Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Tudofel: Fator Rh, o Poema

Tudofel: Fator Rh, o Poema: Nesses dias tortos, frios ou mornos, quando a cama vira uma nave e o olho abre sonolento, sem o bote daqueles dias decisivos, numa pra...

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Tudofel: Eu boleiro

Tudofel: Eu boleiro: Relembro o momento em que fui tocado pela primeira vez pelos deuses da bola . A primeira lembrança é a Copa de 1970, quando o Brasil foi ...

CONVITE DO ESPAÇO ZEN



O espaço Zen convida você e seus amigos a ver o novo trabalho do Shivam, "Desenvolvimento Pessoal".

Começará com uma Palestra Aberta dia 27/09, às 19 horas, onde ele irá expor o conteúdo do curso, preço e tempo de atuação.

CONVITE PARA ENCONTRO COM SHIVAM

Tema do Discurso: Oeste – Leste (Uma fala sobre a diferença básica entre o pensamento Oriental e Ocidental).

Neste encontro Shivam introduzirá um curso de Desenvolvimento Pessoal com duração de oito meses, uma vez por semana, levando você aos ventos da nova era inspirando nas fragrâncias
de mestres como o Buda e Patânjali.

Tópicos
- Como se desligar da mente.
- Como atingir melhor os seus objetivos.
- Como ficar mais tranquilo no dia a dia da vida moderna.

Data: 27 de setembro, próxima quinta, às 19 horas.
Local: ESPAÇO ZEN - Praça da Sé, 91, Crato.
Contatos: (88) 3587-3851 e (88) 8825 0493

Contamos com sua presença.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Tudofel: Barbárie e Civilização

Tudofel: Barbárie e Civilização: Ao contrário de quase todos os bárbaros da minha idade, aprendi a ler e escrever em casa, sob a orientação de minha irmã Teresinha. Tin...

domingo, 23 de setembro de 2012

SETE MIL PARES DE ORELHAS DE NEGROS

 
 
Sete mil pares
de orelhas de negros
troféu macabro e sangrento
multiplicadas sementes de novos quilombos
 
Sete mil vidas
de negros audazes
não destruíram a vontade
de para sempre ser quilombola
 
Sete mil negros
quiseram ser livres
fugir das senzalas estreitas
para onde o espaço é mais amplo
e a existência se perde de vista
 
 

 
Sete mil Zumbis
esperada colheita de espigas
maduras como madura na espera a luta
como na luta renasce e cresce a esperança
como a esperança se torna um dia certeza de festa.
 
Sete mil vida de negros
plantados no ventre fértil da América
milhões de espigas douradas agora colhidas
em terras da África livre.
 
 
Do livro "PARA AMIGOS DIVERSOS".
Pedro Antonio Lima Santos

Tudofel: Vou embora pro passado

Tudofel: Vou embora pro passado: Vou embora pro passado. Lá, eu sou amigo do réu, que foi condenado ao doce saudosismo das boas lembranças. Assistir, numa tv p&b, Perdid...

sábado, 22 de setembro de 2012

Tudofel: O doce mel da poesia

Tudofel: O doce mel da poesia: Senti afinidade com a poesia (ou vocação de arauto) desde o dia em que, com menos de cinco anos de idade, recitei um poeminha no progra...

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

domingo, 16 de setembro de 2012

A força da fé - Por Carlos Eduardo Esmeraldo


A nossa fé é um dom quase que inexplicável. É a ausência absoluta de qualquer tipo de dúvida. A certeza inabalável da existência do divino e dos dons que todos nós dele recebemos, sem que para isso nada precise nos ser provado. Algo semelhante a quando desejamos encontrar uma determinada rua ou o caminho para chegarmos a uma cidade desconhecida e indagamos a um estranho como encontrá-la. Não duvidamos da informação que nos foi prestada e seguimos em frente com toda confiança, sem a menor suspeita de que o informante poderia estar nos dizendo algo que nos levaria a um precipício ou a uma emboscada.

Às vezes já me perguntaram como sendo eu um professor de matemática, ciência para qual as propriedades necessitam de provas, poderia viver a minha fé. Se não me ocorria nenhum tipo de dúvidas. Respondo que até na matemática, que se rege pelo raciocínio lógico, há verdades axiomáticas para as quais acreditamos sem nenhum questionamento. Afirmações que todo o universo tem como verdadeiras sem necessidade de demonstração.

Para vivência da fé é indispensável a virtude da humildade. Reconhecermos que somos um pequenino grão de areia na imensidão do universo. É por isso que as pessoas mais simples e humildes possuem uma grandiosa fé.

Conta-se que um pobre lenhador vivia sozinho no meio de uma mata trabalhando sem interrupção durante todos os dias. E encontrava uma forma simples de entrar em contato com Deus para que tivesse forças para o trabalho e suportar as agruras da vida e da solidão. Em sua humilde oração ele tinha a mais absoluta convicção de que era atendido. Sua reza era apenas essa: "Senhor, eu sou Joaquim, o resto o senhor já sabe."   

Certa vez, uma emissora de rádio, num de seus programas populares, colocou uma de suas ouvintes no ar. A mulher dizia estar passando muita fome, e por isso quase prestes a morrer, acrescentava. Mas tinha certeza que Deus a livraria daquela situação. Haveria de ser atendida e receberia seu alimento por alguém de bom coração. Um rico capitalista que se deslocava para sua casa com o rádio do carro ligado, ouvindo aquele apelo murmurou: "Quanta ignorância! Quero ver se essa mulher tem a fé que ela diz ter diante da prova que lhe farei". E ordenou aos seus empregados que enchessem o bagageiro do carro com uma grande feira, os mais diversos tipos de alimentos e levassem para ela com uma recomendação. Quando a mulher perguntasse quem lhe mandou aquelas compras, eles lhe dissessem que foi o demônio. E assim foi feito. A pobre mulher, posta diante de tantos mantimentos agradecia a Deus por ter escutado a sua voz. Mas os empregados daquele ricaço, insistiram:
- "A senhora não vai perguntar quem lhe mandou essas compras?"
- "Não me interessa. Deus ouviu o meu clamor."   
Então os homens disseram:
- "Olhe, quem lhe mandou essa rica feira foi o diabo!"
- "Como o meu Deus é grande! Até o diabo obedece a Ele!" Respondeu a fé daquela humilde mulher.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo

sábado, 15 de setembro de 2012

Tudofel: A garota mais linda da rua

Tudofel: A garota mais linda da rua: Creio que todos os homens têm bem nítida na memória a imagem indelével de uma mulher. Pode ser a própria mãe, e geralmente o é. Pode se...

Se ligue!


Solenidade de assinatura da Ordem de Serviço do Sítio Fundão acontece na manhã desta sexta



A Reitora da Universidade Regional do Cariri (URCA), Professora Otonite Cortez, e o Vice-Reitor, Patrício Melo, participaram na manhã de ontem, 14, da assinatura da Ordem de Serviço no Parque Estadual do Sítio Fundão, no Geossítio Batateira, pelo Presidente do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente do Estado do Ceará (Conpam), Paulo Henrique Lustosa. O evento acontece na entrada da Unidade de Conservação de Proteção Integral do Governo do Estado.

O presidente do Conpam vai assinar a ordem de serviço para a Construtora Adois fazer todo o cercamento da Unidade de Conservação e também uma nova guarita, vez que a existente está sem portas e janelas. Com isso, dá início a primeira etapa de obras para revitalizar o Sítio que fica no bairro Franca Alencar, em Crato, e compreende uma área de 93,54 hectares.

A cerca verde será feita em painéis de arame galvanizado e a guarita em tijolo maciço. O prazo para entrega da obra é de 120 dias e custará R$1.150.000,00. Os recursos, segundo informações do Presidente do Conpam, são originários de medidas de compensação e sua aplicação mostra o quanto o Governo reconhece o inestimável valor histórico, cultural e ecológico da área.

O Parque possui uma flora e fauna bem diversificada, na qual nos deparamos com espécies da caatinga e do cerrado, estes remanescentes da mata atlântica, fazendo parte do Geossítio Batateira, área do Geopark Araripe.

FONTE: ASSESSORIA DE IMPRENSA DA URCA

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Exposição em homenagem aos 100 anos de Luiz Gonzaga continuará aberta até dezembro




Continua aberta na Universidade Regional do Cariri – URCA a Exposição Temática “(en)canto: natureza e cultura do Araripe na obra de Luiz Gonzaga o Rei do Baião”, alusiva ao centenário do cantor. Aberto no último dia 22, está sendo desenvolvida  uma programação que vai desde oficinas, com materiais recicláveis, por meio da Pró-Reitora de Extensão e o Geopark Araripe.

Segundo a Pró-Reitora de Extensão, Sandra Nancy, a Exposição dá lume às expressões populares decantadas com originalidade e encanto, revelando outras faces do Nordeste que Gonzaga ajudou a construir. A abertura contou com apresentações de grupos de Exu, cidade natal do Rei do Baião.

A Mostra estará aberta ao público até o mês de Dezembro, quando será celebrado o aniversário de nascimento de Luiz Gonzaga. A cada dia 13 dos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro acontecerão apresentações artísticas envolvendo artistas e grupos culturais, como também serão oferecidas oficinas ministradas pelos monitores do GEOPARK Araripe.

Fonte: Assessoria de Comunicação da URCA

Tudofel: Viagem à Mauridérnia (A chegada)

Tudofel: Viagem à Mauridérnia (A chegada): Por volta do meio da tarde chegamos ao esperado destino. Fomos direto para o Hotel Frei Damião, conforme nosso contato tinha orienta...

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

domingo, 9 de setembro de 2012

sábado, 8 de setembro de 2012

Flor do Pau-Brasil é mais um dos lindos presentes da natureza para a nossa Pátria



Flor do Pau-Brasil: quatro pétalas amarelas e uma vermelha. Exala um odor peculiar e agradável (Foto: Blog Reviver Saúde Holística)

Não existem no Cariri cearense mudas do autêntica autêntico Pau-Brasil, árvore que deu nome ao nosso País. Em Juazeiro do Norte existe uma “Travessa Pau-Brasil” que tem início na Avenida Humberto Bezerra. Em Crato nem isso. Aqui o Pau-Brasil passa batido.
Flor do Pau-Brasil surge somente uma vez por ano. Tem quatro pétalas amarelas grandes e uma pequena no centro, de cor vermelha. Exala um odor muito peculiar e agradável, próximo do Jasmim, mas um pouco mais suave. A madeira do Pau-Brasil (Caesalpinia echinata) tem uma cor avermelhada. Segundo historiadores, a extração desta árvore para produção de resina e comércio da madeira representou, no século 16, a primeira atividade econômica da recém-descoberta ‘Terra de Santa Cruz’. O nome ‘Ibirapitanga’, em tupi, significa ‘Madeira Vermelha’.

Curiosidades - O Pau-Brasil (antes de receber este nome) era usado como matéria-prima para fabricação da tinta utilizada para colorir roupas no Iêmen. Seu nome em árabe foi então traduzido para o idioma toscano verzino e, porteriormente, recebeu a versão francesa ‘Brésil’, que deu origem ao nome ‘Brasil’. Caesalpinia é uma homenagem do botânico francês Charles Plumier ao também botânico e médico italiano (de Arezzo) Andrea Cesalpino. Echinata, em latim, é ‘com espinhos’, isso porque as vagens do pau-brasil são cobertas por eles.

(Postado por Armando Lopes Rafael, a partir de uma matéria publicada no jornal “Estado de S.Paulo”).

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

8 de setembro: aniversário de Nossa Senhora


Fonte Wikipédia


O nascimento de Nossa Senhora ou a Natividade de Maria é uma festa litúrgica da Igreja Católica celebrada no dia 8 de setembro, nove meses após a sua Imaculada Conceição, celebrada em 8 de dezembro. Esta festa tem sua origem em Jerusalém. Começou a ser celebrada no século V como festa da Basílica Sanctae Mariae ubi nata est, atualmente cohecida como Basílica de Santa Ana. No século VII, já era celebrada pelas igrejas bizantinas e em Roma, como festa do nascimento da Bem-Aventurada Virgem Maria. A festa foi incluída no calendário tridentino em 8 de Setembro e permanece, até hoje, nesta data.

De acordo com a tradição, Maria nasceu de pais já velhos e estéreis, chamados Joaquim e Ana, como resposta às suas preces. A paciência e a resignação com que sofriam a esterilidade levaram-lhes ao prêmio de ter por filha aquela que havia de ser a Mãe de Jesus. Eram residentes em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Santa Ana; e aí, num sábado, 8 de setembro do ano 20 a.C., nasceu-lhes uma filha que recebeu o nome de Miriam, que em hebraico significa "Senhora da Luz", passado para o latim como Maria. Maria foi oferecida ao Templo de Jerusalém aos três anos, tendo lá permanecido até os doze anos.


(Postado por Armando Rafael)

Barbalha mantém tradição do Dia da Pátria -- por Armando Lopes Rafael

Nas fotos, o desfile  na cidade de Barbalha   
   Quantas saudades sentimos dos antigos “Desfiles Cívicos de 7 de Setembro” realizados nas cidades caririenses... Esses desfiles – também chamados “Paradas do Dia da Pátria” – enchiam as nossas ruas com os alunos dos  colégios e ginásios – com suas fardas de gala –  desfilando ao som das bandas  marciais – composta por tambores e clarins – que eram  precedidas pelas “balizas”, as mocinhas bonitas e garbosas que manejavam um bastão... Havia, ainda, a figura do Porta-Bandeira a conduzir o pavilhão brasileiro, símbolo maior da nossa Pátria.

       Infelizmente já não se fazem no Cariri os desfiles de 7 de Setembro de antigamente! Hoje é comum vermos os pelotões dos alunos de nossas escolas vestidos com camisas de times de futebol. Outros  desfilaram representando as modalidades esportivas das últimas Olimpíadas, que vão do judô ao voleibol. 
       A exceção continua sendo a cidade de Barbalha, que mantém a tradição dos desfiles cívicos.  E com uma peculiaridade: a Parada Escolar ali acontece sempre no dia 6 de setembro, ou seja, na véspera do Dia da Pátria. E isso graças ao tradicional Colégio Santo Antônio, fundado em 1947 com o nome de Ginásio Santo Antônio, administrado desde sua fundação até 1999 pelos Padres Salvatorianos e, mais recentemente, dirigido pelo professor Giuseppe Sampaio,  que vem preservando a beleza do desfile de 7 de Setembro na Terra dos Verdes Canaviais.
        Neste ano, o desfile do Colégio Santo Antônio de Barbalha  manteve a tradição e cultura dos seus 65 anos de existência. Ao invés das músicas de pagodes, forrós e lambadas (que se veem atualmente  nos desfiles de outras cidades), os estudantes daquele educandário  desfilaram pelas ruas ao som de músicas cívicas,  como o Hino de Barbalha, Hino da Independência, canções militares, culminando com a execução do Hino Nacional Brasileiro, ao fim do desfile.
       Predominou em Barbalha a profusão das cores verde-amarela – as cores da nossa bandeira – enquanto noutras cidades da região o que vimos foram  pelotões de alunos com camisas de times de futebol, ou com a farda surrada do dia-a-dia, em meio à algazarra e desorganização...
          Parabéns ao Colégio Santo Antônio de Barbalha que não cedeu às exigências da dita “modernidade”,  que outra coisa não é senão a  decadência do civismo e outros modismos que destruíram a beleza e o significado das antigas paradas de 7 de Setembro...

Tudofel: Passeio sentimental pelas ruas do Crato (A música ...

Tudofel: Passeio sentimental pelas ruas do Crato (A música ...: Prossegui o passeio, em busca do centro da cidade. Passei na loja de Amilton, que, além de receber pagamento de títulos e contas,...

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

7 de setembro de 1822: o dia em que nasceu o Brasil -- por por Carlos Roberto Bastos Pereira





O dia 07 de setembro é uma das datas significativas da construção do patriotismo e do sentimento de orgulho para o Brasil e para os brasileiros. Porém, o comportamento de grande parte dos brasileiros atuais tem sido de algum descaso para com a efeméride. Trata-se de um processo de esquecimento e vergonha de sermos o que somos, destruindo o sentimento de patriotismo.

O 07 de setembro é a data em que se comemora o dia da Independência do Brasil, que outrora era colônia de Portugal. A historiografia atual nos fornece elementos para melhor descortinar as condições e os fatores que levaram ao processo de emancipação do Brasil. Contudo, o Grito de Independência dado às margens do riacho do Ipiranga, em São Paulo, por D. Pedro, em 1822, se tornou um ato simbólico dentro deste processo. Nossa Independência Nacional, por mais sinuosa tenha sido, tornou-nos livre para criar e erguer um novo país, uma nova pátria, um novo Estado, nas Américas.

Embora seja considerado como um ato simbólico, tal atitude indicou a ruptura que se processava desde a saída da família real portuguesa do Brasil, em 1821, após a eclosão da Revolução do Porto de 1820. O gesto do então Príncipe Regente D. Pedro, no qual declarou a independência do Brasil, pode ser visto como a força do modus operandi de uma época; as estruturas mentais da sociedade se baseavam, fortemente, nas forças das palavras e ações dos homens, em virtude das reminiscências do cavalheirismo medieval e dos diversos militarismos ancestrais. Os homens buscavam cumprir com suas palavras e manter as ações de acordo com suas convicções, nas quais a ética e a moral vigentes representavam o norte.

Os príncipes e os nobres eram movidos por valores ainda bastante eivados dos ideais de virtude, honra e glória, sendo inconteste que a personalidade de D. Pedro de Bragança (1798-1834) trazia essas marcas e que sua adesão ao processo emancipatório forjado por José Bonifácio de Andrada e Silva (1763-1838) se deveu em grande parte a esse pesanteur des origines, parafraseando o grande Marc Bloch.

De maneira que somos herdeiros dessa grande tradição de heróis nacionais e que negar isso é, por óbvio, deixar de ser Cidadãos…
Infelizmente, um dos males do Brasil republicano foi legitimar a República através do olvidamento, do desprezo e da reescrita da história de nossa Monarquia. Na didática do ensino de História, faz-se importante ressaltar a ação de pessoas que se destacaram no processo da Independência, assim como é interessante explicar os símbolos da nacionalidade. A problematização deve ser uma constante, mas a iconoclastia deve ser bem elaborada e bastante cuidadosa.

A antiga matéria da grade curricular “Educação Moral e Cívica”, tão associada à ditadura militar brasileira (1964-1985), tinha aspectos evidentemente positivos e uma nova versão desse estudo deveria ser implementada pelo Poder Público.
As datas históricas têm fundo místico; as mudanças e as permanências que elas engendram são carregadas de energias e forças. Isto não pode ser relegado.


O ser humano precisa de heróis. Eles são arquétipos. Em sua humanidade, nunca deixaram de agir por interesses, ora excelentes e santos, ora mesquinhos e diabólicos, mas deixar de valorizar sua heroicidade não ajuda em nada o processo, que deve ser cotidiano e continuado, de exercer a cidadania. De construir uma Nação includente e justa para todos.
Viva o Sete de Setembro!
Viva o Brasil!

(Postado por Armando Lopes Rafael)

Tudofel: Passeio sentimental pelas ruas do Crato (A Feira d...

Tudofel: Passeio sentimental pelas ruas do Crato (A Feira d...: A Feira do Crato   já não e mais aquela do meu tempo de criança. Na década de 1970, a feira do ocupava as principais e centrais r...

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Um artigo polêmico: "A morte de uma civilização" -- por Luiz Sérgio Solimeo




Os novos bárbaros são o fruto de uma deseducação que recebem da sociedade, das escolas, dos lares destruídos, de uma mídia e uma indústria do entretenimento enlouquecidas.

O mundo ocidental ex-cristão vai afundando num mar de lama, em meio a trevas cada vez mais densas. O vício e o erro são glorificados enquanto a virtude e a verdade perseguidas. Orgulha-se não mais da retidão moral e do primado da razão, mas do libertinismo e do domínio da irracionalidade, da “desconstrução” dos conceitos que sustentam a vida de pensamento.

A crise da família, a perversão da juventude, o crescimento da violência gratuita, sem sentido, ou fruto de uma criminalidade cada vez mais intensa, vai se alastrando mais e mais.

Assistimos ao tenebroso ocaso de uma civilização, uma nova invasão dos bárbaros, mas que não vem de fora cavalgando pelas estepes ou cruzando os mares em barcos arrojados, mas nascem e crescem neste mundo que eles vão destruir. São o fruto de uma deseducação que recebem da sociedade, das escolas, dos lares destruídos, de uma mídia e uma indústria do entretenimento enlouquecidas.

Nenhuma civilização se mantém e progride sem ter por base um pensamento lógico e coerente e uma moral sólida e consequente. Em outros termos, a verdade e o bem são os pilares sobre os quais se alicerçam uma vida social, cultural e religiosa que dão sentido à vida individual e coletiva dos povos. Sem isso se tem o caos. Caos nas mentes, nos costumes, e na sociedade.

A corrida atrás de uma liberdade absoluta, sem freios, fez com que o homem abandonasse toda restrição imposta pela moral, pela lógica e mesmo pela natureza. A desconstrução da verdade e do bem o levou a desconstruir a realidade de seu próprio corpo negando a evidência do seu gênero sexual conforme a anatomia e a fisiologia de seu corpo, lançando-se na irrealidade da cultura homossexual.

Sem a verdade para guiá-lo e sem a moral para dirigi-lo, o homem ficou como um náufrago perdido na imensidão do mar e deixando-se levar pelo vagalhão das ondas, sem rumo definido e sem finalidade ou direção.

Quando, a partir do Renascimento, a civilização ocidental começou a voltar as costas para a “filosofia da Evangelho” que, segundo o Papa Leão XIII, caracterizou a Cristandade medieval, iniciou-se um longo processo de apostasia que chegou até a esta sociedade virtualmente atéia de hoje.

Rejeitando o cristianismo, esta decadente civilização rejeitou a Cristo; e rejeitando Aquele que é a própria Verdade, ela passou a amar o erro e portanto a irrealidade, o mundo da fantasia. Afastando-se da verdade e do bem, esta sociedade passou a buscar sua satisfação no pecado, imergindo-se no pecado, na revolta contra Deus.

Esta é a razão pela qual esta civilização vai morrendo, porque como nos lembra São Paulo, “o salário do pecado é a morte” (Romanos, 6:23).

Tudofel: Passeio sentimental pelas ruas do Crato (Da Rua da...

Tudofel: Passeio sentimental pelas ruas do Crato (Da Rua da...: Do Largo da Rffsa decidi ir até a feira, hoje localizada na beira do canal, a partir do Mercado Walter Peixoto. Para chegar lá fui, i...

terça-feira, 4 de setembro de 2012

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Tudofel: Licor de Jenipapo

Tudofel: Licor de Jenipapo: Tenho uma mancha escura na parte interna da coxa direita. Nasci com ela. Uma mancha escura no corpo de recém-nascidos é considerada u...

População da Diocese de Crato ultrapassou 1 milhão de habitantes



O IBGE divulgou no último dia 31 de agosto, as estimativas das populações residentes nos 5.565 municípios brasileiros, com data de referência em 1º de julho de 2012. A tabela com a nova estimativa da população brasileira  foi publicada no Diário Oficial da União (D.O.U.) do dia 31 de agosto último.

Abaixo, em ordem alfabética,  a população dos municípios que compõe a Diocese de Crato, que conta agora com 1.001.461 habitantes.

1  - Abaiara – 10.815
2  - Altaneira – 7.033
3  - Antonina do Norte – 7.056
4   - Araripe – 20.848
5  - Assaré – 22.633
6  - Aurora – 24.470
7  - Baixio – 6.072
8  - Barbalha – 56.576
9  - Barro – 21.742
10 - Brejo Santo – 46.207
11 - Campos Sales – 26.648
12 - Caririaçú – 26.471
13 - Crato – 123.963
14 - Farias Brito – 18.859
15 - Granjeiro – 4.551
16 - Ipaumirim – 12.080
17 - Jardim – 26.730
18 - Jati – 7.647
19 - Juazeiro do Norte – 255.648
20 - Lavras da Mangabeira – 31.073
21- Mauriti – 44.836
22 - Milagres – 28.204
23 - Missão Velha – 34.529
24 – Nova Olinda – 14.586
25 -  Penaforte – 8.483
26 - Porteiras – 14.971
27 - Potengi – 10.448
28 - Salitre – 15.684
29 – Santana do Cariri – 17.219
30 - Tarrafas – 8.865
31 - Umari – 7.562
32-  Várzea Alegre – 38.952

Total 1.001.461  habitantes

                                      Conurbação Crajubar tem 436 mil habitantes

   O triângulo formado pelas cidades de Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha – conhecido como “Triângulo Crajubar” – soma agora 436.187 habitantes. Já a região Metropolitana do Cariri, que além dessas 3 cidades, inclui ainda os municípios de Caririaçu, Farias Brito, Jardim, Missão Velha, Nova Olinda e Santana do Cariri passou a contabilizar  uma população de 574.581 habitantes.

domingo, 2 de setembro de 2012

sábado, 1 de setembro de 2012

Romancista cratense Ronaldo Correia de Brito lança novo romance nesta 2ª feira, 3


(Excertos de reporgem publicada n'“O Estado de S.Paulo)

Ronaldo Correia de Brito relata o processo de criação de "Estive Lá Fora"


Em Estive Lá Fora, como em Galileia, trato de famílias. Embora quase toda ação transcorra no Recife, a trama também remete ao Sertão dos Inhamuns, um dos cenários que mais visito. Dessa maneira, mantenho os vínculos com a paisagem de meus livros anteriores. O sertão alimenta o imaginário do personagem Cirilo, irmão de Geraldo; os antigos crimes da família o atormentam e o fascinam para a morte.

Ali estavam as 296 páginas do romance que eu pensava escrever desde que cheguei ao Recife para candidatar-me à universidade, e deparei-me com a ditadura militar, mais evidente e chocante do que no interior cearense, de onde eu viera. O terror adquiriu feições diferentes nas cidades brasileiras, recrudescendo em tempos desiguais, conforme a resistência política de cada Estado. No Recife, marcado pelas revoluções de 1817 e 1824, com um saldo de mortos e banidos que a história oficial não costuma referir, as pessoas pareciam habituadas à luta. Já no primeiro dia após o 31 de março, estudantes de Engenharia marcharam até o Palácio das Princesas e foram recebidos a bala, morrendo dois jovens no embate. Em 1969, ano em que cheguei à cidade, as forças de repressão haviam assassinado o padre Henrique, de apenas 28 anos, um sociólogo que trabalhava com o arcebispo dom Helder Câmara. O enterro tornou-se um dos mais emocionantes atos públicos contra a ditadura, acompanhado por 20 mil pessoas no percurso de dez quilômetros do bairro do Espinheiro ao cemitério da Várzea, com várias paradas por conta de ações da polícia e prisões de manifestantes.

Tentei recriar a atmosfera de horror do fim da década de 1960, quando as medidas provisórias e os atos institucionais haviam limitado direitos civis e liberdade de expressão. Fora das polaridades direita e esquerda, comunismo e capitalismo, o Recife também pulsava, como o restante do mundo, nos ecos da contracultura e do movimento hippie.

ESTIVE LÁ FORA
Autor: Ronaldo Correia de Brito
Editora: Alfaguara
(295 págs., R$ 44,90
)

Tudofel: Nossa Senhora da Penha

Tudofel: Nossa Senhora da Penha: Hoje é o Dia da Padroeira do Crato, Nossa Senhora da Penha. Como todo “bom” cratense, tenho uma devoção especial para com Ela. ...