Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Xeque-Mate


Entre 1997 e 2007 houve 41 chacinas em escolas americanas. A sociedade IANQUE ainda hoje se debruça sobre essa epidemia, sem conseguir entendê-la. Por que ? Cultura? Facilidade de acesso às armas? Desagregação familiar? Em Abril, tivemos um ataque semelhante aqui no Brasil , numa escola de Realengo, no Rio, quando treze estudantes foram trucidados. Em todos esses casos, aparentemente, personalidades psicopatas agiram como atores das tragédias. Diferente de outras tantas ocorridas no Brasil, de fundo eminentemente político-social : Carandiru (1992), Candelária(1993),Vigário Geral (1993), Eldorado do Carajás (1996), Presídio de Porto Velho (2003),Reserva Roovselt-Rondônia( 2004), Baixada Fluminense( 2005), Guaíra –Paraná (2008). Tantos e sucessivos massacres por um lado assombraram a população pela crueldade, mas de tão sub-reptícios terminaram por adquirir um estranho ar de normalidade, até porque os culpados raramente pagam penas condizentes com as atrocidades cometidas.

Recentemente, o mundo extasiou-se com um episódio igualmente terrível. Desta vez, na Noruega, uma das únicas/últimas ilhas de pacifismo deste mundão conturbado. Um ex-cidadão modelo, chamado Breivik, chacinou 77 pessoas , montado em obscuras idéias de um Fundamentalismo de Direita. Os massacres americanos parecem fortemente relacionados com distúrbios comportamentais de mentes psicopatas impelidas por Bulling ou pela frustração de terem perdido o bonde da história do american way of life. As brasileiras, na sua maioria, advêm de conflitos de terra, brigas do tráfico e despreparo dos órgãos de repressão. O que ocorreu na Noruega, no entanto, nos remete imediatamente a uma das maiores chagas da história do homem na terra: à Intolerância que já nos turvou a história com episódios como : As Cruzadas, as Jirard´s, a Inquisição, o 11 de Setembro, os Campos de Extermínio de Judeus, os Gulag´s, o Colonialismo em suas mais diversas facetas. A Intolerância, a impossibilidade de conviver com as diferenças, certamente é o mais profundo pântano da história da humanidade e aquele que mais nos distancia da inteligência e racionalidade.

Reflitamos sobre algumas dessas formas de Intolerância. Primeiro , a Religiosa que sempre esteve como interruptor da maioria das guerras. O Afeganistão, o Iraque, a Ásia e a África vivem sob a cortina de regimes fundamentalistas em eterno confronto com os valores ocidentais. Essa violência, no entanto, sempre teve mão dupla e os islâmicos, historicamente, sofreram perseguições e violências de toda espécie. O colonialismo ibérico, inglês, francês e americano levou junto consigo a perseguição das religiões locais e a destruição implacável de templos, objetos sacros e sacerdotes.

A Xenofobia é uma outra forma terrível de intolerância e foi aquela que tangeu Breivik na sua loucura. Grupos de Extrema Direita pululam na Europa e se opõem aos imigrantes, combatendo-os e perseguindo-os, com a estreita visão que eles irão tomar os empregos disponíveis. No Brasil, os Skinheads voltam seu ódio contra os nordestinos. A crise global do Capitalismo tende a piorar o quadro. A Direita xenófoba esquece que a imigração foi criada pelo colonialismo dos países ricos que sugaram toda a riqueza do terceiro mundo, bailando depois como ilhas de felicidade e bem-estar, esquecendo que um dia chegaria a conta para ser paga. Historicamente, o Sul e Sudeste do país fizeram o mesmo com o Norte-Nordeste e agora reclamam das levas de nordestinos que vão para lá, buscando uma parte da verba de que têm direito. Sem esquecer que vítimas do Colonialismo predatório, boa parte dos migrantes são etnicamente europeus, se avalia que 3/ 4 dos Sul-Americanos têm origem perfeitamente européia.

A Homofobia é uma das outras graves facetas da Intolerância. Enquanto juridicamente se avança no sentido de reconhecer os gays nos seus mais primais direitos , recrudesce a perseguição e só no ano passado quase 7000 denúncias foram feitas no Brasil de casos vergonhosos de homofobia. Em pleno Século XXI, os homens não conseguem sequer uma convivência minimamente educada com seus semelhantes. Recentemente , em São Paulo, um pai teve a orelha decepada por um grupo de homófobos ao beijar o filho: imaginaram se tratar de carícias entre namorados .

O Racismo , por incrível que possa parecer, tem recrudescido em todo mundo. Países como Alemanha, Reino Unido e Rússia tem presenciado grupos neonazistas em desfile e ataques a negros repetidamente. O Brasil ,que dá um exemplo ao mundo pela sua fabulosa miscigenação, ainda convive com esse tipo de intolerância cotidianamente. Esquecemos a terrível dívida que temos para com os afro-descendentes que arrancamos dos seus países e os escravizamos em terras brasileiras por mais de 300 anos. É bom lembrar que a etnia afro, padecente de todas as inimagináveis vicissitudes, talvez tenha sido a que mais marcou o Brasil culturalmente.

Toda evolução, todo modernismo, todo desenvolvimento tecnológico do planeta, a aparente queda das fronteiras físicas com a Globalização , tudo isso tem apenas tornado , estranhamente, a humanidade mais intolerante, mais inapta a conviver com as diferenças. As novas gerações poderiam apagar esse estopim, mas as escolas já os formam intolerantes, estimulando a concorrência, formando soldados e não cidadãos. Breivik é apenas um pequeno peão no grande tabuleiro da política mundial, mas sua jogada é tão previsível como a do Bispo, da Rainha e do Rei, só que nesse jogo cruel não há ganhadores; no final as peças estarão todas desarrumadas pelo chão e o tabuleiro terá incendiado.

J. Flávio Vieira

2 comentários:

Jacques Boris Daniel disse...

Mais uma vez venho ler uma das postagens e como sempre bem escrita e de fácil leitura,mas o poder é maior que homem,o egoismo é maior que a'lma,o capitalismo é o bicho mais cruel em cima da terra e normalmente são minorias que as tens,mas quem paga aconta sempre é a maioria.Tem um ditado que diz briga de cachorro grande,mas quando esse ditado passa a ser entre dois países,vem a guerra e pagamos a conta com nossos filhos etc.
Vem também os traficantes que são "minorias" para galgar rios de dinheiro"Capitalismo" levando nossos jovens filhos ao vicío"Guerra". Bem quando os governantes govenarem para o povo talvez o mundo mude,mas essa guerra estamos perdendo"Egoismo".
Se um deles fosse escrever o título não seria Xeque-Mate e sim Mate o Xeque "poder".


Um forte abraço

Jacques Bloc Boris

or.dias 61@gmail.com disse...

Concordo com tudo. É preciso que alguem abra os olhos,senão vamos retroceder pelo egoismo.