Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

terça-feira, 5 de abril de 2011

O BARQUEIRO



 O BARQUEIRO

Um barco me transporta no rio largo.
A vinha carregada, uvas e vinho,
me espera do outro lado.
Por que temer, em meio ao esquecimento?

As formas se enfileiram sobre as águas,
dão-se as mãos, amorosamente.
Uma luminosidade diáfana envolve-nos.

O mistério é suave, flutua conosco.
As minhas palavras são o trigo e o fermento.

O sol doura o pão e doura a fome.
A língua canta ao ritmo dos remos.


A ALMA LEVE

Prostro-me por terra
na vinha do Senhor.

A uva tinge-me o corpo
e a alma leve.




MAIS UMA VIAGEM - PARTE II - (Claude Bloc)



Saí de Fortaleza de coração apertadinho. Victor sempre me pede para não ir, pra ficar mais com ele. Por isso meu coração se apertou tanto de saudade dele (meu netinho) quanto daquela apreensão que sempre antecede um voo aéreo.  

Cheguei ao aeroporto sozinha. Fui de táxi. Fiz todo o procedimento de embarque e fui almoçar. Não estava com fome. Forcei-me a comer alguma coisa, pois não iria ter tempo em Teresina.


De cima, reparei os recortes do litoral e me lembrei das aulas de Geografia de Dona Cira. Eu tinha que desenhar mapas e localizar determinadas cidades, mas sempre ficava pensando: como é que conseguiam fazer mapas antigamente sem instrumentos de precisão? Como é que numa escala tão pequena se desenhava com tanto detalhe o encontro da terra com o mar?


E meu olhar se prendeu nas paisagens. O comandante do avião anunciou que logo estaríamos em solo piauiense. A terra foi se aproximando. As nuvens foram dando passagem e os rios barrentos (Poti e Parnaíba) que irrigam Teresina, foram aparecendo.

 

Cheguei à cidade de Teresina debaixo de chuva. De longe, eu, ainda em voo, já observava a precipitação da água. Achei interessante ver aquilo de cima. Ao pisar no solo quente e chovido senti o vapor da chuva esquentando minhas pernas. A temperatura local estava em 38º, mas havia abrandado por causa da chuva.

O voo foi pontual e cheguei ao destino na hora certa. Eu iria ser atendida pelo orientador do Mestrado às 3 da tarde e às 2:40 eu já estava de prontidão.


Tudo certo, missão cumprida. Minhas colegas me aguardaram para uma carona até Sobral. Saí às 3:45h. Cheguei a Sobral às 8h da noite. Meus manos Dominique e Tony me receberam com sorrisos.

Para Crato, saindo de Sobral, não tem ônibus todo dia. Sigo pra lá amanhã à noite. Descanso na quinta. Sexta já tem aula na URCA.

Não reclamo. A vida é boa por causa desses "vai-e-vem". E fico aqui com os versinhos daquela música:

Não, não posso parar
Se eu paro eu penso
Se eu penso eu choro...

Prefiro sorrir, estar com vocês dividindo alegrias.
Claude Bloc

MAIS UMA VIAGEM - I PARTE (Claude Bloc)

Quando desapareço por uns dias, nunca é por negligência ou por preguiça. Minha vida tem que ser planejada e há algumas coisas de que não posso me esquivar.

Recebi um telefonema de Teresina. Era o orientador do meu Mestrado que finalmente iria me receber para as devidas orientações, quanto aos procedimentos, a organização e a feitura do meu trabalho.

Procurei pela internet, conexão aérea de Juazeiro a Teresina. Nada! Companhia alguma tinha essa rota. Então, pensei: tenho cortesias na empresa que sempre costumo viajar então, vou encompridar o caminho, mas chegarei a Teresina na data e horário em que esse orientador estará dispinivel para atender a mim e a duas colegas de Sobral e Acaraú.
Segui então para Fortaleza num ônibus executivo. Escolhi a rota da "Estrada do Algodão" e cheguei na capital antes das seis horas.

Quando ia chegando ao primeiro destino, o sol me despertou. No momento em que abri os olhos, vi uma maravilha de espetáculo pela janela. Peguei a câmera e fui registrando alguns momentos, quando o ônibus diminuia a velocidade.
Foi um lindo presente.



Tentei me evitar que os fios aparecessem na paisagem, na mistura de claridade e cores daquela hora.

Depois pensei: esses fios são como uma pauta de música. Dihelson bem que podia compor uma "sinfonia do amanhecer"



Mais adiante, um espelho d'água refletia o sol se enfeitando para o despertar do dia. Soltei um suspiro de bem estar. Senti uma alegria intensa tomando conta de mim. Mais lindo que isto pode ser?


Pouco a pouco o sol foi descortinando a manhã, dourando a minha alegria. Cheguei a Fortaleza. Matei a saudade do meu netinho... Depois segui voando para Teresina.

Claude Bloc

O GORDO E O MAGRO VÃO PARA O CÉU



"O Gordo e o Magro vão para o céu”

Terça – feira que vem.

Dia 12 de Abril de 2011

Teatro SESC IRACEMA ( Vizinho ao Dragão do Mar)

Fortaleza – Ceará

Peça encenada por um grupo gaúcho, de expressão nacional, que conta no elenco com o ator cratense HEINZ LIMAVERDE

REVOLTANTE - Em Crato - Você só é contra Pena de Morte até ler ISTO ( os mais fracos e crianças, não leiam... )


Dedicado ao "Dedêba", morto cruel e covardemente neste fim-de-semana


Digamos que seu Pai, sua mãe, ou seu irmão, resida na zona rural, exatamente para fugir do caos da cidade grande, pois recentemente se curou de um câncer de garganta, onde lhe foi retirada a laringe e agora não fala mais, e se alimenta através de uma sonda. Mas ainda feliz por estar vivo, acorda-se às 04 da manhã para tirar o leite das vacas, olha para o céu azulado da madrugada, contempla as estrelas, e vai começar o seu dia silencioso. Eis que de repente, numa dessas madrugadas, ao abrir a porta para o quintal, dá de cara com 3 homens armados e perigosos que o enchem de facadas, sem que ele possa gritar ou emitir ruído algum. Depois de ficar semi-morto, os bandidos ainda arrastam o corpo do seu pai, da sua mãe, ou do seu irmão ladeira acima até desfigurar o seu rosto no chão espinhoso, e em seguida colocam a sua cabeça em cima de uma pedra e com outras pedras grandes, começam a bater na cabeça dele ou dela, até os miolos saírem pelos ouvidos, até esmagarem e esfacelarem o seu crânio, e o deixam lá aprodrecendo...Por 10 reais !

Amigos, o que acabei de relatar, não é ficção. Foi o que aconteceu neste fim-de-semana num sítio da cidade do Crato-CE, próximo à "Pirrita". A vítima, chamada DEDÊBA, era um pacato cidadão que havia se curado mesmo de um câncer de garganta, e através de uma grande força de vontade, continuava a viver. Todo o motivo da sua morte, foi o simples fato de não ter atendido ao pedido de dinheiro de um covil de bandidos que faz parte de uma boca de fumo próximo ao local em que reside.

Hoje, dia 05 de Abril, Dedêba vai ser enterrado no cemitério N. Senhora da Piedade, em Crato. A polícia agiu rápido e prendeu os bandidos, sendo um, menor de idade. Mas segundo o que se vê nos jornais, o desenrolar das coisas, vocês acham que esses bandidos ficarão muito tempo atrás das grades, com a INJUSTIÇA Brasileira ?

Eu sou a favor da Pena de Morte para crimes Hediondos como esse, em que pegaram um pai de família, o torturaram e o mataram barbaramente. O que você me diz ? Você é contra a pena de morte somente até o dia em que acontecer algo do gênero ao seu Pai, seu irmão, ou sua Mãe, mas lembre-se de uma coisa: Cada pessoa morta barbaramente por criminosos dessa forma, é um Pai, é uma Mãe, e é o Irmão de alguém. Pena que não é o seu pai, senão o que você faria ?

O que vocês acham que a sociedade deve fazer com esses aí ? fazer como os judeus fizeram há 2000 anos, soltando Barrabás ?


PENA DE MORTE PARA CRIMES HEDIONDOS E CRIMINOSOS PERIGOSOS JÁ !

Dedêba, meu querido, descanse em Paz, agora que já não podem mais ferir você !

Por: Dihelson Mendonça

O Pensamento do Dia - Charles Chaplin - Postado por Dihelson Mendonça

http://3.bp.blogspot.com/-1jw6L8dLDFo/TZqQUnjcglI/AAAAAAAAWaw/1vUwnHC8anE/s1600/charles-chaplin2.jpg


"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos."

Charles Chaplin