Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

BISAFLOR CONTA HISTÓRIAS

A LENDA DA FLOR DE ANAHÍ
Anahí – que é bela como a flor de ceibo

Anahí era uma índia da tribo Guayaquí, da família dos guaranis, que habitavam as terras banhadas pelos rios Paraná e Uruguai.
Os guayaquí eram conhecidos pela força e determinação que tinham para defender suas terras, pois tanto os homens como as mulheres eram guerreiros.
Anahí, a índia menina, se destacava na tribo pela bravura e, também, pela doçura de sua voz quando entoava os cânticos da sua raça. Ela corria sozinha pelo mata conversando com os animais, com as flores, com as aves. Quando Anahí cantava tudo na natureza parava para escutar, até o rumoroso rio parecia calar para ouvir a melodiosa voz da brava menina.
Viviam os guaranís, assim como todos os povos indígenas, em perfeita harmonia com a natureza, em suas terras, quando chegaram os conquistadores europeus. As terras dos povos guaranis foram invadidas pelos espanhois, mas os índios se defendiam e atacavam os invasores, que muitas vezes os julgavam com poderes de bruxaria, tamanha eram a arte e a bravura indígenas na defesa dos seus domínios.
Conta-se que os espanhois acreditando que os índios eram verdadeiros bruxos, e imbuídos do espírito que dominava na Europa de que os bruxos deviam ser queimados, quando dominavam e capturavm os indígenas os queimavam numa fogueira.
As lutas entre espanhois e índios fizeram surgir uma das mais belas lendas do povo guarani: a da flor de ceibo.
Um dia quando os espanhois atacaram a tribo de Anahí, todos os guerreiros e guerreiras guayaqui enfrentaram os invasores com destemor. Mas os invasores eram numerosos, vinham com suas armas e seus cavalos, e aos poucos foram conquistando terreno e dominando os vales, as serras, os rios.
Anahí era uma das guerreiras. Sua voz já não cantava mais, só gritava vingança, animando os homens e mulheres da tribo a enfrentaram os invasores e defenderem suas terras.
Um dia foi capturada e levada para o acampamento espanhol, onde ficou amarrada. No entanto, a brava guerreira conseguiu se safar das amarras, golpeou o sentinela e fugiu para o bosque, sendo capturada mais uma vez. O soldado ferido por Anahí morreu e todos acreditaram que tinham ali uma bruxa, que havia recebido alguma ajuda diabólica, pois como podia uma menina ferir e matar um soldado? Resolveram queimá-la na fogueira.
A fogo foi ateado, as chamas subiam pelo corpo da índia, que não gemia, não chorava, mas sim cantava uma canção ao seu deus pedindo por sua terra, sua tribo, suas matas e rios.

Ao nascer do dia o corpo de Anahí tinha se transformado em um robusto tronco de uma planta de folhas muito verdes e de flores vermelhas, como os lumes que tinham consumido a valente índia. Era a flor de ceibo, a flor de Anahí.


ANAHÍ
Música composta por Osvaldo Sosa Cordero (Corrientes, Argentina)

No Brasil, música cantada por Cascatinha e Inhana, Tetê Espíndola e outros


Anahí
As arpas sentidas soluçam arpejos
Que são para ti
Anahí
Teus acordes lembram a imensa bravura
Da raça tupi
Anahí
Índia flor agreste da voz tão suave
Como aguaí;
Anahí, Anahí
Teu vulto no campo difere entre as flores
Pela cor rubi.

Defendendo altiva
Tua valente tribo, foste prisioneira
Condenada à morte,
Já estava teu corpo envolto à fogueira;
E enquanto as chamas a estavam queimando
Numa flor tão linda se foi transformando.
Os teus inimigos fugiram dali!
As aves ficaram cantando o milagre
Da flor de Anahí.

Anahí, Anahí, Anahí...

3 comentários:

Bisaflor disse...

Oi meus queridos amigos

não é linda essa lenda? outro dia ouvi a música e falei: que linda história! E que música maravilhosa que deu!
Vou já contar no Cariricaturas.
Cafunés em todos vocês.
bisaflor

Socorro Moreira disse...

Vixe mulher, essa música é tudo de bom !
Aprendi a cantá-la com a minha avó.
Costumo citá-la de vez em quando...
A HISTÓRIA CASA COM A BELEZA DA MÚSICA.
FICO SEM DORMIR OUVINDO ESSAS HISTÓRIAS , MESMO COM CAFUNÉS DA BISA.
qUE FOTO LINDA! lEMBRO BEM DESSA MULHER.

ABRAÇOS

Socorro Moreira disse...

Algumas horas depois, ainda cantando Anahí.