Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Farra com o dinheiro público ??? - José Nilton Mariano Saraiva

A SAAEC (Sociedade Anônima de Água e Esgotos do Crato) foi estruturada e passou a funcionar em meados da década 1960, quando a cidade foi administrada pelo circunspeto e austero prefeito Pedro Felício Cavalcante, tendo tido como seu primeiro diretor-presidente o Brigadeiro José Sampaio de Macedo (dois homens lendários, paradigmas de seriedade, que honraram e dignificaram o Crato, mercê das suas qualidades morais, intelectuais e técnicas).
Hoje, lamentavelmente (e como é dolorida tal constatação), aquela autarquia municipal funciona como moeda de troca na bacia das almas de políticos alienígenas, sem maiores compromissos com a cidade e o seu povo. Tanto é que, presumivelmente recomendado e imposto (de cima pra baixo), ao atual prefeito do Crato (Samuel Araripe) pelo então manda-chuva do PSDB cearense Tasso Jereissati (à época Senador da República), o amazonense José Procópio da Silveira (ex-jogador de futebol) foi designado e assumiu a presidência da SAAEC, aonde já chegou pregando e difundindo o terrorismo explícito, via ameaça de demissões indiscriminadas.
Arrogante e prepotente (tal qual o padrinho político), se indispôs com muita gente (inclusive vereadores da base de sustentação do prefeito), até bater de frente e ser, corajosa e publicamente, denunciado formalmente pelo cratense Joaquim Pinheiro Bezerra de Menezes de ter infligido o Código de Defesa do Consumidor, atropelado o Estatuto do Idoso e ter sido, no mínimo, mal-educado e desrespeitoso ao destratar e humilhar a senhora Almina Arraes de Alencar Pinheiro (sua genitora, de quase 90 anos de idade), em pleno recinto daquela repartição pública, pela simples razão desta ter procurado explicações para um aumento abusivo do valor da sua conta mensal do consumo d’agua.
Como a repercussão de tal grosseria se fez sentir não só na cidade, mas além fronteiras (em razão de tratar-se de uma família tradicional e muito benquista por todos, aqui e alhures), se esperava, do chefe do executivo cratense, a humildade e reconhecimento devidos para algum pedido formal-oficial de desculpas à família ofendida (não concretizado, segundo Joaquim Pinheiro Bezerra de Menezes), de par com alguma providência efetiva em termos operacional-administrativa, em relação à inabilidade, arrogância, falta de educação e despreparo demonstrados por aquele seu subordinado no exercício da atividade pública.
Debalde.
Navegando na contramão da responsabilidade, do bom senso e da razoabilidade, o chefe do executivo cratense tratou foi de passar a mão na cabeça do subordinado abusado e destemperado e até (certamente que numa tentativa de “abafar” a repercussão por demais negativa e desfavorável do imbróglio), premiou a SAAEC com uma intensa e maciça propaganda nos meios de comunicação (principalmente na Internet), com especial destaque para o seu megalômano presidente (que nos foi apresentado como se fora uma espécie de “novo Messias”, responsável pela salvação de toda a população cratense de uma terrível e letal epidemia).
O que não se sabe e, aí, sim, deveria ser explicitado “tim-tim-por-tim-tim” e didaticamente à população (alô, atuais integrantes da Câmara de Vereadores da cidade) é o seguinte: vale à pena, numa cidade mediana do porte do Crato, reconhecidamente carente de recursos, manter na presidência daquela autarquia pública, alguém que custa tão caro ao erário municipal (uma pequena fortuna mensal) ??? Explica-se: como a família reside em Fortaleza, desde que chegou ao Crato o senhor José Procópio da Silveira, depois de se acomodar num dos bons hotéis do centro da cidade, “morou” também por um bom período no Hotel Encosta da Serra e, hoje, se acha confortavelmente instalado no agradável, chique e luxuoso Pasárgada Parque Hotel (o nosso cinco estrelas), evidentemente que às expensas da prefeitura; tem à sua disposição um veículo particular, nas 24 horas do dia, com motorista e combustível pagos pela municipalidade e, como viaja frequentemente para Fortaleza, pressupõe-se que as passagens aéreas sejam, também, debitadas ao erário público municipal; além, é claro, das diárias remuneradas (quando de viagens “a serviço”, que sempre aparecem), e de receber uma remuneração mensal que não deve ser nada desprezível. Quanto custará tudo isso, atualmente ??? É verdade que o gasto bruto com as mordomias dispensadas ao Presidente da SAAEC, ultrapassa a remuneração individual do próprio prefeito da cidade e secretários ??? Será que não vale a pena conferir, auditar, saber o “porque” de tamanho privilégio ???
Alfim, perguntas que não querem calar: não é algo um tanto quanto vexatório e injustificável, que numa cidade como o Crato (que se vangloria de ser a “capital da cultura”), não exista nenhum executivo (filho da terra, radicado e morador do município), com preparo educacional, técnico e profissional suficiente, em condições de assumir a presidência da SAAEC, evitando assim salgadas e desnecessárias despesas com estadia, transporte, motorista, diárias, passagem aérea e por aí vai, para um presidente-viajante, rebocado de tão longe ??? Será que na quadra atual, onde o fator “custos” é variável preponderante para se levar uma empreitada avante numa autarquia pública (em termos de priorização dos investimentos), a relação “custo X benefício” propiciada pelas “regalias-mordomias” ofertadas pela administração municipal ao senhor presidente da SAAEC, não é por demais onerosa para o município ??? Qual o retorno, efetivo e concreto, que a manutenção do senhor José Procópio da Silveira, à frente da SAAEC, propicia à cidade do Crato ???
Se as interrogações acima são de difíceis respostas, de uma coisa podemos ter certeza: a essa altura, na quietude e silêncio sepulcral dos respectivos jazigos, o ex-prefeito Pedro Felício Cavalcante e o Brigadeiro José Sampaio de Macedo, que tanto rigor, desvelo e cuidado tiveram com os recursos públicos, devem estar a se retorcer e contorcer de preocupados, a questionarem: qual a razão de tamanha “farra com o dinheiro público”, propiciada via recursos da SAAEC ???

4 comentários:

Claude Bloc disse...

Seja sempre bem vindo José Nilton...

Abraço,

Claude

daniel disse...

Não se assuste não Zé Nilton. Essas contas quem pagam são pessoas, simples, de orçamsento doméstico apertado. Contudo sempre pagam suas contas em dia. D. Almina que diga como patrocina essa farra.
Jair Rolim

daniel disse...

Alias Sr.proprietario do blog. porque meus comentarios nunca sao pub licados????
Jair Rolim

Dihelson Mendonça disse...

Esse texto já foi devidamente enviado para o Dr. Procópio, Pres. da SAAEC e todos os Secretários de Governo do Crato.

São abusivas as mentiras e francas Agressões que alguns têm um prazer sádico em espalhar na internet sem o menor conhecimento de causa.

Comprendo isso como o desespero que sempre reinou nos textos escritos por este senhor, que obviamente, não objetiva o bem do Crato, mas um ódio gigantesco que nutre por diversas pessoas daqui, sem observar NUNCA as coisas boas que se tem feito ao longo dos anos pelo Crato.

Dihelson Mendonça