Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

DIÁLOGO ENTRE POEMAS

 Chagas postou um poema de Octávio Paz e cometi a ousadia de exercitar a intertextualidade (conversa entre textos) procurando não sair do ritmo nem do tom, mas enxugando a amargura expressa pelo autor.

Vejamos:
*Octávio Paz
*Claude Bloc

Dá-me, chama invisível, espada fria,
tua persistente cólera
para acabar com tudo,
ó mundo árido,
ó mundo exausto,
para acabar com tudo.
Dá-me a tua calma, tua palma
tua aparente agonia
para aliviar tua aflição
ó mundo ávido
 ó mundo atávico
para aliviar tua aflição.


Arde sombrio, arde sem chamas,
apagado e ardente,
cinza e pedra viva,
deserto sem beira.
Arde a alegria, arde em chamas
Acesa e ardente
Alegria em terra viva
Aberta, sem parelhas

Arde no vasto céu, laje e nuven,
sob a cega luz que desaba
entre estéreis rochas
Ardem os sorrisos, ternos, fagueiros
Sob os sonhos que despertam
Entre as férteis cercanias.

Arde na solidão que nos desfaz,
terra de pedra ardente,
de raízes congeladas e sedentas
Arde a saudade que se desfaz
Nos rios e nas suas nascentes
Nos sentimentos sensatos, iminentes

Arde, furor oculto,
cinza que enlouquece,
arde invisível, arde
Arde o amor oculto
Amor que enlouquece
Arde invisível, arde
como o mar impotente parindo nuvens,
onda como o rancor e espumas pétreas.
Entre meus ossos delirantes, arde;
arde na oquidão do ar,
forno invisível e puro;
arde como arde o tempo,
arde como arde a vida
como caminha o tempo entre a morte,
com seus mesmos passos e alento,
arde como a solidão que te devora,
arde em ti mesmo, ardor sem chama
arde a ansiedade e o  silêncio
arde a alegria e o lamento
solidão sem imagem, sede sem lábios.
Para acabar com tudo,
ó mundo árido,
para acabar com tudo.

Mas eis que os ventos mudam de repente
E nada mais será como era antes...
Volta o sorriso complacente
Arde a alegria nesse instante
E novamente brota a semente
E a felicidade tão somente.

4 comentários:

Aloísio disse...

Claude,

Espetacular a mudança de polaridade do texto feita por você.
Parabéns!!!

Abraços
Aloísio

Claude Bloc disse...

Obrigada, Aloísio,

Adoro este jogo de palavras... É um exercício prazeroso.

Abraço,

Claude

Edilma disse...

Claude,

Neste assunto não tem pra ninguem,
o espaço é só seu.
Reverencias.......

Até !

Chagas disse...

Fantástico, Claude, fantástico!

Parabéns.

Abraço.

Chagas.