Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Seiva
- Claude Bloc -

Muitas vezes me escondo
Me transformo
Me deleito
.
Sinto-me fluida
dentro da árvore,
em seu oco,
em seu silêncio.

Outras vezes sou seiva,
estou nas sementes.

Meus pés se misturam com as raízes,
caminham dentro da terra,
reconhecem nela o rumor do tempo
na noite subterrânea.
.
Meus braços balançam no espaço
são galhos,
minhas mãos se espalmam
saboreando o vento
bebendo-lhe o frescor:

eu e a árvore
o mesmo pensamento.
A imobilidade frágil das horas
A vida, os sonhos.

Claude Bloc

5 comentários:

Aloísio disse...

Claude

Perfeita esta sua simbiose com a árvore!!!
Parabéns.

Abraços
Aloísio

Edilma disse...

Claude,

Arrebentou Claude Beth Bloc Boris!
Nas fotografias passo a passo com a poesia.
Belo presente para começar meu dia!

Até mais tarde ...
Beijo !

Liduina Belchior disse...

Claude,

No texto você se mistura com a natureza; ou seja, empatiza com a mesma. Ora é seiva, depois semente e até raiz...Interagiu com a(as) árvore(s). Parabéns!

Claude Bloc disse...

Aloísio, Edilma e Lidu,

Quem em algum momento não se sentiu árvore?

Muitas vezes pela força, outras pela placidez, outras tantas pela imobilidade, ou seja, por estar ciente de tudo e nada poder fazer...

Mas esse "passeio" por dentro da árvore e de si ao mesmo tempo, sentindo-se fluir como a seiva a gente faz num momento de reflexão e de tomadas de iniciativa.

Ando assim sentindo que preciso me sentir parte de todo para me reacomodar ao mundo.

Abraços aos três na minha seiva da amizade.

Claude

Palloma D'almeida disse...

-Parabéns, Claude, pelo BELO texto!

Abraço,

Palloma Almeida.