causa e efeito. Eles nos ensinam que existe Um que é o Soberano por trás de todas essas regras e restrições, Um que é o âmago de cada objeto, cada unidade de energia, cada partícula ou átomo e Um que somente sob Suas ordens os cinco elementos —éter, ar, água, fogo e terra– operam. Ame-O, adore-O, venere-O — essa é a grande filosofia do Amor, elaborada nos Vedas.”

Sathya Sai Baba

RECADINHO EM LETRAS GRAUDAS - Por Edilma Rocha

QUERO AGRADECER EM NOME DE TODOS OS QUE FAZEM O CARIRICATURAS A BELA COMPOSIÇÃO DO CARTÃO DE NATAL PUBLICADO NA ABERTURA DO BLOG, ELABORADO POR NOSSA COMPANHEIRA, CLAUDE BLOC.

PARABÉNS PELA SUA GENTILEZA E PELO EXCELENTE TRABALHO  NA MONTAGEM ESPECIAL COM O CUIDADO DE BUSCAR E PUBLICAR AS NOSSAS IMAGENS EM VOLTA DA SAGRADA FAMÍLIA.

                      FELIZ NATAL


                VALEU CLAUDE BLOC!

Josenir, está chegando a hora da pajelança.

A tribo Kariri está em festa.
Josenir que tanta nos encanta, está de alma cheia de luz abrindo os horizontes dessa nova investida do Crato, no mundo dos grandes mestres da nossa pura e bela cultura popular.
Com uma pajelança do grande cacique Ulisses Germano, sob a batuta do maestro Miguel, vai dar esse toque de mestre nessa grande e merecida cerimônia na Academia Brasileira do Cordel.
Vai Josenir de peito aberto e alma iluminada, que daqui estamos dando as últimas pinceladas na sua nova obra prima em parceria com o grande Nicodemos, Nico para os seus do peito, para o mundo da literatura infantil.
É o Crato recebendo a luz e a benção de todas as tribos que formam esse grande circulo de fluidos positivos.
A nossa alma está em festa, e o coração palpitando de emoção.

Prolixa profusão do "P" - José Nilton Mariano Saraiva

Pedro Paulo Pereira Pinto, pequeno pintor português, pintava portas, paredes, portais. Porém, pediu para parar, porque preferiu pintar panfletos. Partindo para Piracicaba, perplexo pintou prateleiras para poder progredir. Perambulando permanentemente, posteriormente partiu para Pindamonhangaba. Pernoitando, prosseguiu para Paranavaí, pois pretendia praticar pinturas para pessoas pobres. Porém, pouco praticou, porque, “pirado”, Pedro Paulo pediu para pintar panelas. Paradoxalmente, porém, pintou pratos para poder pagar promessas. Prostou. Posteriormente, pálido, porém personalizado, preferiu partir para Portugal, para pedir permissão para papai para permanecer praticando pinturas, preferindo, portanto, Paris para praticar. Partindo para Paris, passou pelos Pirineus, pois pretendia pintá-los. Pareciam plácidos, porém, pesaroso, percebeu penhascos pedregosos, preferindo pintá-los parcialmente, pois perigosas pedras pareciam precipitar, principalmente pelo “pico”, porque pastores passavam pelas picadas para pedirem pousada, provocando provavelmente pequenas perfurações, pois, pelo passo percorriam permanentemente possantes potrancas.
Pisando Paris, preferindo Pedro Paulo precaução, pediu permissão para pintar palácios pomposos, procurando pontos pitorescos, pois, para pintar pobreza, precisaria percorrer pontos perigosos, pestilentos, perniciosos. Por profundas privações passou Pedro Paulo. Pensava poder prosseguir pintando, porém, pretas previsões passavam pelo pensamento, provocando profundos pesares, principalmente por pretender partir prontamente para Portugal. Português, povo previdente, pensava Pedro Paulo. Preciso partir para Portugal, porque pedem para prestigiar patrícios, pintando principais portos portugueses.
Paris, Paris, proferiu Pedro Paulo, parto. Porém penso pintá-la permanentemente, pois pretendo progredir. Pisando Portugal, Pedro Paulo procurou pelos pais, porém, prolixo papai Policarpo partira para província. Pedindo provisões, partiu prontamente, pois precisava pedir permissão para papai Policarpo para prosseguir praticando pinturas. Profundamente pálido, perfez percurso percorrido pelo pai. Pedindo permissão, penetrou pelo portão principal. Porém, papai Policarpo, puxando-o pelo pescoço, proferiu: pediste permissão para praticar pintura, porém, praticando porcarias, pintas pior. Primo Pinduca pintou perfeitamente prima Petúnia. Porque pintas porcarias? Papai, proferiu Pedro Paulo, pinto porque permitiste, porém, preferindo, poderei procurar profissão própria para poder provar perseverança, pois pretendo permanecer por Portugal.
Papai, pegando Pedro Paulo pelo pulso, penetrou pelo patamar, procurando pelos pertences. Partiram prontamente, pois pretendia pôr Pedro Paulo para praticar profissão perfeita: pedreiro! Passando pela ponte precisaram pescar para poderem prosseguir peregrinando. Primeiro, pegaram peixes pequenos, porém, passando pouco prazo, pegaram pacus, piranhas, pirarucus. Pela picada próxima partiram, pois pretendiam pernoitar pertinho, para procurar primo Péricles primeiro. Pisando por pedras pontudas, papai Policarpo procurou Péricles, primo próximo, pedreiro profissional perfeito. Poucas palavras proferiram, porém prometeu pagar pequena parcela para Péricles profissionalizar Pedro Paulo. Primeiramente, Pedro Paulo, pedreiro, pegava pedras. Porém, Péricles pediu para pintar prédios, pois precisava pagar pintores práticos. Particularmente, porém, Pedro Paulo preferia pintar prédios. Pereceu pintando prédios para Péricles, pois precipitou-se pelas paredes pintadas. Pobre, pesaroso, Pedro Paulo, pereceu pintando. Permita-me, pois, pedir perdão pela paciência, pois pretendo parar para pensar. Para parar, pois, preciso pensar. Pronto...pensei. Portanto, pararei.

********************************
E tu ainda te achas o máximo quando consegues dizer: "O rato roeu a rica roupa do Rei de Roma e a Rainha de raiva roeu o resto". Se manca, analfa !!!
Autor: desconhecido
Loucura falada
- Claude Bloc -

Limpei as gavetas. Limpei as lembranças. Separei algumas fotos. Reli escritos meus exagerados. Imagens obscuras que não gosto de relembrar.

Separei num canto as coisas que já não importam. Quero guardar apenas o que me é querido e que me lembre que sou querida...

Quero papéis novos, coloridos para rabiscar minha história. Quero apenas fotos alegres dentro da gaveta. Quero lápis e canetas inteiros, para que eu os possa usar sem sustos.

Quero... quero de volta a minha caixa de eternidades onde preservo os bons amigos guardados. Nela sempre haverá espaço para um carinho recebido, para cada loucura falada.

Claude Bloc

Olavo Bilac




Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 1865 — Rio de Janeiro, 28 de dezembro de 1918) foi um jornalista e poeta brasileiro, membro fundador da Academia Brasileira de Letras. Criou a cadeira 15, cujo patrono é Gonçalves Dias.

Leio-te:


Leio-te: — o pranto dos meus olhos rola:
— Do seu cabelo o delicado cheiro,
Da sua voz o timbre prazenteiro,
Tudo do livro sinto que se evola ...

Todo o nosso romance: - a doce esmola
Do seu primeiro olhar, o seu primeiro
Sorriso, - neste poema verdadeiro,
Tudo ao meu triste olhar se desenrola.

Sinto animar-se todo o meu passado:
E quanto mais as páginas folheio,
Mais vejo em tudo aquele vulto amado.

Ouço junto de mim bater-lhe o seio,
E cuido vê-Ia, plácida, a meu lado,
Lendo comigo a página que leio.