Criadores & Criaturas



"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
"

(Carlos Drummond de Andrade)

ENVIE SUA FOTO E COLABORE COM O CARIRICATURAS



... Por do Sol em Serra Verde ...
Colaboração:Claude Bloc


FOTO DA SEMANA - CARIRICATURAS

Para participar, envie suas fotos para o e-mail:. e.
.....................
claude_bloc@hotmail.com

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Dégas, "O Pintor das Bailarinas"


"Chamam-me o pintor das bailarinas", dizia Dégas com tristeza, "não compreendem que a bailarina é um pretexto para reproduzir o movimento fluido."

Pintor e escultor francês (19/7/1834-27/9/1917). Ligado ao impressionismo, destaca-se pelo estudo apurado do movimento e fica conhecido como o pintor das bailarinas. Hilaire-Germain-Edgar Degas nasce em Paris.

De família abastada, abandona o curso de direito e ingressa em 1855 na Escola de Belas-Artes. No ano seguinte vai estudar a pintura do Quattrocento na Itália, onde permanece até 1860.


Compõe obras de observação psicológica, como retratos de família (Retrato de Família de Belleli, 1860-1862). De volta à França, interessa-se pela pintura histórica e conhece Édouard Manet e outros impressionistas.
Em 1870 é influenciado pelas cores do impressionismo, pela perspectiva paralela e pelas estampas japonesas.

No ano seguinte, porém, abandona as paisagens rurais e adota o realismo em pinturas e desenhos, retratando cenas do cotidiano urbano, como em Após o Banho (1898) e As Passadeiras de Roupa (1884), entre outras obras.


A partir de 1880, com a progressiva perda da visão, isola-se dos amigos e passa a se dedicar à criação de suas pequenas esculturas, principalmente nus femininos, cavalos e bailarinas. A mais famosa delas é Bailarina de Catorze Anos (1881). Morre em Paris.


Apesar de não ser considerado academicamente como um impressionista, pois divergia em alguns pontos de artistas como Claude Monet e Boudin, Degas traz traços primordialmente identificados com o impressionismo, mas que acabam se distanciando e marca a sua independência com "A pequena bailarina de catorze anos".

A Pequena Bailarina de Catorze Anos - Edgar_Degas

Há uma polêmica em torno da data de reprodução dessa escultura . Alguns dizem que a “Pequena Bailarina” foi a única reproduzida antes da morte do artista, mas é bem provável que ela tenha feito parte de um lote de 73 esculturas reproduzido pela família herdeira nos dez anos que se seguiram a morte de Degas, ocorrida em 1917. Depois de reproduzida pela Fundição Hébrard, a escultura original de Degas ficou esquecida em um porão de Paris até 1955, quando o colecionador Paul Mellon comprou-a e doou-a, em 1999, àGallery of Art National , de Washington. Desde então, a “ Pequena Bailarina de Quatorze Anos” encontra-se exposta à visitação pública da mesma maneira como foi idealizada por Degas : protegida em uma caixa de vidro.

A obra “A bailarina de 14 anos” de Degas foi bastante criticada, pois retrata uma jovem bailarina que demonstra os problemas da sociedade Européia do século XX. La petit danseuse de quatorze anos é o nome original da escultura de Degas, que representa uma jovem estudante de dança chamada Marie Van Goethem. Ele é feito de cera, o que é bastante incomum em esculturas, com uma crosta de bronze e algumas peças de pano. A finalização da obra ocorreu em 1922.

Quando a escultura foi lançada na Sexta Exibição Impressionista em Paris, houve diferentes criticas acerca da qualidade da obra. Muitos a acharam feias e outras a consideraram grotesca e primitiva, é uma das obras mais conhecidas de Degas e foi vendido em um leilão por mais de 12 milhões de dólares a François Pinault, o homem mais rico da França.

A “pequena bailarina” mostrava os conflitos que ocorriam no mundo da dança, pois o artista conhecia o lado, por vezes obscuro, do universo das jovens bailarinas, uma combinação nem sempre feliz entre arte e pobreza ou arte e prostituição. A desalinhada jovem não era propriamente para uma escultura ou pintura da época. Nem era nobre, tampouco, o material escolhido pelo artista: a cera, ao invés do bronze ou do mármore. Entretanto, ao lado das restrições formais e estéticas, a “pequena bailarina” escandalizou, sobretudo, porque simbolizava a hipocrisia que encobria as intrigas obtidas pelos poderosos através da prostituição exploratória das jovens bailarinas.









Biografiahttp://pt.wikipedia.org/wiki/
http://www.algosobre.com.br/biografias/edgar-degas.html
http://www.bestpriceart.com/vault/cgfa_degas48.jpg
http://www.suapesquisa.com/biografias/edgar_degas.htm

2 comentários:

Socorro Moreira disse...

Acho que eu acabo de entrar num sonho...É aqui o céu ?

-Quando Maria nasceu ela também pensou assim ... Chegara do limbo , e foi recebida por outra Maria.
Seus pés pequeninos já nasceram bailarinos.
Procurou com os olhos, quase cegos , naquele quarto pouco iluminado , uma caixinha de música. E caiu na dança da vida.Com corda, sem corda , seus pés ainda dançam ...
Um abraço, Corujinha.

Claude Bloc disse...

Visualmente lindo...
Livre, leve