Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Coisas nossas, por Zé Nilton



De Pedro Honório e da agonia do mundo rural.

Para o professor Carlos Rafael Dias.

Este é o famoso Pedro Honório Carlos de Melo, ou só Pedro Honório, conhecido por todas as gentes espalhadas pelos quadrantes da Chapada do Araripe.

Sua família chegou ao Juazeiro quando ainda estavam bem quentes os acontecimentos turbulentos originados pelo fato de a beata Maria de Araújo derramar sangue da boca, enquanto tomava a comunhão. O acontecimento calou fundo nos corações e mentes dos nordestinos, e eles acorreram para o Juazeiro, a terra santificada. Era o começo do Século XX, e o início da inventiva engenharia de Juazeiro como cidade destino das almas em busca de salvação.

Pe. Cícero, segundo a História, procurou acomodá-los pelas terras da Serra de S. Pedro e, em seguida, pelas terras devolutas da Chapada do Araripe. Não teria sido fácil. Romeiros relutaram ao enfrentar matas virgens cheias de onças, de cobras e de caça.

Os avoengos de Pedro Honório, vindos do Rio Grande do Norte, acreditaram no padrinho, e subiram a serra. Ocuparam grandes porções de terras. Ali se reproduziram social e economicamente. Fundaram uma grande família – os Honório – que ainda hoje estão por lá, embora muitos tenham arribados rumo ao Brasil de cima, à procura de dias melhores.

Pedro Honório ficou, e fincou raízes. Homem muito disposto, empreendedor e pessoa de rara sabedoria. Tem posições próprias sobre a vida, a natureza, a política e tudo o mais. Discute com o interlocutor sobre qualquer assunto, e rebate, e debate à sua maneira. E quando se pensa que ele não entendeu, engoliu a isca dos “homens da cidade”, ou foi vencido pelos argumentos, qual o quê; nada disso. Ele fica certo tempo a matutar – olha que verbo adequadíssimo para o caso de Pedro Honório. E o homem matuta mesmo, sem matutagem, porque ele não é matuto.

Mas tudo o que está escrito atrás é para falar também do desmoronamento do mundo rural. A cada dia os tentáculos do capitalismo, através de seu maior e eficiente instrumento – o Estado -, adentram a vida campesina, e ela vai se transformando, ou tomando um jeito meio “esquizóide”, entre ser ou não ser camponesa.

E o velho Pedro Honório, quase noventão, faz tempo vem cismando sobre isto. E quando fala do passado, diz de um tempo de abundância, de sua condição de camponês “forte”, de um mundus criado e vivido por todos sob a cultura do dar, receber e retribuir.

Hoje, só lembranças, em meio as perdas de quase tudo o que fora no passado.

Ele faz seu lamento em forma de poesia, forma detestada pela “besta fera”, onde tudo é dissolução.

Eu tinha muita mandioca
Fazia muita farinha
Possuía muita besta
Um cavalo e uma poltrinha
Também tinha muito gado
Tinha vaca, bezerrinha
Também tinha muito porco
Criava muita galinha
Também tinha muito negro
Muitos negros e negrinhas

Deu um morfo na mandioca
E a crueira na farinha
Deu uma roda no cavalo
E um escancho na poltrinha
Deu um mal triste na vaca
Caruá na bezerrinha
E deu um ronco nos porcos
Um incruge nas galinhas
E deu sarampo nos negros
Catapora nas negrinhas

Baixou a desgraça em riba
E acabou tudo que eu tinha...(
Pedro Honório).

Coisas nossas falar do passado e das pessoas que encontramos pela vida. O mundo rural agoniza e pode mudar, e como anda mudando depressa, mas as pessoas que nos tocam, em qualquer dos mundos, continuam as mesmas em nossas recordações...

Mudando de assunto, hoje, no programa Compositores do Brasil, começando às 14 horas, na Rádio Educadora do Cariri: www.radioeducadora1020.com.br, diremos um pouco de Aldir Blanc e de suas letras musicadas por grandes compositores.

Um bom final de semana.

4 comentários:

Armando Rafael disse...

Desde que li o livro do prof. José Nilton de Figueiredo: “A (Con) sagração da vida–Formação das Comunidade de Pequenos Agricultores da Chapada do Araripe”, passei a concordar com o prof. Peter Schröder (faz tempo que não escrevia um trema, banido que foi este aristocrata acento da língua portuguesa, por conta da última reforma ortográfica)... sim, mas como ia dizendo, concordo plenamente com o prof. Peter Schröder quando ele escreveu: “A Chapada do Araripe é um mundo singular”.

Zenilton não somente se fez Mestre (literalmente) na Antropologia e Sociologia dos habitantes da Chapada do Araripe. Ele se apaixonou por aquele mundo singular.

Não somente se familiarizou com a cultura do homem araripano, mas até comprou um sitiozinho por lá – mais precisamente na Minguiriba – e dele fez seu refúgio, quando quer fugir da monotonia da agitação da cidade (e também dessa sociedade consumista, hipócrita e decadente que se tornou a conturbação Crajubar).

Zenilton é um homem feliz!

Nos últimos seis anos, fui duas vezes a Minguiriba. E pretendo voltar ainda lá, para desfrutar daquele clima ameno, dos papos com Pedro Honório e, principalmente, assistir às Renovações ao Sagrado Coração de Jesus que Zenilton promove uma vez por ano, e que termina num supimpa banquete, oferecido pelo anfitrião e sua esposa, onde se come galinha caipira transformada em cabidela, leitão assado no rolo, baião-de-dois com pequi e paçoca pilada com cebola roxa. Tudo regado com uma cerveja geladíssima ou um trago de uma caninha amarela.

Mas o melhor de tudo é ouvir a velha senhora que “tira” e a Renovação do Santo. Ela é fidelíssima ao texto religioso. Basta dizer que começa a reza lendo assim o texto: “Nihil Obsta. Publique-se. Assinado Dom Francisco de Assis Pires, bispo do Crato– Monsenhor Antônio Feitosa, Censor Diocesano, Ad Hoc, Crato 08 de dezembro de 1955”.

Um ambiente desse é de fazer inveja aos ricaços, os quais, deixando suas mansardas, vão aos decadentes clubes sociais do supedâneo da Chapada, e se entufam de uísque 12 anos, em meio às fofocas sobre a roubalheira de Palocci e lamúrias sobre a máquina voraz do governo na cobrança dos impostos?
Viva a Minguiriba!
Vivaaaa....

Carlos Rafael disse...

Zé Nilton,

Grato pela dedicatória. O seu artigo, enfocando o Mestre Pedro Honório, só podia dar no que deu: inspiração e pura beleza. Sou um privilegiado de poder privar do convívio desse verdadeiro sábio, pós-graduado na Universidade da Vida.

Zé NIlton disse...

Ave, Armando, você me descobriu.É isto. Acompanho a cultura local com muito zelo e respeito. Fazemos a renovação do santo todo ano. Logo eu um descrente, mas crente na força dos homens que fazem de tudo para se manterem nas trocas com o sagrado.
E tem mais: neste mês será inaugurada a Capela do Sagrado Coração de Jesus do Sítio Minguiriba. Doeu o terreno, botei mão na massa, com todos da comunidade.
Fí-lo alimentado por princípios e não por devaneios teóricos que orientam práticas sociais.
E fui buscar em Emille Durkheim, um dos fundadores da Sociologia, tido como consevador, a inspiração para a motivação em manter as forças simbólicas que dão suporte a permanência de uma vasta população morando na Serra do Araripe.
Ele disse que "a religião é uma coisa eminentemente social. As representações religiosas são representações coletivas que exprimem realidades coletivas; os ritos são maneiras de agir que não nasceram senão de grupos reunidos e que estão destinados a suscitar, a manter ou a refazer certos estados mentais desses grupos" (Durkeim, Emile. "Sociologia da Religião e Teoria do Conhecimento". Sociologia, São Paulo: Editora Ática, 1990.
Disse melhor do que o velho Marx, ou não.
Então, para alguns, que aliás não são das Ciências Sociais, as coisas são bem bonitinhas: tem direita, esquerda e a ideologia tramando as posições, nem sempre com princípios que antecedem qualquer visão de mundo.

Armando Rafael disse...

Onde escrevi:
"conturbação Crajubar"
leia-se:
conurbação Crajubar.
Ou seja, o coração da Região Metropolitana do Cariri.